en     pt
notícias > Notícias
Entrevista de Tolmasquim sobre a UHE Belo Monte para jornalistas estrangeiros
Postado em 21/02/2011

Presidente da Empresa de Pesquisa Elétrica (EPE), Maurício Tolmasquim, participa de videoconferência para jornalistas estrangeiros para explicar o projeto Belo Monte e informar sobre as iniciativas socioambientais do empreeendimento.

Íntegra da entrevista transcrita em inglês aqui.

Transcript: conference call with Mauricio Tolmasquim on Belo Monte Dam Project
Teleconference held by the president of Brazil's Energy Company (EPE) to international media.

Moderator: Good morning everyone, and thank you for joining us for today's call with Mauricio Tolmasquim, the president of Brazil's Energy Research Company, EPE. Mr. Tolmasquim is with us today to provide updates and answer questions about Brazil's Belo Monte hydroelectric dam project. Mr. Tolmasquim will be providing his remarks in Portuguese, followed by an English translation. The same will be true for the Q&A portion of this call. For the benefit of all participants, we ask that you please direct your questions to Mr. Tolmasquim in English. Now I would like to turn the call over to Mr. Tolmasquim. Sir, please go ahead.

M. Tolmasquim: Good morning everyone. I would like to thank you for the opportunity to clarify any issues related to the Belo Monte plant.
I'd like to say that Brazil, as a country, has one of the most renewable energy matrices in the world, with 90% of power coming from renewable sources, in comparison with the world's average, which is 18%.
As a result of this renewable matrix that we have, as far as energy is concerned, our greenhouse gas emissions are much lower than the rest of the world, particularly because of our consumption and production, which basically leads Brazil to consume less energy. For example, as far as consumption is concerned, when compared to the world, Europe emits 110 times more greenhouse gases than Brazil, while China emits 190 times more, and the United States emits 200 times more than Brazil because of electrical power consumption.

M. Tolmasquim: In order for the Brazilian economy to grow around 5% per year in the next few years, Brazil needs to add 5,000 megawatts per year to its installed capacity.
As far as this projection is concerned, energy conservation measures have already been taken into account. For example, for the next 10 years, the effect of these energy conservation actions will have the same effect as the actual production expected for Belo Monte.
Part of this strong need to expand the electrical power sector is justified because of the low consumption rates in Brazil. For example, the per capita household consumption of electricity in Brazil is still very low. For you to have an idea, the per capita consumption of electricity in Russia is 50% more than in Brazil; in the United Kingdom, three times as much as in Brazil; and in the United States, it's eight times as much as in Brazil. In other words, despite increasing energy efficiency, in order for us to be able to eradicate or improve social inequality, electricity consumption will have to be increased and therefore, we need to expand the Brazilian electrical system.
Belo Monte allows Brazil to achieve two objectives. First, it manages to meet the energy needs of the country, which will foster growth in development; while at the same time maintaining low levels of greenhouse gas emissions.
For example, in order for us to replace the Belo Monte plant for thermal power plants, our emissions would be, for the same energy generated, 19 million tons of CO2 based on natural gas. This 19 million tons of CO2 actually corresponds to more than all electrical sector emissions for 2007.  And this is considering that it would be natural gas, and not coal.
Belo Monte was developed with the aim of bringing the smallest possible negative effects to local communities. And, in fact, the Belo Monte power plant will bring positive effects to the region.
No indigenous land surrounding the area of the project will be flooded. No indigenous community will be moved out of their land.
FUNAI, which is the Brazilian agency that looks after indigenous people, held more than 30 meetings with the different communities with over 1,700 indigenous people. During these meetings, FUNAI was able to explain the project, as well as listen to their concerns and worries about the project.
In relation to non-indigenous communities, our estimate is that only 5,000 families will have to be moved. In other words, this is a very different project from other major projects, such as the Three Gorges Dam project, which was estimated to have relocated one million people.

M. Tolmasquim: Many of the families that will actually be moved as a result of the project live in very precarious conditions. In the region of Altamira, many live in houses that are built over the river - they are almost floating over the river - and for half of the year, they have to leave their houses due to flooding. These families will actually get new houses made from brick and cement, for example.
The city will receive a new sewage system. Water will be treated as well, along with roadway infrastructure and urban improvements.
The investors are going to invest somewhere around R$ 3.3 billion as social and environmental compensation. And this is actually equivalent to 19 times the actual total budget for the state of Pará. And these resources will be directed only to the region linked with Belo Monte; in other words, surrounding Belo Monte.
In addition, the federal government is going to implement a regional sustainable development plan for the Xingu region. In other words, the public branch will bring more financial resources to the region.
The benefits of Belo Monte are not just social, but environmental as well. Conservation areas will be created in an area called Volta Grande in Xingu, and on the right side of the area as well, on the actual riverbank. The degraded areas will be recovered.
In conclusion, I would say that Belo Monte is much more than just a mere electrical power plant, but a driving force for sustainable development in the region.
That concludes my opening remarks and I am now here at your service to answer any questions that you may have.

Operator: Our first question is from the line of Paulo Winterstein with Dow Jones Newswires.

Paulo Winterstein: Hi, Mr. Tolmasquim. You mentioned if Belo Monte would be replaced with thermal plants, but a lot of the criticism of Belo Monte is that smaller hydroelectric plants would perhaps be more efficient and have less of a negative impact. I just wanted to ask: how do you respond to criticisms that smaller plants would be more effective?
And second, that while the capacity of Belo Monte is about 11,000 megawatts, average output would be, I think 3,000 or 4,000, and some people have said that in extraordinarily dry years, three-fourths of the year, the dam actually wouldn't produce any energy at all because of low water levels.

M. Tolmasquim: In relation to small electrical power plants in Brazil, we consider a small power plant to be one that actually generates 30 megawatts. The thing is that we would need more than 300 smaller power plants in order to be able to supply the same amount of energy as Belo Monte. And 300 plants in the Amazon would probably have a much more negative environmental effect than just one large one.
In relation to the effective generation in installed capacity, I would like to mention that, really, no plant actually generates the maximum permitted capacity. In Europe, for example, the relation between energy production and the actual installed capacity is around 35% or 40%.
In Belo Monte we have 40%. The average in Brazil is around 55% and thus, Belo Monte is a little bit below the national average. However, there are reasons for this. One of the main reasons is related to the need for ensuring that energy generation is compatible with the environment.
In order for Belo Monte to generate more, we would need a much bigger reservoir. It would also be necessary for us to build other plants on the Xingu River. It would also be a problem because we would not be able to ensure that the indigenous communities would have water in the Xingu region.
Both of these possibilities are unacceptable for us because we believe that Brazil cannot explore its hydroelectric power potential by creating these kinds of situations.  Therefore, we prefer to not necessarily achieve all of this output, but preserve the sustainability in the region.
The good news is that even without this additional energy output, this power plant continues to be incredibly competitive. And how can we prove this? By comparing the value of megawatts generated.
The cost of generating energy through Belo Monte is around half of the cost of other renewable sources, thermal sources, among others.

Ken Rapoza: How much will Belo Monte lower the cost of energy/electric power for mining operations in Pará? And if so, how important is Belo Monte for mining in the State?

M. Tolmasquim: It is important to point out that 70% of the energy generated at Belo Monte will be for the regular market, or in other words, the electricity distributing companies.
Thirty percent of this energy is basically left for the free market, where you have all different kinds of industries involved. A small part of these industries could be mining

M. Tolmasquim: companies, but at the moment, we do not know which ones, or how many. Therefore, we cannot guarantee that mining companies will be receiving this electricity.

Gustavo Faleiros: Good morning. Mr. Mauricio, just one point of clarification. So it's for sure that there will be no more in Xingu River as there is a legal commitment to not build more dams besides Belo Monte? And my actual question is about the emissions from the dam.  What do we know about the methane emissions that will be caused in the reservoir?

M. Tolmasquim: Well, there was a decision made by the National Energy Policy Council which established that no more power plants would be built in the Xingu River, and in order for this resolution to actually come in effect, it is signed by the President of the country and, thus, it has very high legal status.
In relation to the emissions from Belo Monte, what I can say is that they will be practically nil because of two reasons. First, it is a runoff river power plant, therefore, it doesn't have a reservoir. Furthermore, in order to avoid methane gas emissions from decomposing vegetation, for example, 100% of the vegetation will be removed from the reservoir canals. Therefore, the emissions from Belo Monte should not be any different than the emissions that we already see being emitted by the river.

Zachary Hurwitz: Thank you. According to a recent article in the Journal of Science, reservoir storage capacity in the Amazon is decreasing due to climate-related drought, and we saw evidence of this last year in the worst ever drought on the Rio Negro, five years after the worst ever drought on the Rio Madeira. I'd like to hear how Mr. Tolmasquim justifies building the Belo Monte given this fact.

M. Tolmasquim: The effect of climate changes on the river's outflow basically are data that have not actually been proved yet.  And in addition, the studies conducted in Brazil in relation to the eventual effects of climate change also pointed to a reduction in wind. These studies actually consider a horizon of 100 years. Let's suppose that, indeed, we do see these reductions in the next 100 years - we feel that this is something that should not stop us from building, for example, wind power plants, and thus we continue to build electrical power plants.
We also consider that in the next few years, water-generated electricity, and of course, wind-generated electricity, can contribute very much to reduce greenhouse gas emissions, even if we do end up seeing in 100 years' time a reduction of the rivers and wind.

Nadia Pontes: Yes, Belo Monte seems to be the only way out for the government. I was going to ask about the wind turbines you just mentioned. Is Belo Monte actually the only way out for the government, or why not more investment in wind turbines?
And the second question. There are, I think, nine processes, and the Pará state is trying to stop the project. Is the government in a hurry to do Belo Monte? Why is the government not listening to these people in Pará?

M. Tolmasquim: Brazil considers it necessary to have many different alternatives for generating electricity and Belo Monte is just one of these alternatives.
Brazil has a great potential for wind and biomass-generated electricity. In the last few years, Brazil contracted 10,000 megawatts from biomass and from wind-generated electricity, which would correspond to one Belo Monte power plant.
Brazil is actually a very fortunate country because it can use water, wind and biomass energy as a complement to its energy matrix. For example, in Europe, wind energy is complemented by thermal energy. While in Brazil, wind power is a partner of water power. Therefore, our issue here is really not whether it is wind or water-generated electricity, but wind plus water-generated electricity.
In relation to the legal action against Belo Monte, it is important to point out that there was a very thorough process to actually hear the local community.
During the development of the environmental impact study, we had 12 public meetings; ten workshops with the community; 14 technical forums, four of which were held in Belém, which is the capital city of that State; 30 meetings in indigenous villages with participation of approximately 1,700 indigenous people; a visit by the media agents and social communication agents to around 5,300 families; 61 meetings with communities, with an attendance of 2,100 people; ten lectures at primary and lower secondary education schools to around 530 students; and four public hearings which were promoted by IBAMA. And in Altamira, one of these public hearings had an audience of 6,000 people, which made it the biggest ever public hearing in the history of Brazil.
Brazil is a democratic country, where it is very important for us to have these discussions. But at some point, a decision does need to be made. Listening to the stakeholders, for example, is incredibly important because the project was actually changed as a result of this conversation that was held with the local community.

M. Tolmasquim: For example, we had originally projected to build many different plants in the Xingu River, and thanks to the actual local populations' opinion on this matter, only Belo Monte is going to be built.  In the original project, the reservoir for Belo Monte was actually three times bigger than the actual reservoir that is going to be built now. Therefore, Belo Monte is actually the result of local social participation.
Like any other venture, there is always a small minority that is against it and doesn't actually want any kind of power plant at all. However, in a democratic society, this position cannot actually stop the government from providing a solution that is going to be beneficial to the country and the region.

Paulo Winterstein: Hi. I just had a question following on the reporter from the Deutsche Welle. With the lawsuits from public prosecutors, is there a risk that the January 2015 deadline won't be met, and does this put some of the energy needs for the country at risk in the coming years?

M. Tolmasquim: Well, as in any other lawsuit, the judicial power has the final word.
We believe that the portfolio for the Belo Monte project is strong enough in order for us to actually have a favorable decision in court. Of course, the final word comes from the judicial power.
In relation to Brazilian energy needs, I have to say that the country has a surplus into 2014 of 5,000 average megawatts, which takes into consideration a 5% GDP growth rate per year. In other words, the surplus that Brazil has actually allows the country to grow 7% per year regardless of energy.
And, of course, Belo Monte is important, however, there are other sources that Brazil can turn to in order to ensure energy supply.
However, we are actually quite confident that Belo Monte's construction will actually begin as planned to ensure that we don't actually have to reduce our surplus supply.

Gustavo Faleiros: Yes, it's a follow-up as well. On this matter of the final word being a judicial word, I would like to know the opinion of Mauricio about the opinion of IBAMA. What happens if IBAMA doesn't actually approve the conditions - as they still are not approved - and what happens with the license itself?

M. Tolmasquim: IBAMA is a sovereign body, therefore, they have the final word on the licensing matters. So if IBAMA decides that the conditions are not actually fitting as far as being able to grant a license, then either the project is cancelled or perhaps postponed until alterations can be made to meet the conditions.

Ken Rapoza: Okay. Yes, I heard Tolmasquim say that there were 5,000 people that had to be relocated. I thought it was 20,000 so I wanted some clarification on that.

M. Tolmasquim: Five thousand families.

Ken Rapoza: Okay. So that would be about 20,000 people, we'll say. It's about the same.

M. Tolmasquim: It would be about the same, yes.

1
comentários


Uma resposta para “Entrevista de Tolmasquim sobre a UHE Belo Monte para jornalistas estrangeiros”

  1. As vezes eu deparo com alguns amigos, que simplesmente pegam carona em alguns comentários espalhafatosos, e saem pregando contra, seja lá o quê for,se inscrevem como participantes, tentam convencer, mas não sabem nada, quando são questionadas sobre seus argumentos, e não tem como contra argumentar,…..
    Eu me pergunto “sera que as pessoas estão perdendo o poder de pensar? de fazer uma análise mais aprofundada sobre os assuntos ? de se deixar levar por tão pouca coisa?
    Tem muita gente contra nosso desenvolvimento, e que se dizem dono do que é nosso, é o cumulo do absurdo !!!!!

  • Espaço para brincar e praticar esportes é fundamental para saúde física e mental de crianças e adolescentes. Se for novo, protegido do sol e da chuva e com todas as demarcações técnicas de solo impecavelmente pintadas, para jogar futebol, vôlei, handebol e basquete, melhor ainda. Os moradores do bairro Jatobá e São Joaquim agora têm quadras poliesportivas com todas essas características pertinho de casa. “Eu brincava aqui por perto e via a construção. De repente, ficou pronta essa quadra enorme. Não sabia que era pra gente”, diz José Mendes, 12 anos, morador do São Joaquim, surpreso no dia da inauguração. “Antes eu andava um tempão pra jogar bola num lugar que tinha piçarra. Agora aqui é mais seguro. A quadra é linda”, comentou o pequeno João Nogueira, 9 anos, vizinho de José. No Jatobá, os adolescentes estão entusiasmados, como Rafael Lourenço Soares, 18 anos: “Quase não tinha espaço de esporte e lazer, e aqui no bairro, que tem muitos moradores, a gente ficava sem opção”. Os pais veem na quadra uma oportunidade para que os filhos desenvolvam novas habilidades e também uma forma de prevenir problemas como a violência e a criminalidade. “É muito bom ter uma quadra aqui. Eles (os meninos e meninas) vão ter onde se distrair. É uma forma de afastar as crianças de problemas, como o uso de drogas, por exemplo”, afirma Lice Brandão Batista, 45 anos, serviços gerais, que mora no Jatobá há um ano. O novo espaço possui área coberta de 470 metros quadrados pintada com demarcações técnicas para os esportes coletivos, alambrados e para-raios. Faz parte de um conjunto de quatro áreas de lazer que estão sendo implantadas nos novos bairros. Leia mais: Norte Energia entrega quadra no bairro São Joaquim Moradores do Jatobá ganham quadra coberta construída pela Norte Energia
  • Em Vitória do Xingu, a comunicação na ponta dos dedos por aplicativos como o Whatsapp ajuda muito no combate à malária. O uso do aplicativo nas ações do Plano de Ação para Controle da Malária, do Projeto Básico Ambiental da Usina Hidrelétrica Belo Monte, confirma o valor da contribuição que o Whatsapp já havia mostrado na luta contra o Ebola, na África. Alcirene da Silva e Silva, 33 anos, agente de saúde em Vitória do Xingu, visita até 15 famílias por dia no Ramal dos Cocos, comunidade rural do município com cerca de 280 famílias. “Qualquer suspeita, a gente informa por mensagem”, confirma. “Estamos em contato o tempo todo.” As trocas de mensagens têm sido fundamentais até para a gestão das atividades. É o que constata a coordenadora das ações do Plano de Ação de Controle da Malária no município, Adileida Costa e Silva. “O grupo é democrático, e todos participam, desde os agentes em campo até os gestores que formulam as estratégias de ação”, afirma. Essa agilidade de comunicação deve ter contribuído para que os casos de malária tenham despencado em nada menos que 91,7% nos seis municípios da Área de Influência Direta da UHE Belo Monte na comparação entre os 11 primeiros meses de 2011 (10.838 casos) e o mesmo período de 2014 (901) em Vitória do Xingu, Altamira, Anapu, Brasil Novo, Pacajá e Senador José Porfírio. Agilidade que só reforça o fator principal para esta conquista: o grau de sintonia e cooperação alcançado entre os parceiros, além da Norte Energia –o Ministério da Saúde e as secretarias de Saúde, tanto  das prefeituras municipais, quanto do Estado do Pará.
  • Wyldenilson Dias, 21 anos, precisa ter atenção e raciocínio veloz para aplicar protocolos de segurança no seu dia a dia –ele é vigilante. Mas, nesta terça-feira (17/03), sua atenção estava focada em outra área: a culinária. Morador do bairro Casa Nova, ele era um dos participantes do curso Cozinha Brasil, promovido pela Norte Energia em parceria com o Serviço Social da Indústria (Sesi). Numa turma composta majoritariamente por mulheres, Wyldenilson estava entusiasmado para aprender mais sobre o que adora fazer quando está em casa: “Quando me falaram que ia ter o curso, me animei na hora. Gosto de cozinhar, e essa oportunidade ainda é ótima para melhorar minha alimentação”. De olho no conteúdo, o vigilante e os demais participantes aprenderam no primeiro dia com a professora Sheyze Lira sobre a relação entre boa alimentação e saúde, e como os alimentos certos ajudam a prevenir doenças. E como alguns, se em exagero, podem  provocar doenças como o diabetes, a hipertensão, a gastrite e até problemas cardíacos.  “Algumas coisas eu já sabia, mas muita informação pra mim é novidade”, comentou.A estudante Maria do Carmo Silva, 21 anos, também estava animada com o curso. Principalmente com informações sobre reaproveitamento de alimentos. “Nunca pensei, por exemplo, em fazer comida com o que achava que não prestava mais", reconheceu. "Geralmente, a gente joga fora sem saber que podemos usar para novas  receitas.” Maria do Carmo e Wyldenilson saíram do primeiro dia do curso, esta terça-feira, já sabendo fazer o bolo de cascas de banana, a farofa rica e o suco da horta –preparado com couve, maracujá e limão. A professora Sheyze diz que, ao final de quatro dias, a turma vai aprender nas aulas teóricas e práticas 12 receitas nutritivas, fáceis de fazer e com custo baixo.  Mais informações do Cozinha Brasil nos novos bairros de Altamira: Casa Nova ·         Inscrições: de 9 a 16/03, das 8h às 12h, e das 14h às 18h, no Plantão Social no bairro. ·         Período do curso: de 16 a 20/03. ·         Local: Espaço do antigo refeitório da empresa CCB, na Rua D. ·         Turmas: 1) das 14h às 16h30; 2) das 18h às 20h30.   Água Azul ·         Inscrições: de 16 a 23/03, no Plantão Social no bairro, de 14h às 18h. ·         Período do curso: de 23 a 27/03. ·         Local: Quadra 2, Rua G, esquina com Rua 1, Lote 306. ·         Turmas: 1) das 14h às 16h30; 2) das 18h às 20h30 Leia mais: Programa Cozinha Brasil oferta cursos no Casa Nova e Água Azul
  • O paradigma de que apenas homens trabalham em obras de infraestrutura vem sendo quebrado. Prova disso é a atuação de 3.563 mulheres no canteiro de obras da Usina Hidrelétrica Belo Monte, em Altamira (PA). Elas operam máquinas e comandam equipes; dirigem tratores e caminhões; trabalham no planejamento; fazem parte do setor comercial e dos diversos ramos da engenharia. Ou seja, já estão em toda a cadeia produtiva do empreendimento. Dados da concessionária Norte Energia, responsável por esta obra do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), mostram que entre os quase 24 mil trabalhadores da hidrelétrica – considerada a maior em construção do mundo – as mulheres representam 14,8%, percentual bem mais alto do que o normalmente registrado na construção civil, de pouco mais de 3% atualmente. Em 2012, a Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios (PNAD) do IBGE indicou que dos 8,3 milhões de trabalhadores da construção, 97,1% eram homens e apenas 2,9% mulheres. No ano seguinte, a PNAD mostrou pequena elevação da participação feminina: os percentuais passaram a ser de 96,8% e de 3,2%, respectivamente. A presença das mulheres na UHE Belo Monte já foi destacada até pela presidenta Dilma Rousseff.Rayana Morena Sales tem 28 anos, é mineira, engenheira civil e uma das trabalhadoras de Belo Monte há pouco mais de dois anos. Antes ela atuava na construção de uma pequena hidrelétrica, onde era a única mulher. “Aqui a gente vê mulher desde o campo, na parte de armação, carpinteiras, e até na parte de apoio para produção, como [o setor] administrativo e comercial. Mas tem muita mulher engenheira que trabalha no planejamento, na segurança do trabalho, no meio ambiente, e na área civil”, conta. Integrante do setor de controle de qualidade do empreendimento, Rayana recebe o mesmo salário dos homens que ocupam igual posto e nunca sentiu preconceito no trabalho. “Até porque aqui tem gente de tudo que é lugar do Brasil. Então, o pessoal acaba sendo tolerante com todas as diferenças, não só de gênero”, relata. Entretanto, a engenheira assegura que as mulheres brigam mais para estar na mesma posição. “Tenho certeza que a gente é colocada a prova todo dia, porque é mulher. Isso acontece. O pessoal acaba esperando um pouco menos da gente, exigindo um pouco menos, e você tem que ficar se impondo”, conclui. A operadora de máquinas na usina de Belo Monte Edilene Costa já contou a sua história no site do PAC em 2012. Confira como foi: [youtube:https://www.youtube.com/watch?v=3pE5pozsshE] Via Pac Ministério do Planejamento
  • A Hidrelétrica Belo Monte, que já tem 70% das obras civis concluídas, vive agora a chegada das monumentais peças das turbinas à região do Xingu. A mais recente delas, um rotor de 320 toneladas, viajou 5.269 quilômetros, de Taubaté (SP) a Vitória do Xingu (PA). Ao chegar, pelas águas do Xingu, à Estação de Transbordo de Carga do Sítio Belo Monte, ela precisou ser retirada da balsa e colocada em uma carreta de 256 pneus. Foi aí que entrou um personagem essencial nessa operação de transporte: o operador de ponte e de pórtico rolante Junivaldo Ferreira, 38 anos. É ele que iça as peças da balsa e as coloca em carretas.  O transporte da peça até o pátio de estocagem em Belo Monte – trecho de apenas seis quilômetros - dura meia hora. Somente por este dado dá para se ter uma ideia de o quanto essa operação é crítica . Ela só pode ser executada por profissionais treinados e credenciados. Tudo é cuidadosamente estudado: relaciona-se o peso da peça ao trajeto a ser realizado e aos recursos disponíveis para a amarração. “Não tenho dúvida de que a minha responsabilidade é grande", reconhece Junivaldo. "Afinal, são peças valiosas para o funcionamento da usina.” O rotor é a peça mais importante da turbina, o núcleo gerador de energia em uma hidrelétrica. Torneada em uma única peça de aço inoxidável, com peso final de 320 toneladas, o rotor mede oito metros e meio de diâmetro por cinco metros de altura. Suas pás recebem as águas do rio em fortíssimo deslocamento gerado pela queda d'água canalizada. Impulsionadas pela massa de milhares de toneladas de água em queda, elas giram. Nesse giro, a energia mecânica é transformada em energia cinética, e esta, em energia elétrica. Nascido em Santarém, e há 20 anos trabalhando como operador de ponte rolante e pórtico, Junivaldo foi convidado para trabalhar em sua primeira usina hidrelétrica por meio de um amigo. “Eu estava atrás de novos desafios e queria testar meus conhecimentos dentro de uma obra de usina.” No canteiro de obras de Belo Monte, Junivaldo opera quatro equipamentos: duas pontes rolantes de 400 toneladas e uma terceira de 800, além de um pórtico de 40 toneladas. “Daqui a um tempo, poderei dizer que eu icei o rotor de 320 toneladas e os eixos da primeira, segunda e terceira turbinas. Eu vim pra cá para ir embora apenas quando a obra terminar”, afirma. Para Junivaldo, ajudar a construir Belo Monte ficará para sempre em sua história. “Um dia, eu poderei contar para os meus filhos e netos que trabalhei na construção da terceira maior hidrelétrica do mundo e contribuí para o desenvolvimento do meu país.” Ele tem razão: quando estiver em plena operação, em 2019, Belo Monte irá beneficiar nada menos do que 60 milhões de brasileiros.
  • Uma área protegida de 240 metros quadrados destaca-se na propriedade de 56 hectares em Altamira, onde o agricultor Merenilton Gomes da Silva, 29 anos, vive desde 2012. Ele não esconde o orgulho quando mostra o local ocupado, “por enquanto”, por canteiros de alface, cebolinha e coentro.“Nunca pensei em lidar com horta. Estou aprendendo”, conta o agricultor, que chegou em 2012 ao Travessão Gorgulho da Rita, na região do Assurini, em Altamira, após ser beneficiado pelo projeto de realocação assistida (carta de crédito) da Norte Energia. O projeto é uma condicionante prevista no Projeto Básico Ambiental (PBA) da Usina Hidrelétrica Belo Monte. A área que Merenilton, ao lado da esposa Digivane e da filha Ana Laura, mostra é parte da Unidade Demonstrativa dos projetos de Apoio à Pequena Produção e Agricultura Familiar e de Fomento à Produção de Hortigranjeiros desenvolvidos pela Norte Energia. Implantada em dezembro do ano passado, já gera renda. No início de fevereiro, ele enviou para Altamira a primeira colheita de alface e cebolinha, comercializada na Feira do Produtor. E já se prepara para enviar a segundo leva de verduras para o comércio local. A Unidade Demonstrativa representa uma mudança radical na vida da família de Merenilton. O pai, seu Heleno, 61 anos, lembra que, na localidade de onde se mudaram --São Pedro, na Volta Grande do Xingu, em Vitória do Xingu--, a prioridade era produzir para a subsistência. “Quando sobrava um pouco, vendia”, recorda, referindo-se à produção de farinha de mandioca e de gado. Com apoio de técnicos da Assessoria Técnica, Social e Ambiental (ATES) da Norte Energia e da Emater-PA, Merenilton quer transformar esta situação em passado. Está tão empolgado que já faz planos para dobrar a área protegida com plástico e diversificar a produção. Quer plantar tomate e morango. “Tem procura”, explica. Num futuro próximo, a renda da família não virá apenas da área destinada à horta. Em breve, a produção de hortaliças será integrada à de aves. O galinheiro já está pronto e abriga 40 frangos. O projeto também contará com uma área de frutíferas, que irá fortalecer a diversificação da produção e ampliar as fontes de geração de renda. Tudo em uma área de um hectare. Quando chegou ao Travessão Gorgulho da Rita,  Merenilton investiu em uma lavoura com quatro mil pés de cacau. Também plantou uma roça de milho, que serve para a alimentação da família e, agora, também passará a ser usada para a produção de ração para as aves de corte. E ele quer mais. Quer desenvolver uma produção de peixe em tanque escavado. A estruturação da Unidade Demonstrativa embala os planos de Merenilton. O produtor de cacau busca mais qualidade de vida com a diversificação da produção. E, além da renda que chegou com a comercialização da primeira venda de hortaliças, ele já contabiliza outra conquista. “A alimentação em casa melhorou”, conta.
  • O Carnaval foi tempo de aprendizado no Jatobá e em São Joaquim. Blocos infantis formados por estudantes de oito a 13 anos foram às ruas dos novos bairros construídos em Altamira pela Norte Energia para defender a preservação do meio ambiente e boas práticas de convivência. “Aprendi a cantar, a não destruir as árvores, a não sujar o chão. E tudo brincando”, resumiu a alegre Vivian Luz, oito anos, após desfilar pelas ruas do São Joaquim com o Jocabloco. O bloco carnavalesco foi moldado em cinco oficinas realizadas no Núcleo de Educação Ambiental do Xingu (Nucleax), que desenvolve no bairro ações do Programa de Educação Ambiental do Projeto Básico Ambiental da Usina Hidrelétrica Belo Monte. A mesma atividade foi realizada no Nucleax do Jotabá, onde desfilou o Jotabloco.Nas oficinas, os pequenos foliões reaproveitaram materiais como latas, garrafas e sementes para construir instrumentos e também confeccionaram fantasias, como o serrote usado por Kelly Reis, 11 anos, no desfile no São Joaquim. “No bloco, sou a mulher predadora. Faço o que não devemos fazer”, explicou a estudante, feliz por sua primeira participação em um bloco de carnaval. O desfile dos blocos infantis nos bairros Jatobá (14/2) e São Joaquim (16/2) foi ao ritmo da tradicional marchinha “A Jardineira”. A letra foi adaptada pelos pequenos foliões nas oficinas realizadas nos Nucleax. Depois de desfilar pelo Jatobá cantando “ó natureza por que estás tão triste, tem ser humano que também quer ajudar, cuidar da Vossa Majestade e a mãe terra vai somente se alegrar”, a estudante Adria Gomes de Castro não escondeu o legado desse Carnaval para os pequenos foliões dos novos bairros de Altamira: “Aprendi que a gente tem que ajudar a natureza porque tem gente ruim que faz é cortar as árvores. A gente tem que fazer o contrário pra mostrar pra eles o que é o certo”. 
  • As famílias dos novos bairros construídos pela Norte Energia, em Altamira, terão cortejo de blocos carnavalesco para lembrar que a época é não apenas de folia, mas também de preservação do meio ambiente e boas práticas de convivência. Os participantes de oficinas de produção de fantasias e instrumentos com material reciclados organizaram o "Jotobloco",no Jatobá, e o "Jocabloco", no São Joaquim para brincar o carnaval de formal sustentável. A brincadeira é resultado de oficinas dos Núcleos de Educação Ambiental do Xingu (Nucleax), unidades inseridas em cada um dos novos bairros da cidade para efetivar as ações do Programa de Educação Ambiental previsto no Projeto Básico Ambiental da Usina Hidrelétrica Belo Monte. Nas oficinas, principalmente, crianças e adolescentes passaram o mês de janeiro se entrosando e aprendendo a construir fantasias, adereços e instrumentos de percussão com latas, garrafas, sementes, jornais, revistas e outros materiais reaproveitáveis. Com tudo pronto para a folia, as festas já estão marcadas: no bairro Jatobá ocorre no sábado (14/02), a partir das 9h, com a apresentação do Jotobloco, e, na segunda-feira (16/02), também pela manhã, no São Joaquim com a apresentação do Jocabloco.  
  • A Norte Energia concluiu nesta quarta-feira (04/2) a operação de transporte do rotor da segunda Unidade Geradora da Casa de Força Principal da Usina Hidrelétrica Belo Monte. A peça de 320 toneladas, oito metros e meio de diâmetro e cinco metros de altura chegou à área de estocagem de equipamento do Sítio Belo Monte a bordo de caminhão com 16 eixos, que percorreu seis quilômetros desde a Estação de Transbordo de Carga da Norte Energia, no rio Xingu. Esta foi a última etapa da operação iniciada no dia 14 de janeiro, quando o rotor começou a ser transportado da fábrica da Voith Hydro Brasil em Manaus (AM) rumo a Vitória do Xingu (PA). Uma balsa reforçada foi utilizada para realizar o transporte pelos rios Amazonas e Xingu. No total, foram percorridos 890 quilômetros até o Sítio Belo Monte. Em aço inoxidável, o rotor é a peça mais importante da turbina, o núcleo gerador de energia em uma hidrelétrica. As pás do equipamento recebem a água do rio e transformam a energia mecânica em energia cinética, que é transmitida ao rotor do gerador para produzir energia elétrica. Em construção pela Norte Energia, a UHE Belo Monte encerrou 2014 com 70% das obras civis concluídas. Quando estiver em plena operação, em 2019, a maior hidrelétrica genuinamente brasileira terá capacidade instalada de 11.233,1 MW, distribuídos em casas de força: a Principal, no Sítio Belo Monte, com capacidade instalada de 11 mil MW, e a Complementar, no Sítio Pimental, com 233,1 MW. A energia gerada beneficiará cerca de 60 milhões de brasileiros. Leia a íntegra no site Uruará em Foco
  • "O projeto é fruto de convenio com a Norte Energia, construtora da Hidrelétrica de Belo Monte, na Volta Grande do Xingu, em Vitória do Xingu". A notícia é da Agência Pará. Para ler ampliada, basta clicar!











© Desenvolvido por santafédigital. Uma empresa do grupo santafé.