en     pt
notícias > Notícias
Entrevista de Tolmasquim sobre a UHE Belo Monte para jornalistas estrangeiros
Postado em 21/02/2011

Presidente da Empresa de Pesquisa Elétrica (EPE), Maurício Tolmasquim, participa de videoconferência para jornalistas estrangeiros para explicar o projeto Belo Monte e informar sobre as iniciativas socioambientais do empreeendimento.

Íntegra da entrevista transcrita em inglês aqui.

Transcript: conference call with Mauricio Tolmasquim on Belo Monte Dam Project
Teleconference held by the president of Brazil's Energy Company (EPE) to international media.

Moderator: Good morning everyone, and thank you for joining us for today's call with Mauricio Tolmasquim, the president of Brazil's Energy Research Company, EPE. Mr. Tolmasquim is with us today to provide updates and answer questions about Brazil's Belo Monte hydroelectric dam project. Mr. Tolmasquim will be providing his remarks in Portuguese, followed by an English translation. The same will be true for the Q&A portion of this call. For the benefit of all participants, we ask that you please direct your questions to Mr. Tolmasquim in English. Now I would like to turn the call over to Mr. Tolmasquim. Sir, please go ahead.

M. Tolmasquim: Good morning everyone. I would like to thank you for the opportunity to clarify any issues related to the Belo Monte plant.
I'd like to say that Brazil, as a country, has one of the most renewable energy matrices in the world, with 90% of power coming from renewable sources, in comparison with the world's average, which is 18%.
As a result of this renewable matrix that we have, as far as energy is concerned, our greenhouse gas emissions are much lower than the rest of the world, particularly because of our consumption and production, which basically leads Brazil to consume less energy. For example, as far as consumption is concerned, when compared to the world, Europe emits 110 times more greenhouse gases than Brazil, while China emits 190 times more, and the United States emits 200 times more than Brazil because of electrical power consumption.

M. Tolmasquim: In order for the Brazilian economy to grow around 5% per year in the next few years, Brazil needs to add 5,000 megawatts per year to its installed capacity.
As far as this projection is concerned, energy conservation measures have already been taken into account. For example, for the next 10 years, the effect of these energy conservation actions will have the same effect as the actual production expected for Belo Monte.
Part of this strong need to expand the electrical power sector is justified because of the low consumption rates in Brazil. For example, the per capita household consumption of electricity in Brazil is still very low. For you to have an idea, the per capita consumption of electricity in Russia is 50% more than in Brazil; in the United Kingdom, three times as much as in Brazil; and in the United States, it's eight times as much as in Brazil. In other words, despite increasing energy efficiency, in order for us to be able to eradicate or improve social inequality, electricity consumption will have to be increased and therefore, we need to expand the Brazilian electrical system.
Belo Monte allows Brazil to achieve two objectives. First, it manages to meet the energy needs of the country, which will foster growth in development; while at the same time maintaining low levels of greenhouse gas emissions.
For example, in order for us to replace the Belo Monte plant for thermal power plants, our emissions would be, for the same energy generated, 19 million tons of CO2 based on natural gas. This 19 million tons of CO2 actually corresponds to more than all electrical sector emissions for 2007.  And this is considering that it would be natural gas, and not coal.
Belo Monte was developed with the aim of bringing the smallest possible negative effects to local communities. And, in fact, the Belo Monte power plant will bring positive effects to the region.
No indigenous land surrounding the area of the project will be flooded. No indigenous community will be moved out of their land.
FUNAI, which is the Brazilian agency that looks after indigenous people, held more than 30 meetings with the different communities with over 1,700 indigenous people. During these meetings, FUNAI was able to explain the project, as well as listen to their concerns and worries about the project.
In relation to non-indigenous communities, our estimate is that only 5,000 families will have to be moved. In other words, this is a very different project from other major projects, such as the Three Gorges Dam project, which was estimated to have relocated one million people.

M. Tolmasquim: Many of the families that will actually be moved as a result of the project live in very precarious conditions. In the region of Altamira, many live in houses that are built over the river - they are almost floating over the river - and for half of the year, they have to leave their houses due to flooding. These families will actually get new houses made from brick and cement, for example.
The city will receive a new sewage system. Water will be treated as well, along with roadway infrastructure and urban improvements.
The investors are going to invest somewhere around R$ 3.3 billion as social and environmental compensation. And this is actually equivalent to 19 times the actual total budget for the state of Pará. And these resources will be directed only to the region linked with Belo Monte; in other words, surrounding Belo Monte.
In addition, the federal government is going to implement a regional sustainable development plan for the Xingu region. In other words, the public branch will bring more financial resources to the region.
The benefits of Belo Monte are not just social, but environmental as well. Conservation areas will be created in an area called Volta Grande in Xingu, and on the right side of the area as well, on the actual riverbank. The degraded areas will be recovered.
In conclusion, I would say that Belo Monte is much more than just a mere electrical power plant, but a driving force for sustainable development in the region.
That concludes my opening remarks and I am now here at your service to answer any questions that you may have.

Operator: Our first question is from the line of Paulo Winterstein with Dow Jones Newswires.

Paulo Winterstein: Hi, Mr. Tolmasquim. You mentioned if Belo Monte would be replaced with thermal plants, but a lot of the criticism of Belo Monte is that smaller hydroelectric plants would perhaps be more efficient and have less of a negative impact. I just wanted to ask: how do you respond to criticisms that smaller plants would be more effective?
And second, that while the capacity of Belo Monte is about 11,000 megawatts, average output would be, I think 3,000 or 4,000, and some people have said that in extraordinarily dry years, three-fourths of the year, the dam actually wouldn't produce any energy at all because of low water levels.

M. Tolmasquim: In relation to small electrical power plants in Brazil, we consider a small power plant to be one that actually generates 30 megawatts. The thing is that we would need more than 300 smaller power plants in order to be able to supply the same amount of energy as Belo Monte. And 300 plants in the Amazon would probably have a much more negative environmental effect than just one large one.
In relation to the effective generation in installed capacity, I would like to mention that, really, no plant actually generates the maximum permitted capacity. In Europe, for example, the relation between energy production and the actual installed capacity is around 35% or 40%.
In Belo Monte we have 40%. The average in Brazil is around 55% and thus, Belo Monte is a little bit below the national average. However, there are reasons for this. One of the main reasons is related to the need for ensuring that energy generation is compatible with the environment.
In order for Belo Monte to generate more, we would need a much bigger reservoir. It would also be necessary for us to build other plants on the Xingu River. It would also be a problem because we would not be able to ensure that the indigenous communities would have water in the Xingu region.
Both of these possibilities are unacceptable for us because we believe that Brazil cannot explore its hydroelectric power potential by creating these kinds of situations.  Therefore, we prefer to not necessarily achieve all of this output, but preserve the sustainability in the region.
The good news is that even without this additional energy output, this power plant continues to be incredibly competitive. And how can we prove this? By comparing the value of megawatts generated.
The cost of generating energy through Belo Monte is around half of the cost of other renewable sources, thermal sources, among others.

Ken Rapoza: How much will Belo Monte lower the cost of energy/electric power for mining operations in Pará? And if so, how important is Belo Monte for mining in the State?

M. Tolmasquim: It is important to point out that 70% of the energy generated at Belo Monte will be for the regular market, or in other words, the electricity distributing companies.
Thirty percent of this energy is basically left for the free market, where you have all different kinds of industries involved. A small part of these industries could be mining

M. Tolmasquim: companies, but at the moment, we do not know which ones, or how many. Therefore, we cannot guarantee that mining companies will be receiving this electricity.

Gustavo Faleiros: Good morning. Mr. Mauricio, just one point of clarification. So it's for sure that there will be no more in Xingu River as there is a legal commitment to not build more dams besides Belo Monte? And my actual question is about the emissions from the dam.  What do we know about the methane emissions that will be caused in the reservoir?

M. Tolmasquim: Well, there was a decision made by the National Energy Policy Council which established that no more power plants would be built in the Xingu River, and in order for this resolution to actually come in effect, it is signed by the President of the country and, thus, it has very high legal status.
In relation to the emissions from Belo Monte, what I can say is that they will be practically nil because of two reasons. First, it is a runoff river power plant, therefore, it doesn't have a reservoir. Furthermore, in order to avoid methane gas emissions from decomposing vegetation, for example, 100% of the vegetation will be removed from the reservoir canals. Therefore, the emissions from Belo Monte should not be any different than the emissions that we already see being emitted by the river.

Zachary Hurwitz: Thank you. According to a recent article in the Journal of Science, reservoir storage capacity in the Amazon is decreasing due to climate-related drought, and we saw evidence of this last year in the worst ever drought on the Rio Negro, five years after the worst ever drought on the Rio Madeira. I'd like to hear how Mr. Tolmasquim justifies building the Belo Monte given this fact.

M. Tolmasquim: The effect of climate changes on the river's outflow basically are data that have not actually been proved yet.  And in addition, the studies conducted in Brazil in relation to the eventual effects of climate change also pointed to a reduction in wind. These studies actually consider a horizon of 100 years. Let's suppose that, indeed, we do see these reductions in the next 100 years - we feel that this is something that should not stop us from building, for example, wind power plants, and thus we continue to build electrical power plants.
We also consider that in the next few years, water-generated electricity, and of course, wind-generated electricity, can contribute very much to reduce greenhouse gas emissions, even if we do end up seeing in 100 years' time a reduction of the rivers and wind.

Nadia Pontes: Yes, Belo Monte seems to be the only way out for the government. I was going to ask about the wind turbines you just mentioned. Is Belo Monte actually the only way out for the government, or why not more investment in wind turbines?
And the second question. There are, I think, nine processes, and the Pará state is trying to stop the project. Is the government in a hurry to do Belo Monte? Why is the government not listening to these people in Pará?

M. Tolmasquim: Brazil considers it necessary to have many different alternatives for generating electricity and Belo Monte is just one of these alternatives.
Brazil has a great potential for wind and biomass-generated electricity. In the last few years, Brazil contracted 10,000 megawatts from biomass and from wind-generated electricity, which would correspond to one Belo Monte power plant.
Brazil is actually a very fortunate country because it can use water, wind and biomass energy as a complement to its energy matrix. For example, in Europe, wind energy is complemented by thermal energy. While in Brazil, wind power is a partner of water power. Therefore, our issue here is really not whether it is wind or water-generated electricity, but wind plus water-generated electricity.
In relation to the legal action against Belo Monte, it is important to point out that there was a very thorough process to actually hear the local community.
During the development of the environmental impact study, we had 12 public meetings; ten workshops with the community; 14 technical forums, four of which were held in Belém, which is the capital city of that State; 30 meetings in indigenous villages with participation of approximately 1,700 indigenous people; a visit by the media agents and social communication agents to around 5,300 families; 61 meetings with communities, with an attendance of 2,100 people; ten lectures at primary and lower secondary education schools to around 530 students; and four public hearings which were promoted by IBAMA. And in Altamira, one of these public hearings had an audience of 6,000 people, which made it the biggest ever public hearing in the history of Brazil.
Brazil is a democratic country, where it is very important for us to have these discussions. But at some point, a decision does need to be made. Listening to the stakeholders, for example, is incredibly important because the project was actually changed as a result of this conversation that was held with the local community.

M. Tolmasquim: For example, we had originally projected to build many different plants in the Xingu River, and thanks to the actual local populations' opinion on this matter, only Belo Monte is going to be built.  In the original project, the reservoir for Belo Monte was actually three times bigger than the actual reservoir that is going to be built now. Therefore, Belo Monte is actually the result of local social participation.
Like any other venture, there is always a small minority that is against it and doesn't actually want any kind of power plant at all. However, in a democratic society, this position cannot actually stop the government from providing a solution that is going to be beneficial to the country and the region.

Paulo Winterstein: Hi. I just had a question following on the reporter from the Deutsche Welle. With the lawsuits from public prosecutors, is there a risk that the January 2015 deadline won't be met, and does this put some of the energy needs for the country at risk in the coming years?

M. Tolmasquim: Well, as in any other lawsuit, the judicial power has the final word.
We believe that the portfolio for the Belo Monte project is strong enough in order for us to actually have a favorable decision in court. Of course, the final word comes from the judicial power.
In relation to Brazilian energy needs, I have to say that the country has a surplus into 2014 of 5,000 average megawatts, which takes into consideration a 5% GDP growth rate per year. In other words, the surplus that Brazil has actually allows the country to grow 7% per year regardless of energy.
And, of course, Belo Monte is important, however, there are other sources that Brazil can turn to in order to ensure energy supply.
However, we are actually quite confident that Belo Monte's construction will actually begin as planned to ensure that we don't actually have to reduce our surplus supply.

Gustavo Faleiros: Yes, it's a follow-up as well. On this matter of the final word being a judicial word, I would like to know the opinion of Mauricio about the opinion of IBAMA. What happens if IBAMA doesn't actually approve the conditions - as they still are not approved - and what happens with the license itself?

M. Tolmasquim: IBAMA is a sovereign body, therefore, they have the final word on the licensing matters. So if IBAMA decides that the conditions are not actually fitting as far as being able to grant a license, then either the project is cancelled or perhaps postponed until alterations can be made to meet the conditions.

Ken Rapoza: Okay. Yes, I heard Tolmasquim say that there were 5,000 people that had to be relocated. I thought it was 20,000 so I wanted some clarification on that.

M. Tolmasquim: Five thousand families.

Ken Rapoza: Okay. So that would be about 20,000 people, we'll say. It's about the same.

M. Tolmasquim: It would be about the same, yes.

1
comentários


Uma resposta para “Entrevista de Tolmasquim sobre a UHE Belo Monte para jornalistas estrangeiros”

  1. As vezes eu deparo com alguns amigos, que simplesmente pegam carona em alguns comentários espalhafatosos, e saem pregando contra, seja lá o quê for,se inscrevem como participantes, tentam convencer, mas não sabem nada, quando são questionadas sobre seus argumentos, e não tem como contra argumentar,…..
    Eu me pergunto “sera que as pessoas estão perdendo o poder de pensar? de fazer uma análise mais aprofundada sobre os assuntos ? de se deixar levar por tão pouca coisa?
    Tem muita gente contra nosso desenvolvimento, e que se dizem dono do que é nosso, é o cumulo do absurdo !!!!!

  • A Justiça Federal rejeitou, na sexta-feira (23), ação que pedia a nulidade das licenças prévia e de instalação da Hidrelétrica de Belo Monte, que está sendo construída pela Norte Energia S.A. (NESA) na região de Altamira (PA). O Ministério Público Federal (MPF) também teve negado o pedido para que o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) fosse proibido de emitir novas para licenças, enquanto não fosse atestada a viabilidade do empreendimento com base em novos estudos complementares. Na sentença, o juiz federal Arthur Pinheiro Chaves, da 9ª Vara, especializada no julgamento de ações ambientais, diz não ver motivos para suspender a eficácia da licença de instalação. De acordo com o magistrado, não existem nos autos provas suficientes demonstrando que os estudos complementares elaborados e apresentados pela Norte Energia tenham sido rejeitados pela Fundação Nacional do Índio ou não tenha cumprido as exigências contidas em parecer técnico da própria Funai. Arthur Chaves atribuiu a carência de elementos probatórios suficientes ao que classifica de "inércia" do autor da ação. De acordo com o magistrado, o MPF deixou de produzir "provas adequadas no momento processual, vez que, como sói ocorrer em outras ações desse jaez, se limita a juntada de excessiva e desnecessária prova documental produzida de forma repetitiva e que avolumam de maneira inútil os autos, dificultando de forma despicienda até o seu manuseio e a tramitação processual." Leia a notícia em O Estado do Tapajós Leia no site da Norte Energia: Justiça Federal confirma licenças ambientais da UHE Belo Monte
  • Mito: Belo Monte provocou destruição Verdade: Belo Monte, além de energia limpa e renovável, gera  preservação e conhecimento. As campanhas contra Belo Monte insistem em associar a Usina à destruição do meio ambiente e de modos de vida na região do Xingu. Muito já escrevemos aqui sobre as populações locais, dramas que já eram vividos e ações socioambientais desenvolvidas pela Norte Energia para criar as condições necessárias para um ciclo de desenvolvimento social e econômico sustentável na área do empreendimento. Em relação ao próprio bioma, há muitas facetas de Belo Monte que não são divulgadas para o grande público. Como parte das condicionantes da Usina, a Norte Energia desenvolve 14 planos voltados para conservação do meio ambiente na região do Xingu. O trabalho reúne dados importantes para aprofundar o conhecimento sobre plantas e animais, mitigar impactos da implantação do empreendimento. Na Usina, os recursos hídricos dos dois reservatórios serão margeados por uma Área de Preservação Permanente (APP).  A região de preservação e recuperação ambiental terá cerca de 26 mil hectares contínuos, cinco vezes maior que a área de ambientes florestais fragmentados que serão suprimidos. O trabalho de preservação da fauna e flora do Xingu desenvolvido pela Norte Energia transformou Belo Monte em centro de produção e ampliação do conhecimento sobre a Amazônia. Pesquisadores de diversas áreas, especialmente da Universidade Federal do Pará (UFPA) e do Museu Paraense Emílio Goeldi, trabalham cotidianamente em parceria com a Empresa. Um dos resultados desta parceria é a produção inédita de conhecimento arqueológico da região. No final de 2014, o acervo paleontológico do Museu Emílio Goeldi ganhou um grande reforço com a entrega de aproximadamente 2.800 amostras coletadas nas áreas dos reservatórios da Usina. O trabalho desenvolvido nos últimos três anos pela Norte Energia inclui fósseis raros e alguns ainda não identificados pela Ciência. Nunca antes no Pará foi realizado um trabalho de tamanha abrangência, numa área de 296 quilômetros quadrados.  Dentre as peças mais importantes estão a impressão de peles de peixes marinhos do limite do período Siluriano/Devoniano e conchas muito bem preservadas de braquiópodes do gênero Língula. Blocos de rocha recolhidos contêm mais de 70 fósseis agregados. O material indica que há cerca de 419 milhões de anos a região do Xingu estava submersa sob um mar gelado habitado por seres invertebrados e peixes. Belo Monte, além de energia limpa e renovável para o desenvolvimento brasileiro, gera também preservação e conhecimento.  
  •       Leia mais no site
  • Doze meses se passaram desde que a comerciante Suely Moreira da Silva, 37 anos, seu marido, o servente Ednaldo Reis Ferreira, 36 anos, e os quatro filhos – Luiz Carlos, Luiz Fernando, Ronaldo Luiz e Suelen - chegaram no Jatobá. A família foi uma das primeiras a se mudar das áreas historicamente alagadas pelo Xingu para uma das 4.100 casas que a Norte Energia constrói em Altamira. Totalmente integrados ao novo bairro e rodeados por antigos e novos vizinhos, eles relembram, sem saudade, das dificuldades que deixaram para trás e do medo das chuvas intensas do inverno amazônico. “Eu tinha medo da chuva, do vento e do inverno”, conta Ednaldo. Hoje o chefe de família não passa mais noites em claro, em vigília, com receio de que as chuvas e a água do rio levem os pertencem e coloquem a família em perigo. Durante sete anos, o casal e os filhos habitaram um casebre de madeira sustentado por palafitas na Rua da Peixeira. “Quando chovia, balançava muito e eu não tinha sossego”, lembra o servente. “Mas esse tempo acabou. A casa aqui no Jatobá fez da gente pessoas mais felizes, mais tranquilas”, conclui. Dona Suely está ainda mais expansiva e à vontade no novo bairro. A casa já tem sua “marca”, com arrumação personalizada e repleta de plantas. A comerciante faz uma observação que pode ser constatada no rosto de cada um dos filhos: “Hoje a gente tem saúde, as crianças nunca mais ficaram doentes. Aqui a gente tem paz e tranquilidade. Somos muito mais felizes”, afirma. “Vimos um bairro crescer e se formar. E o melhor de tudo, o medo da chuva passou e hoje eu até acho bom quando ela cai, porque alivia o calor”.
  • Mais de 50 projetos foram selecionados em dezembro passado para promover o desenvolvimento sustentável da região do Xingu, no Pará, onde está sendo construída a hidrelétrica de Belo Monte, conforme decisão tomada na última reunião do Comitê Gestor do Plano de Desenvolvimento Regional Sustentável (PDRS) do Xingu, realizada em Altamira (PA). Serão destinados R$ 33,5 milhões para 52 projetos, entre eles o de Desenvolvimento e Implantação do Sistema Integrado de Gestão Ambiental, do Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento Sustentável da Transamazônica e Xingu, e a construção do Centro de Apoio Psicossocial para Álcool e Drogas, do Fundo Municipal de Saúde. Na área da saúde foram aprovados 15 projetos, que somam mais de R$ 9 milhões em investimentos. Outros R$ 9 milhões são para projetos de educação, como a expansão do campus da Universidade Federal do Pará (UFPA) em Altamira e o apoio à Escola Liberdade do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Anapu. Também foram contemplados projetos habitacionais, de comunicação comunitária, de fortalecimento produtivo e de organizações indígenas, entre outros inscritos no edital de 2014. O Comitê Gestor do PDRS do Xingu também decidiu que R$ 12,5 milhões serão aplicados na continuação de projetos de 2013 e que outros R$ 5,5 milhões estarão disponíveis para financiar novas ações ao longo deste ano. Deste modo, os recursos disponibilizados pelo PDRS do Xingu para a implementação de políticas públicas e de iniciativas da sociedade civil em 2015 totalizam R$ 51,6 milhões. O balanço realizado na última reunião do comitê apontou que o PDRS já havia liberado R$ 150 milhões para 147 projeto, sendo que 82% deles estão concluídos ou em execução já gerando desenvolvimento sustentável para a região. O Plano de Desenvolvimento Regional Sustentável (PDRS) do Xingu tem a finalidade de implementar políticas públicas e iniciativas da sociedade civil que promovam o desenvolvimento sustentável e a melhoria da qualidade de vida de mais de 400 mil pessoas que habitam a região impactada pela construção da usina hidrelétrica Belo Monte. No leilão de energia de Belo Monte foi prevista a aplicação pelo empreendedor de R$ 500 milhões em projetos definidos pelo Comitê Gestor do PDRS. Esse colegiado, formado em julho de 2011, é constituído por representantes dos governos federal, estadual e municipais, dos movimentos sociais, organizações ambientais e não governamentais, entidades sindicais de trabalhadores urbanos, rurais e dos pescadores, além de entidades patronais e comunidades indígenas, que decidem sobre a aplicação dos recursos. Leia a íntegra e acesse os vídeos no site do PAC  
  • Mais de 11 mil sorrisos nos municípios da área de influência direta da Usina Hidrelétrica Belo Monte. Foi assim o Natal Solidário, ação promovida pela Norte Energia, que agregou voluntários e deixou um rastro de alegria por onde passou. “Não tem como não ficar feliz. Foi uma bondade grande do Papai Noel de vir aqui com a gente”, resumiu o menino Matheus Castro, de 12 anos, do bairro Jardim Independente II, em Altamira.Para muitos meninos e meninas, o Natal Solidário foi uma grata e inédita surpresa. Dentre eles, Adriano Castro, de 13 anos, da comunidade Boa Esperança, de Altamira. “Não tenho brinquedo em casa, esse vai ser o meu primeiro”, revelou. No bairro Jatobá, construído pela Norte Energia, a menina Eliana Barros, de 10 anos, expressou a alegria com um sonho distante para o calor tropical altamirense: “Só falta nevar pra ser um Natal perfeito”. No São Joaquim, outro bairro construído pela Norte Energia em benefício de famílias que moram nas áreas historicamente alagadas pelo rio Xingu em Altamira, a dona de casa Josy Nogueira, de 24 anos, viu os dois filhos com presentes nas mãos e resumiu: “o mais importante não é o brinquedo, mas a alegria das crianças”.Para alguns a solidariedade dos voluntários teve ares de milagre natalino. O pastor da Igreja Ministério dos Apóstolos, Marcos Rogério Damasceno, 37 anos, contou que suas preces foram ouvidas. “Eu orei por 30 dias pedindo um meio de presentear as crianças da minha comunidade. Nem acreditei quando chegou um voluntário do Natal Solidário perguntando eu poderia ceder a igreja para a doação dos brinquedos”.O “Natal Solidário” arrecadou 11.618 brinquedos e 5100 kits-lanches entre 32 empresas prestadores de serviço para a Norte Energia e distribuiu para crianças de 18 comunidades dos municípios de Altamira, Anapu, Brasil Novo, Senador José Porfírio e Vitória do Xingu. A ação contou com a participação de mais de cem voluntários das empresas participantes: Acelor, Agrare Engetc, Andritz, Arcadis Naturae, Biocev, Biota, CCB, CCBM, CKTR, CMBM, DB Cavalli, Diagonal, Doc Ambiental, Elabore, ELM, Engemab, EPBM, Ferreira Rocha, Gamma, Gel Gouvêa, GIBM/SPEC, Granero, Lago Azul-Laec, Leme, Natura Sul, Norte Energia, Pupunha, SA Paulista, Santafé, STCP, Vida Ser e Worley Parsons.
  • A Norte Energia esclarece os seguintes equívocos constantes da matéria publicada na segunda-feira (29/12/2014) no Jornal O Estado de S. Paulo sobre a Usina Hidrelétrica Belo Monte: Não existe nenhuma “confusão financeira” envolvendo o empreendimento, e nem a hipótese do projeto “tornar-se economicamente inviável” conforme diz a reportagem, uma vez que todos os grandes contratos da Usina estão assinados e as fontes financeiras do projeto estão sendo aportadas adequadamente; Os valores de possíveis prejuízos constantes de correspondência enviada à ANEEL foram citados de forma ilustrativa, em uma discussão mais abrangente que a abordada na reportagem, e num contexto de preços de energia do mercado livre muito superiores ao novo teto de R$ 388,48. Nenhum membro da Diretoria da Empresa mencionou tal valor como prejuízos definitivos ao Projeto, mesmo porque, a Norte Energia busca o acolhimento do seu pleito de exclusão de responsabilidade junto a ANEEL; A Empresa está tomando e tomará todas as medidas cabíveis para não ser onerada por atos externos à sua governabilidade por se tratar de direito que a administração não pode prescindir; Independentemente do pedido feito a ANEEL para considerar os fatos excludentes de responsabilidade, a Norte Energia tem trabalhado incansavelmente para minimizar o impacto das ações de terceiros sobre o cronograma de obras, de forma também a minimizar qualquer efeito negativo para o país e para os seus acionistas; É despropositada a acusação feita pela reportagem de que a empresa “dispara críticas contra tudo e contra todos”. Desde o primeiro momento em que atos e paralisações ocorreram, a Norte Energia registrou e comprovou junto à ANEEL, com documentação de mais de três mil páginas, todos os atos de terceiros que prejudicaram o cronograma de obras e que são, portanto, excludentes de responsabilidade; O custo de Belo Monte é de R$ 25,8 bilhões, valor  com o qual a Norte Energia venceu o leilão  em  Abril/2010. Todos os custos com obras, condicionantes e outras atividades estão incluídos nesse montante, que tem sido apenas atualizado monetariamente a cada ano, assim como tem ocorrido com as receitas que advirão dos contratos de energia vendida no próprio leilão. Portanto, o valor citado na reportagem de “R$ 30 Bilhões” nada mais é do que o valor do lance vencedor do leilão corrigido. Norte Energia S.A.
  • O transporte do rotor da segunda unidade geradora da hidrelétrica Belo Monte terá início no próximo dia 10 de janeiro, quando sairá da fábrica da Voith Hydro Brasil, em Manaus (AM). O principal componente da turbina possui nove metros de diâmetro, cinco metros de altura e 320 toneladas. O deslocamento de 890 quilômetros será feito por caminhões especiais de 12 e 16 eixos e por balsa pelos rios Amazonas e Xingu, até chegar à Estação de Transbordo de Carga da Hidrelétrica, em Vitória do Xingu (PA). A previsão é que essa operação seja concluída em 15 dias. Feito em aço inoxidável, o rotor é a peça mais importante das turbinas, o núcleo gerador de energia em uma hidrelétrica. As pás do equipamento recebem a água do rio e transformam a energia mecânica em energia cinética, que é transmitida ao rotor do gerador para produzir energia elétrica. O rotor foi fabricado em 12 meses, com a ajuda de 200 trabalhadores envolvidos direta e indiretamente no processo de fabricação. Ele partirá do porto da capital amazonense no dia 13 de janeiro. Para transportar a peça dentro de Manaus, será utilizado um veículo com linha de 12 eixos. O trecho fluvial será feito por meio de uma balsa reforçada. Em Vitória do Xingu, um caminhão com 16 eixos levará a peça até o canteiro de obras de Belo Monte. Em fevereiro de 2011, a Norte Energia assinou contrato com o Consórcio ELM - formado pelas empresas Alstom, Voith e Andritz - para o fornecimento de 14 dos 18 conjuntos turbina-gerador Francis de 620,4 MW da Casa de Força Principal. A Voith fornecerá quatro desses equipamentos. Em construção pela Norte Energia no rio Xingu, a UHE Belo Monte atingiu em dezembro a marca de 67% das obras físicas concluídas. Quando estiver em plena operação, em 2019, terá capacidade instalada de 11.233,1 MW. Para ler na íntegra, acesse o portal Canal Energia
  • É a língua a grande mãe de cada povo. Com ela e por meio dela mitos e costumes atravessam séculos e são passados de avô para pai, de pai para filho e de filho para neto. Condensar o idioma em linguagem escrita, então, tem importância fundamental para perpetuar a tradição e cultura de qualquer grupo humano. É pensando nessa preservação que as cartilhas educativas das séries Letramento e Oralidade foram lançadas para atender as nove etnias das 34 aldeias situadas na área da Usina Hidrelétrica Belo Monte. Com a Série Letramento, as crianças e os jovens das etnias Arara, Assurini, Parakanã e Xikrin aprenderão a ler e escrever no seu idioma específico com ilustrações feitas pelos indígenas representando seu universo e cotidiano. Já a Série Oralidade, adapta lendas e mitos contados de geração em geração para a linguagem escrita. Ricamente ilustrados também pelos indígenas, os livros trazem as histórias “O pai da mata”, da etnia Arara da Volta Grande; “EME UM IM I – História antiga de onça”, dos Araweté; e “O grande chefe Miratu”, da etina Juruna do Xingu. As cartilhas foram desenvolvidas por professores indígenas ao longo de 2014 nas oficinas do Projeto de Formação de Professores Indígenas e Elaboração de Materiais Didáticos do Programa de Educação Escolar Indígena do Projeto Básico Ambiental do Componente Indígena (PBA-CI) da UHE Belo Monte. Os livros foram publicados pela Norte Energia, responsável pelo empreendimento no rio Xingu, em parceria com o Ministério da Justiça por meio da Funai e o Ministério da Educação via Secretarias Municipais de Educação de Altamira, Vitória do Xingue  Senador José Porfírio.  
  • Foram pesquisadas oito usinas hidrelétricas em operação e as áreas dos futuros reservatórios. Em nota, a Eletrobras informa que parte das usinas hidrelétricas nacionais estão contribuindo para reduzir os níveis de gases de efeito estufa (GEE) na atmosfera. A conclusão é parte do livro “Emissões de Gases de Efeito Estufa em Reservatórios de Centrais Hidrelétricas”, que consolida os resultados do estudo Balanço de Carbono em Reservatórios (Balcar), projeto de pesquisa e desenvolvimento apresentado pela Eletrobras Eletronorte, em parceria com outras duas empresas Eletrobras – Chesf e Furnas –, em resposta à chamada nº 009/2008 da Aneel, em 2009, e que teve suas atividades de campo realizadas entre 2011 e o fim de 2013. Foram pesquisadas oito usinas hidrelétricas em operação e as áreas dos futuros reservatórios de outras três usinas, em diversos biomas brasileiros. Os resultados mostram que Funil, na Região Sudeste, e Xingó, na Região Nordeste, registraram taxas negativas de emissão de gases, ou seja, seus reservatórios absorvem GEE da atmosfera. Nos três cenários o reservatório da usina hidrelétrica Xingó, na Bacia do Rio São Francisco, absorve 0,56 gCO2e/kWh (gramas de dióxido de carbono equivalente a cada quilowatt-hora de energia produzido na usina). O mesmo ocorre em Funil, na Bacia do Rio Paraíba do Sul, com menor nível de emissão de GEE atualmente do que antes da construção do reservatório. A taxa de emissão de dióxido de carbono equivalente no local, descontando o que o ecossistema já emitia antes do alagamento, fica negativa em 1,35 gCO2e/kWh. Os pesquisadores fizeram 44 levantamentos de campo em 11 aproveitamentos hidrelétricos no Brasil, oito em operação (UHEs Balbina, Itaipu, Tucuruí, Serra da Mesa, Xingó, Três Marias, Funil e Segredo) e três em construção (UHEs Santo Antonio, Belo Monte e Batalha). À exceção da usina Balbina, mesmo as hidrelétricas que emitem dióxido de carbono o fazem numa proporção bem menor do que uma usina térmica equivalente alimentada a gás natural (412 gCO2e/kWh) ou a carvão mineral (900 gCO2e/kWh). Tucuruí, por exemplo, emite 34 gCO2e/kWh no cenário “Floresta Neutra”, 52,4 gCO2e/kWh no cenário “Floresta Remoção” e 7,07 gCO2e/kWh no cenário “Floresta Emissão”. Já Itaipu, segunda maior hidrelétrica do mundo, emite 1,97 gCO2e/kWh em “Floresta Neutra”, 4,01 gCO2e/kWh em “Floresta Remoção” e é um sumidouro no cenário “Floresta Emissão”, absorvendo 1,02 gCO2e/kWh. Leia o texto original aqui.











© Desenvolvido por santafédigital. Uma empresa do grupo santafé.