notícias > Notícias
Entrevista de Tolmasquim sobre a UHE Belo Monte para jornalistas estrangeiros
Postado em 21/02/2011

Presidente da Empresa de Pesquisa Elétrica (EPE), Maurício Tolmasquim, participa de videoconferência para jornalistas estrangeiros para explicar o projeto Belo Monte e informar sobre as iniciativas socioambientais do empreeendimento.

Íntegra da entrevista transcrita em inglês aqui.

Transcript: conference call with Mauricio Tolmasquim on Belo Monte Dam Project
Teleconference held by the president of Brazil's Energy Company (EPE) to international media.

Moderator: Good morning everyone, and thank you for joining us for today's call with Mauricio Tolmasquim, the president of Brazil's Energy Research Company, EPE. Mr. Tolmasquim is with us today to provide updates and answer questions about Brazil's Belo Monte hydroelectric dam project. Mr. Tolmasquim will be providing his remarks in Portuguese, followed by an English translation. The same will be true for the Q&A portion of this call. For the benefit of all participants, we ask that you please direct your questions to Mr. Tolmasquim in English. Now I would like to turn the call over to Mr. Tolmasquim. Sir, please go ahead.

M. Tolmasquim: Good morning everyone. I would like to thank you for the opportunity to clarify any issues related to the Belo Monte plant.
I'd like to say that Brazil, as a country, has one of the most renewable energy matrices in the world, with 90% of power coming from renewable sources, in comparison with the world's average, which is 18%.
As a result of this renewable matrix that we have, as far as energy is concerned, our greenhouse gas emissions are much lower than the rest of the world, particularly because of our consumption and production, which basically leads Brazil to consume less energy. For example, as far as consumption is concerned, when compared to the world, Europe emits 110 times more greenhouse gases than Brazil, while China emits 190 times more, and the United States emits 200 times more than Brazil because of electrical power consumption.

M. Tolmasquim: In order for the Brazilian economy to grow around 5% per year in the next few years, Brazil needs to add 5,000 megawatts per year to its installed capacity.
As far as this projection is concerned, energy conservation measures have already been taken into account. For example, for the next 10 years, the effect of these energy conservation actions will have the same effect as the actual production expected for Belo Monte.
Part of this strong need to expand the electrical power sector is justified because of the low consumption rates in Brazil. For example, the per capita household consumption of electricity in Brazil is still very low. For you to have an idea, the per capita consumption of electricity in Russia is 50% more than in Brazil; in the United Kingdom, three times as much as in Brazil; and in the United States, it's eight times as much as in Brazil. In other words, despite increasing energy efficiency, in order for us to be able to eradicate or improve social inequality, electricity consumption will have to be increased and therefore, we need to expand the Brazilian electrical system.
Belo Monte allows Brazil to achieve two objectives. First, it manages to meet the energy needs of the country, which will foster growth in development; while at the same time maintaining low levels of greenhouse gas emissions.
For example, in order for us to replace the Belo Monte plant for thermal power plants, our emissions would be, for the same energy generated, 19 million tons of CO2 based on natural gas. This 19 million tons of CO2 actually corresponds to more than all electrical sector emissions for 2007.  And this is considering that it would be natural gas, and not coal.
Belo Monte was developed with the aim of bringing the smallest possible negative effects to local communities. And, in fact, the Belo Monte power plant will bring positive effects to the region.
No indigenous land surrounding the area of the project will be flooded. No indigenous community will be moved out of their land.
FUNAI, which is the Brazilian agency that looks after indigenous people, held more than 30 meetings with the different communities with over 1,700 indigenous people. During these meetings, FUNAI was able to explain the project, as well as listen to their concerns and worries about the project.
In relation to non-indigenous communities, our estimate is that only 5,000 families will have to be moved. In other words, this is a very different project from other major projects, such as the Three Gorges Dam project, which was estimated to have relocated one million people.

M. Tolmasquim: Many of the families that will actually be moved as a result of the project live in very precarious conditions. In the region of Altamira, many live in houses that are built over the river - they are almost floating over the river - and for half of the year, they have to leave their houses due to flooding. These families will actually get new houses made from brick and cement, for example.
The city will receive a new sewage system. Water will be treated as well, along with roadway infrastructure and urban improvements.
The investors are going to invest somewhere around R$ 3.3 billion as social and environmental compensation. And this is actually equivalent to 19 times the actual total budget for the state of Pará. And these resources will be directed only to the region linked with Belo Monte; in other words, surrounding Belo Monte.
In addition, the federal government is going to implement a regional sustainable development plan for the Xingu region. In other words, the public branch will bring more financial resources to the region.
The benefits of Belo Monte are not just social, but environmental as well. Conservation areas will be created in an area called Volta Grande in Xingu, and on the right side of the area as well, on the actual riverbank. The degraded areas will be recovered.
In conclusion, I would say that Belo Monte is much more than just a mere electrical power plant, but a driving force for sustainable development in the region.
That concludes my opening remarks and I am now here at your service to answer any questions that you may have.

Operator: Our first question is from the line of Paulo Winterstein with Dow Jones Newswires.

Paulo Winterstein: Hi, Mr. Tolmasquim. You mentioned if Belo Monte would be replaced with thermal plants, but a lot of the criticism of Belo Monte is that smaller hydroelectric plants would perhaps be more efficient and have less of a negative impact. I just wanted to ask: how do you respond to criticisms that smaller plants would be more effective?
And second, that while the capacity of Belo Monte is about 11,000 megawatts, average output would be, I think 3,000 or 4,000, and some people have said that in extraordinarily dry years, three-fourths of the year, the dam actually wouldn't produce any energy at all because of low water levels.

M. Tolmasquim: In relation to small electrical power plants in Brazil, we consider a small power plant to be one that actually generates 30 megawatts. The thing is that we would need more than 300 smaller power plants in order to be able to supply the same amount of energy as Belo Monte. And 300 plants in the Amazon would probably have a much more negative environmental effect than just one large one.
In relation to the effective generation in installed capacity, I would like to mention that, really, no plant actually generates the maximum permitted capacity. In Europe, for example, the relation between energy production and the actual installed capacity is around 35% or 40%.
In Belo Monte we have 40%. The average in Brazil is around 55% and thus, Belo Monte is a little bit below the national average. However, there are reasons for this. One of the main reasons is related to the need for ensuring that energy generation is compatible with the environment.
In order for Belo Monte to generate more, we would need a much bigger reservoir. It would also be necessary for us to build other plants on the Xingu River. It would also be a problem because we would not be able to ensure that the indigenous communities would have water in the Xingu region.
Both of these possibilities are unacceptable for us because we believe that Brazil cannot explore its hydroelectric power potential by creating these kinds of situations.  Therefore, we prefer to not necessarily achieve all of this output, but preserve the sustainability in the region.
The good news is that even without this additional energy output, this power plant continues to be incredibly competitive. And how can we prove this? By comparing the value of megawatts generated.
The cost of generating energy through Belo Monte is around half of the cost of other renewable sources, thermal sources, among others.

Ken Rapoza: How much will Belo Monte lower the cost of energy/electric power for mining operations in Pará? And if so, how important is Belo Monte for mining in the State?

M. Tolmasquim: It is important to point out that 70% of the energy generated at Belo Monte will be for the regular market, or in other words, the electricity distributing companies.
Thirty percent of this energy is basically left for the free market, where you have all different kinds of industries involved. A small part of these industries could be mining

M. Tolmasquim: companies, but at the moment, we do not know which ones, or how many. Therefore, we cannot guarantee that mining companies will be receiving this electricity.

Gustavo Faleiros: Good morning. Mr. Mauricio, just one point of clarification. So it's for sure that there will be no more in Xingu River as there is a legal commitment to not build more dams besides Belo Monte? And my actual question is about the emissions from the dam.  What do we know about the methane emissions that will be caused in the reservoir?

M. Tolmasquim: Well, there was a decision made by the National Energy Policy Council which established that no more power plants would be built in the Xingu River, and in order for this resolution to actually come in effect, it is signed by the President of the country and, thus, it has very high legal status.
In relation to the emissions from Belo Monte, what I can say is that they will be practically nil because of two reasons. First, it is a runoff river power plant, therefore, it doesn't have a reservoir. Furthermore, in order to avoid methane gas emissions from decomposing vegetation, for example, 100% of the vegetation will be removed from the reservoir canals. Therefore, the emissions from Belo Monte should not be any different than the emissions that we already see being emitted by the river.

Zachary Hurwitz: Thank you. According to a recent article in the Journal of Science, reservoir storage capacity in the Amazon is decreasing due to climate-related drought, and we saw evidence of this last year in the worst ever drought on the Rio Negro, five years after the worst ever drought on the Rio Madeira. I'd like to hear how Mr. Tolmasquim justifies building the Belo Monte given this fact.

M. Tolmasquim: The effect of climate changes on the river's outflow basically are data that have not actually been proved yet.  And in addition, the studies conducted in Brazil in relation to the eventual effects of climate change also pointed to a reduction in wind. These studies actually consider a horizon of 100 years. Let's suppose that, indeed, we do see these reductions in the next 100 years - we feel that this is something that should not stop us from building, for example, wind power plants, and thus we continue to build electrical power plants.
We also consider that in the next few years, water-generated electricity, and of course, wind-generated electricity, can contribute very much to reduce greenhouse gas emissions, even if we do end up seeing in 100 years' time a reduction of the rivers and wind.

Nadia Pontes: Yes, Belo Monte seems to be the only way out for the government. I was going to ask about the wind turbines you just mentioned. Is Belo Monte actually the only way out for the government, or why not more investment in wind turbines?
And the second question. There are, I think, nine processes, and the Pará state is trying to stop the project. Is the government in a hurry to do Belo Monte? Why is the government not listening to these people in Pará?

M. Tolmasquim: Brazil considers it necessary to have many different alternatives for generating electricity and Belo Monte is just one of these alternatives.
Brazil has a great potential for wind and biomass-generated electricity. In the last few years, Brazil contracted 10,000 megawatts from biomass and from wind-generated electricity, which would correspond to one Belo Monte power plant.
Brazil is actually a very fortunate country because it can use water, wind and biomass energy as a complement to its energy matrix. For example, in Europe, wind energy is complemented by thermal energy. While in Brazil, wind power is a partner of water power. Therefore, our issue here is really not whether it is wind or water-generated electricity, but wind plus water-generated electricity.
In relation to the legal action against Belo Monte, it is important to point out that there was a very thorough process to actually hear the local community.
During the development of the environmental impact study, we had 12 public meetings; ten workshops with the community; 14 technical forums, four of which were held in Belém, which is the capital city of that State; 30 meetings in indigenous villages with participation of approximately 1,700 indigenous people; a visit by the media agents and social communication agents to around 5,300 families; 61 meetings with communities, with an attendance of 2,100 people; ten lectures at primary and lower secondary education schools to around 530 students; and four public hearings which were promoted by IBAMA. And in Altamira, one of these public hearings had an audience of 6,000 people, which made it the biggest ever public hearing in the history of Brazil.
Brazil is a democratic country, where it is very important for us to have these discussions. But at some point, a decision does need to be made. Listening to the stakeholders, for example, is incredibly important because the project was actually changed as a result of this conversation that was held with the local community.

M. Tolmasquim: For example, we had originally projected to build many different plants in the Xingu River, and thanks to the actual local populations' opinion on this matter, only Belo Monte is going to be built.  In the original project, the reservoir for Belo Monte was actually three times bigger than the actual reservoir that is going to be built now. Therefore, Belo Monte is actually the result of local social participation.
Like any other venture, there is always a small minority that is against it and doesn't actually want any kind of power plant at all. However, in a democratic society, this position cannot actually stop the government from providing a solution that is going to be beneficial to the country and the region.

Paulo Winterstein: Hi. I just had a question following on the reporter from the Deutsche Welle. With the lawsuits from public prosecutors, is there a risk that the January 2015 deadline won't be met, and does this put some of the energy needs for the country at risk in the coming years?

M. Tolmasquim: Well, as in any other lawsuit, the judicial power has the final word.
We believe that the portfolio for the Belo Monte project is strong enough in order for us to actually have a favorable decision in court. Of course, the final word comes from the judicial power.
In relation to Brazilian energy needs, I have to say that the country has a surplus into 2014 of 5,000 average megawatts, which takes into consideration a 5% GDP growth rate per year. In other words, the surplus that Brazil has actually allows the country to grow 7% per year regardless of energy.
And, of course, Belo Monte is important, however, there are other sources that Brazil can turn to in order to ensure energy supply.
However, we are actually quite confident that Belo Monte's construction will actually begin as planned to ensure that we don't actually have to reduce our surplus supply.

Gustavo Faleiros: Yes, it's a follow-up as well. On this matter of the final word being a judicial word, I would like to know the opinion of Mauricio about the opinion of IBAMA. What happens if IBAMA doesn't actually approve the conditions - as they still are not approved - and what happens with the license itself?

M. Tolmasquim: IBAMA is a sovereign body, therefore, they have the final word on the licensing matters. So if IBAMA decides that the conditions are not actually fitting as far as being able to grant a license, then either the project is cancelled or perhaps postponed until alterations can be made to meet the conditions.

Ken Rapoza: Okay. Yes, I heard Tolmasquim say that there were 5,000 people that had to be relocated. I thought it was 20,000 so I wanted some clarification on that.

M. Tolmasquim: Five thousand families.

Ken Rapoza: Okay. So that would be about 20,000 people, we'll say. It's about the same.

M. Tolmasquim: It would be about the same, yes.

1
comentários


Uma resposta para “Entrevista de Tolmasquim sobre a UHE Belo Monte para jornalistas estrangeiros”

  1. As vezes eu deparo com alguns amigos, que simplesmente pegam carona em alguns comentários espalhafatosos, e saem pregando contra, seja lá o quê for,se inscrevem como participantes, tentam convencer, mas não sabem nada, quando são questionadas sobre seus argumentos, e não tem como contra argumentar,…..
    Eu me pergunto “sera que as pessoas estão perdendo o poder de pensar? de fazer uma análise mais aprofundada sobre os assuntos ? de se deixar levar por tão pouca coisa?
    Tem muita gente contra nosso desenvolvimento, e que se dizem dono do que é nosso, é o cumulo do absurdo !!!!!

  • José Martins e Osvaldo Leite Barbosa têm 49 anos e mais coisas em comum do que uma primeira conversa revela. José é do Maranhão. Osvaldo, do Ceará. Eles vieram para região do Xingu, no Pará, em busca de uma vida melhor. Encontraram uma oportunidade nos canteiros de obras de Belo Monte, a Hidrelétrica que vai levar energia a 60 milhões de brasileiros quando estiver pronta. Mas encontraram mais do que trabalho. Eles tiveram a oportunidade de voltar à escola, de onde foram afastados quando ainda crianças. José, que há um ano e dois meses é operador de máquina de compactação de solo, lembra que, quando menino, abandonou os estudos para ajudar o pai na roça. Tentou voltar aos 15 anos, mas a distância e a falta de transporte para chegar à escola foram definitivas. Passaram-se 34 anos até saber do projeto "Alfabetizar Trabalhando", oferecido no empreendimento. “Hoje eu conheço as palavras e sei escrever meu nome completo. Pretendo continuar estudando, independente de trabalhar aqui ou não”, conta, orgulhoso. Mais velho de 12 irmãos, Osvaldo teve uma infância parecida com a de José. A necessidade de ajudar a cuidar o gado da família afastou-o da escola. Mas o desejo de voltar a estudar permaneceu. Até o dia em que um amigo lhe falou sobre o curso no canteiro de obra onde Osvaldo trabalha há dois anos e seis meses como ajudante de elétrica. “No inicio, eu só conhecia a letra ‘o’, a que inicia o meu nome. Hoje, já sei escrever o meu nome e conheço todas as letras do alfabeto. Pretendo continuar o estudo dentro do canteiro. Agora, não quero mais parar.” O projeto de alfabetização que mudou as vidas de José e Osvaldo é realizado nos sítios Belo Monte, Pimental e Canal de Derivação. Com duração de seis meses, atende alunos entre 30 a 50 anos. Cada sala reúne cerca de 20 alunos, com as aulas que duram, em média, duas horas, nos turnos matutino e vespertino. Cinco turmas já se formaram pelo "Alfabetizar Trabalhando". A mais recente formou no dia 21/08.“É gratificante participar de um projeto que visa ao desenvolvimento social e intelectual de pessoas que não tiveram a oportunidade de estudar”, afirma o professor Gilvan Souza de Lima, 50 anos, que forma o corpo de 81 funcionários envolvidos no “Alfabetizar trabalhando”. O projeto mudou a vida deste altamirense que trabalhou mais de 20 anos em escolas municipais e estaduais da região. Desde 2012, ele integra o corpo docente responsável pela alfabetização de trabalhadores da HidrelétricaBelo Monte.  “Minha tarefa é fazer com que eles não desistam e aprendam”, ensina Lima.
  • Quem diria que um dia uma região estigmatizada pela malária poderia reduzir o número de casos em 90% e, em alguns municípios, à zero? Há pouco menos de quatro anos, quem viesse para Altamira e cidades vizinhas chegava apreensivo com o fantasma da doença, que, de janeiro a julho de 2011, atingiu alarmantes 5.075 casos na área.  Esse número caiu para apenas 552 nos sete primeiros meses de 2014. A redução de 90% dos casos foi possível com as aplicação do Programa Nacional de Combate à Malária pela Norte Energia, em parceria com Estado e prefeituras, nos municípios do entorno da Usina Hidrelétrica Belo Monte.Altamira, o município mais populoso da área de influência direta do empreendimento, é um caso exemplar para o Brasil quando o assunto é o combate à malária. Nos primeiros sete meses de 2011, foram registrados 750 casos. Depois das campanhas de prevenção, diagnóstico e melhoria na gestão pública com recursos e ações da Norte Energia, os registros caíram para 85 apenas. Há três meses não há notificações da forma mais nociva da doença, a falsiparum.Em Vitória do Xingu, por exemplo, de janeiro a julho de 2011, foram registrados 108 pacientes com malária. No mesmo período de 2014, há registro de apenas oito. Nos canteiros de obra da Hidrelétrica Belo Monte, que reúne trabalhadores de todas as partes do Brasil, faz mais de 18 meses que não há contágio da malária falciparum. Vitória mais expressiva conseguiu Brasil Novo, que hoje pode se orgulhar de não ter nenhum caso de malária registrado e de se manter livre da falsiparum há 23 meses.“Desde que haja aporte adequado de recursos, e uma gestão pública feita de forma competente, é possível se eliminar a transmissão da malária no Brasil”, afirma o gerente de Saúde da Norte Energia, José Ladislau. Na semana passada, ele participou, em Belém, do 17º Congresso Médico Amazônico e explicou como as ações da Empresa melhoraram o sistema de saúde pública na região do Xingu,beneficiando diretamente a população. Confira em nosso infográfico!
  • A campanha de comunicação “Saneamento é Saúde”, realizada pela Norte Energia, Prefeitura Municipal de Altamira e Cosanpa, informa que as obras na Rua Sete de Setembro, principal via do comércio da cidade, estão em fase de conclusão.  A parte de escavação e instalação de tubulações praticamente está finalizada e, nesta semana, as faixas de asfalto retiradas para o trabalho serão recolocadas. Condicionante da Hidrelétrica Belo Monte, o saneamento básico vai melhorar as condições de saúde e universalizar o acesso à água tratada nas áreas urbanas do município. O sistema consiste na instalação de 220 quilômetros de rede e 13 estações elevatórias que vão receber o esgoto e enviá-lo à Estação de Tratamento (ETE) no bairro Recreio, onde os efluentes serão tratados e transformados em água limpa. A água transparente será direcionada ao rio Xingu, sem qualquer prejuízo para a natureza. O saneamento para Altamira é reforçado pela instalação de 170 quilômetros de tubulação de água tratada na cidade. Este sistema também conta com uma Estação de Captação, uma Estação de Tratamento de Água e oito reservatórios com capacidade para armazenar oito milhões de litros. httpv://www.youtube.com/watch?v=7nLpu-gzJrc&feature=youtu.be Confira onde as obras de saneamento acontecem entre os dias 19 e 23 de agosto. Rua Sete de Setembro, entre a Travessa Pedro Gomes e a Travessa Coronel Tancredo. Travessa Pedro Gomes, entre as Ruas Sete de Setembro e Avenida Djalma Dutra. Travessa Agrário Cavalcante, entre as ruas Magalhães Barata e Primeiro de Janeiro. Travessa Coronel Tancredo, entre as ruas Magalhães Barata e Sete de Setembro. Travessa Paula Marques, entre as ruas Primeiro de Janeiro e Magalhães Barata. Travessa Lindolfo Aranha, entre a Rua Sete de Setembro e a Avenida Djalma Dutra. Rua Anchieta, entre as travessas Coronel Tancredo e Dez de Novembro. Alameda Segunda, entre as travessas Pedro Gomes e Agrário Cavalcante. Pista da direita da Avenida Perimentral, entre as travessas Agrário Cavalcante e Dez de Novembro.
  • O PHD em engenharia civil e ambiental da Universidade de Illinois, professor Marcelo H Garcia, criticou em carta o uso indevido e distorcido de sua pesquisa por grupos contrários à Usina Hidrelétrica Belo Monte. Em palestra realizada no Texas, o professor falou justamente sobre as inovações da engenharia de construção aplicadas nas obras. Contudo, seu estudo foi usado para atacar o projeto do canal de derivação da usina. O engenheiro não citou nomes, mas sua atitude foi tomada após saber que a palestra foi citada em manifesto enviado à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) por entidades que ainda esperam parar as obras de Belo Monte. Em carta enviada à Norte Energia o engenheiro diz que o projeto do Canal representa o “estado da arte nesse tipo de empreendimento”. Garcia foi um dos especialistas que se reuniram no simpósio "Questões atuais de Gestão de Bacias Hidrográficas no Brasil: Uma Visão Geral das necessidades e aplicações de pesquisas sobre Rios e Recursos Hídricos”. Realizado em abril deste ano, o evento foi  organizado pelo Instituto de Estudos Latino-Americanos LLILAS Benson e pelo Departamento de Geografia e Meio Ambiente da Universidade do Texas (Austin). Em sua apresentação, Garcia validou o grande desafio de engenharia que Belo Monte representa. Um dos aspectos da obra, um marco em diversos sentidos, foi analisado por ele na apresentação "Canal de Derivação de Belo Monte: Estabilidade da Rocha ao transportar 14.000 m3/s”, direcionada ao público acadêmico. Ao tomar conhecimento de que sua análise estava sendo distorcida, o professor e consultor de engenharia escreveu a carta na qual reiterou: "eu acredito que o Canal de Derivação de Belo Monte vai funcionar tão bem quanto esperado, segundo as recomendações resultantes das análises de hidráulica de canais abertos e da estabilidade da rocha, que realizei com meu grupo de pesquisa da Universidade de Illinois”. O documento abaixo, escrito em inglês e traduzido para o português, é mais uma comprovação de que os mitos que se espalham sobre o empreendimento devem ser combatidos com dados e fatos bem embasados. Leia a carta na íntegra, em português, AQUI. Leia a carta na versão original, em inglês, AQUI.
  • Neste mês, a capa da Revista Amazônia Viva traz novidades sobre pesquisas na região do Xingu, de como era a Amazônia pré-histórica na área onde está sendo construída a Usina Hidrelétrica de Belo Monte. Acesse a revista na íntegra AQUI. A matéria de destaque começa a partir da página 36.
  • A implantação das redes de água e esgoto em Altamira chegou à Rua Sete de Setembro, principal via comercial e uma das mais movimentadas do Centro da cidade. A campanha de comunicação “Saneamento é Saúde”, promovida pela Norte Energia, em parceria com a Prefeitura Municipal e a Cosanpa, orienta a população sobre as ruas da área central que estarão em obras nos próximos dias. Responsável pela construção e operação da Usina Hidrelétrica Belo Monte, a Empresa está instalando um moderno sistema de saneamento que vai universalizar o acesso à água tratada e dar condições sanitárias dignas às áreas urbanas do município. São 220 quilômetros de rede e 13 estações elevatórias que vão receber o esgoto e enviá-lo à Estação de Tratamento (ETE) no bairro Recreio. Lá, os efluentes serão tratados e transformados em água limpa, que será devolvida ao rio Xingu, sem qualquer prejuízo para a natureza. O projeto de saneamento da Norte Energia para Altamira é reforçado pela instalação de 170 quilômetros de tubulação de água tratada na cidade. Este sistema também conta com uma Estação de Captação, uma Estação de Tratamento de Água e oito reservatórios com capacidade para armazenar oito milhões de litros.   Confira onde as obras de saneamento acontecem de 11 a 16 de agosto: Rua Sete de Setembro, entre Alameda Heroíto de Medeiros e Rua Comandante Castilho. Travessa Pedro Gomes, entre as ruas Magalhães Barata e Sete de Setembro. Travessa Agrário Calvante, entre as ruas Coronel José Porfírio e Magalhães Barata. Travessa Coronel Tancredo, entre as ruas Magalhães Barata e Sete de Setembro. Rua Anchieta, entre Acesso 3 e Travessa Dez de Novembro. Rua Intendente Floriano, entre as travessas Pedro Gomes e Agrário Cavalcante. Avenida Perimetral, entre a Travessa Dez de Novembro e a Rua Professor Antônio Gondim Lins   httpv://www.youtube.com/watch?v=ImPWkLP4DIY&feature=youtu.be      
  • Funciona assim: a cada avanço, organizam-se protestos e criam-se empecilhos para o andamento das obras. A cada discurso que se torna falacioso, cria-se outro do zero, um conjunto de argumentos que atacam a Hidrelétrica Belo Monte. O embasamento das posições contrárias pouco importa – para contestar uma obra de engenharia do porte de Belo Monte, a quarta maior hidrelétrica do planeta, servem argumentos de antropólogos, historiadores, biólogos, cientistas sociais...Cada casuísmo construído foi rejeitado em todas as instâncias cabíveis. Mas ter razão não está na ordem do dia. Basta criar novos discursos para atrair holofotes de grupos de interesse do restante do País e do exterior. Na mesma semana em que alguns fatos poderiam se interligar e mostrar uma imagem positiva da realidade brasileira, foi preciso transcendê-la para reingressar no debate político. No final de julho, teve início a operação do sistema de saneamento básico da cidade de Altamira, implantado como parte das condicionantes ambientais da UHE Belo Monte. Realizou-se o primeiro teste operacional do sistema de coleta e tratamento de esgoto. Também foram testadas estruturas do sistema de abastecimento de água, um momento histórico para Altamira, tendo em vista os benefícios que proporcionará à saúde e à qualidade de vida de sua população. O saneamento básico foi a condicionante mais contestada pelos grupos contrários à Usina que, diante do sucesso dos testes, abandonou essa empreitada. Na mesma semana, pela primeira vez a região do Xingu recebeu a visita de uma presidenta da República, que comemorou com a população o avanço inédito em nossa capacidade de geração de energia (foram 20 mil MW só nos últimos quatro anos), além da entrega de um total de 22 mil km de linhas de transmissão. O discurso do “apagão” ficou lá atrás. O mais importante desses números é a ausência de descompasso: o Brasil cresce, aumenta sua capacidade de consumo, aumentam as demandas por energia e a capacidade necessária para esse crescimento está assegurada, com recursos limpos e renováveis que a maioria dos países gostaria de contar. Isso em uma obra que também impulsiona investimentos em saúde, educação, habitação, segurança e saneamento básico. Ainda nesta semana, o 5º Relatório Nacional de Acompanhamento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio demonstrou os avanços do Brasil em todas as oito metas estabelecidas. O combate à pobreza extrema, à mortalidade infantil e a garantia da sustentabilidade ambiental foram destaques. Frente a essas conquistas, algo precisava ser feito, rapidamente, pois as notícias predominantes devem manter o foco no desastre ambiental e no flagelo da população, não é mesmo? É cada vez mais difícil esconder os benefícios que se avolumam na região e, ao mesmo tempo, manter os discursos contra Belo Monte. É preciso muita criatividade para manter a bola quicando. Até dois meses atrás, as críticas de algumas ONGs ressaltavam o atraso das condicionantes, comparando-o ao andamento da obra física.  Agora que um volume expressivo de obras do Projeto Básico Ambiental  (PBA) tornam-se realidade, o discurso foi alterado. Segundo um documento que circula na internet, o Ministério Público deveria investigar e confirmar a "comprovada" inviabilidade técnica da obra da Hidrelétrica Belo Monte. O autor da petição é um pesquisador de um grupo de hidrologia da Universidade de Illinois.  A peça contém as assinaturas de meia dúzia de cientistas sociais, antropólogos e outros pesquisadores. Todos historicamente opositores do empreendimento. O fato é que nenhuma obra de infraestrutura no Brasil foi tão estudada quanto Belo Monte. Seu projeto foi analisado, simulado, testado e comprovado  por universidades de primeira linha, geólogos renomados  e engenheiros especializados. Mas nada disso tem valor,  já que todos os mitos vêm caindo por terra. Os gritos contra Belo Monte atingem o ápice de um processo de negação. Se, por um lado, alguns argumentos são realmente frágeis ou risíveis (“os indígenas serão dizimados”, “não seria necessário o saneamento em Altamira se não existisse Belo Monte”, “as casas do projeto habitacional são de papelão”), o movimento como um todo não pode ser desprezado. É preciso refletir sobre os interesses de quem trabalha dia e noite contra uma obra essencial para o desenvolvimento do País e que beneficiará 60 milhões de brasileiros. Mais que isso, uma obra cujo modelo de implantação foi inovador e regionalmente pensado, diminuindo o impacto ambiental e levando garantias e ganhos socioeconômicos para a população da região do Xingu. Não é possível continuar considerando que, em pleno panorama de recessão global, de desafios para a manutenção do crescimento brasileiro e de eleições internas, o discurso de fundo ambientalista seja neutro e imaculado. É preciso verificar quem financia e quem estrutura seus discursos e suas ações obscurantistas.
  • Uma obra que vai usar concreto suficiente para construir 48 estádios do Maracanã e um volume de aço que daria para erguer 16 torres Eiffel. Quatro canteiros distribuídos num raio de cerca de 60 quilômetros, mais de 20 mil homens e mulheres trabalhando dia e noite. Sessenta milhões de brasileiros beneficiados com a geração de 11.233,1 MW de energia. São dados surpreendentes da Usina Hidrelétrica Belo Monte que aguçam a curiosidade de muita gente.  Para saciar essa sede de conhecimento, a Norte Energia criou o Projeto “Conheça Belo Monte”, que abre as portas da usina para quem quiser ver de perto a realização de um dos maiores feitos da Engenharia brasileira.O “Conheça Belo Monte” já começou e o passeio pela obra impressionou alunos da Escola Municipal de Ensino Fundamental “Antônio Gondim Lins”.  Os visitantes passaram pelos sítios Belo Monte, Pimental, Canais e Diques e puderam ver de perto os avanços na concretagem e na montagem de peças eletromecânicas gigantes. Meninos e meninas também foram ao Centro de Estudos Ambientais para entender como a Hidrelétrica preserva a fauna e a flora e ajuda a Ciência a compreender melhor a Amazônia. Quem esteve na primeira visita guiada ganhou conhecimento e argumentos para falar com propriedade sobre a Usina. “A obra de Belo Monte veio para mudar positivamente a realidade da minha cidade, e isso tem mudado a vida da população”, afirmou Gerson Marques, 14 anos. Karina dos Santos, 13 anos, ficou atenta a apresentação do empreendimento no Centro de Apoio ao Visitante (CAV), em Belo Monte. “Estou anotando todas as informações.” Os interessados em agendar visitas pelo “Conheça Belo Monte” devem mandar e-mail para conhecabelomonte@norteenergiasa.com.br ou pelo telefone (93) 8809-2062. Leia mais: “Conheça Belo Monte” recebe estudantes de Altamira
  • “A Usina Hidrelétrica Belo Monte tem um Centro que é um exemplo para o Brasil no que se refere à preservação da fauna e da flora.” Assim a presidenta Dilma Rousseff definiu o Centro de Estudos Ambientais (CEA) da Norte Energia na visita que realizou terça-feira (06/8) a maior usina genuinamente brasileira. Desde o início dos trabalhos, em 2011, o CEA já resgatou mais de 117 mil animais e 88 mil plantas e plântulas, além de produzir mais de 48 mil mudas para fins científicos. O Centro é uma fonte de conhecimento. Em julho, o Laboratório de Aquicultura e Peixe Ornamental obteve um feito de grande importância para a ciência: a reprodução de filhotes de Acari Zebra, peixe típico da região do Xingu ameaçado de extinção. Foi a primeira vez que isso ocorreu em um laboratório autorizado no Brasil.   Leia mais: Norte Energia reproduz os primeiros filhotes de Acari Zebra em laboratório De volta à natureza Monitoramento permanente das águas do Xingu Tecnologia monitora tartarugas no Xingu  
  • Na visita à Usina Hidrelétrica Belo Monte, a presidenta Dilma Rousseff se emocionou em ver tantas mulheres trabalhando na obra em diversas funções, incluindo cargos antes ocupados eminentemente por homens. “Meu coração fica cheio de alegria. Mas, acho que um dia haverá 50% de mulheres em obras como essa, porque mulher é competente tanto na Engenharia quanto em todas as áreas”, disse.“Não acredito que homens e mulheres sejam concorrentes. Nas atividades industriais e de infraestrutura do País, eles e elas cooperam. Agora, que gosto de ver mulher trabalhando nesta obra, eu gosto muito. Uma coisa que me emociona muito é que as mulheres estão nas mais variadas áreas. Elas tem funções técnicas na concretagem e na montagem”, declarou a presidenta. Atualmente 15% dos mais de 20 mil trabalhadores da UHE Belo Monte são mulheres trabalhando em funções administrativas e operacionais, incluindo operadoras de máquinas pesadas, pedreiras, ferreiras e outras profissões exercidas antes principalmente por homens.











© Desenvolvido por santafédigital. Uma empresa do grupo santafé.