en     pt
Gente do Xingu Notícias
Identidade Asurini
Gente do Xingu, Notícias
Postado em 27.04.2016

O orgulho em fazer parte da etnia Asurini está gravado na pele do professor Kwatirei Asurini, da aldeia Koatinemo. “Desde criança eu aprendi a importância de valorizar a minha cultura, pois é somente através da valorização dos nossos costumes e tradições que essa cultura vai resistir ao tempo e se perpetuar por várias gerações”, afirma.

“O meu principal dever como professor é despertar nos jovens da minha aldeia o sentimento de pertencimento dessa cultura", destaca o professor.

“O meu principal dever como professor é despertar nos jovens da minha aldeia o sentimento de pertencimento dessa cultura”, destaca o educador Kwatirei Asurini (Foto: Osvaldo de Lima/Norte Energia)

O desejo de ser protagonista no processo preservação da cultura Asurini era tanto que Kwatirei decidiu se tornar professor da Língua Asurini do Xingu. Formado em Pedagogia, o educador ensina os jovens e crianças da aldeia sobre a importância de se preservar os saberes e fazeres da Terra Indígena Koatinemo.

“O meu principal dever como professor é despertar nos jovens da minha aldeia o sentimento de pertencimento dessa cultura a partir do ensino da nossa língua, da nossa história. E só através do conhecimento e do sentimento de pertencimento que essas tradições vão resistir por muitos e muitos anos”, destaca Kwatirei.

Distante cerca de 4 horas de barco de Altamira, a aldeia Koatinemo, da etnia Asurini, faz parte das aldeias atendidas pelo Projeto Básico Ambiental do Componente Indígena (PBA-CI) da Hidrelétrica Belo Monte. Os investimentos da Norte Energia nos programas do PBA-CI somam mais de R$ 300 milhões e garantem a conservação do patrimônio cultural,  reforçam a segurança territorial e ambiental, além de incrementar as atividades produtivas, a educação escolar e fortalecimento institucional  dos povos tradicionais do Médio Xingu.

  • A Universidade Federal do Pará (UFPA) divulgou a data do primeiro vestibular de Medicina em Altamira, programada para os dias 5 de junho e 3 e 31 de julho deste ano. O anúncio foi comemorado por centenas de alunos da Região Xingu, que há tempos aguardavam por essa notícia. “Agora eu posso dizer que a minha expectativa para fazer o vestibular já tem data marcada”, afirmou o estudante Vitor Oliveira, 23, morador de Vitória do Xingu, município da Área de Influencia Direta (AID) da Usina Hidrelétrica Belo  Monte.    Com investimento de R$ 1.894.671,54, o prédio da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Pará é uma antiga demanda da região, que se tornou realidade através de parceria entre a Norte Energia e a UFPA, através do PDRSX (Plano de Desenvolvimento Regional Sustentável do Xingu). O primeiro vestibular de Medicina da região consistirá em uma prova objetiva de conhecimentos gerais, com 45 questões abrangendo conhecimento de Língua Portuguesa, Matemática, História, Geografia e Literatura. A segunda etapa terá uma prova objetiva específica com 45 questões de Biologia, Física e Química. E a terceira consistirá em uma prova de redação. Todas as etapas serão eliminatórias e classificatórias  
  • Morador do Reassentamento Rural Coletivo (RRC) construído pela Norte Energia, o agricultor Manoel Batista, 53, comemora a primeira colheita do viveiro coletivo do local. O canteiro funciona como alternativa para o desenvolvimento sustentável e econômico da área. A ação é parte do Projeto Básico Ambiental (PBA) da UHE Belo Monte e conta com o apoio do Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-Bio), que contribui com a implantação dos Sistemas Agroflorestais (SAF) em cada lote desde o começo do projeto.“A colheita das primeiras plantações do viveiro era algo muito esperado por nós. Colher um pouquinho de cada coisa que foi plantada aqui como alface, limão, banana, feijão, é uma graça muito grande”, afirma Manoel. Todas as espécies disponíveis no viveiro comunitário são produzidas no Centro Estudos Ambientais (CEA) da Norte Energia. Com capacidade para produzir 15 mil mudas, o local é referência para produção de mudas e treinamentos de técnicas e procedimentos agrícolas. Destinado aos moradores de comunidades rurais influenciadas pelos reservatórios da Usina Hidrelétrica Belo Monte, o RRC agrega 28 famílias, cada uma com casas construídas em lotes cercados, de 75 hectares de área total e 15 para cultivo, água potável, energia elétrica e fossa séptica. Todos os moradores do reassentamento foram beneficiados com o preparo de suas terras para o plantio.
  • Um fim de tarde de uma quarta-feira ensolarada poderia ser um dia qualquer para a família de Francisco, mas não foi. O agente de segurança Francisco Lopes, 48, tirou a tarde de folga para levar a pequena Thaís, de 6 anos, para se divertir na nova praia da orla de Altamira. Foi dia de brincar e mostrar um novo entardecer à filha, com amor e muito banho de rio. Quando perguntada se gostou do seu dia, Thaís responde sem titubear que “Tá sendo maravilhoso!”.Entre um mergulho e outro, o maranhense de Imperatriz, radicado na cidade há 14 anos, conta que é uma alegria ter praia o ano todo para aproveitar. “Entre as muitas coisas boas que a Norte Energia fez, essa é uma das que mais gostei. Antes dessa obra, que muita gente nem sabia que a engenharia conseguiria fazer, o povo da cidade precisava pegar carro e barco pra aproveitar praias distantes e somente no verão. Mas isso mudou”, observou. A praia da Orla de Altamira impressiona Francisco pela beleza. Ele já teve oportunidade de trabalhar no Estado do Amazonas, na Guiana Francesa e no Suriname, mas nunca havia visto de perto uma estrutura tão bem feita e ampla, que deu oportunidade para que pessoas da cidade e visitantes desfrutem das belezas naturais do Rio Xingu. “Quando a população ganha um local como esse tem obrigação de cuidar”, opinou.
  • O operador de motoniveladora Daniel Castro Souza Silva, 31 anos, não esconde o orgulho de trabalhar no canteiro de obras de Belo Monte. “Para mim isso é uma das maiores experiências que eu já tive na vida. Vou ter uma satisfação danada de contar para os meus filhos e netos que eu ajudei a construir uma das maiores hidrelétricas do mundo”, afirma.Natural da cidade de Novo Repartimento, no sudeste do Pará, Daniel chegou em Altamira no ano de 2014 e desde então não parou de acumular experiências profissionais. Técnico em segurança do trabalho, o operário revela que já fez diversos cursos de qualificação. A capacitação oferecida no canteiro de obras foi fundamental para ele mudar de função e ocupar um cargo que exerce atualmente. “Eu cheguei aqui como auxiliar operacional e graças aos cursos de qualificação, eu mudei de cargo e hoje trabalho como operador de motoniveladora. Um serviço que eu, particularmente, gosto muito de fazer”, conta o operário, que já faz planos para trabalhar em outra hidrelétrica.











© Desenvolvido por santafédigital. Uma empresa do grupo santafé.