en     pt
notícias > Notícias
Entrevista de Tolmasquim sobre a UHE Belo Monte para jornalistas estrangeiros
Postado em 21/02/2011

Presidente da Empresa de Pesquisa Elétrica (EPE), Maurício Tolmasquim, participa de videoconferência para jornalistas estrangeiros para explicar o projeto Belo Monte e informar sobre as iniciativas socioambientais do empreeendimento.

Íntegra da entrevista transcrita em inglês aqui.

Transcript: conference call with Mauricio Tolmasquim on Belo Monte Dam Project
Teleconference held by the president of Brazil's Energy Company (EPE) to international media.

Moderator: Good morning everyone, and thank you for joining us for today's call with Mauricio Tolmasquim, the president of Brazil's Energy Research Company, EPE. Mr. Tolmasquim is with us today to provide updates and answer questions about Brazil's Belo Monte hydroelectric dam project. Mr. Tolmasquim will be providing his remarks in Portuguese, followed by an English translation. The same will be true for the Q&A portion of this call. For the benefit of all participants, we ask that you please direct your questions to Mr. Tolmasquim in English. Now I would like to turn the call over to Mr. Tolmasquim. Sir, please go ahead.

M. Tolmasquim: Good morning everyone. I would like to thank you for the opportunity to clarify any issues related to the Belo Monte plant.
I'd like to say that Brazil, as a country, has one of the most renewable energy matrices in the world, with 90% of power coming from renewable sources, in comparison with the world's average, which is 18%.
As a result of this renewable matrix that we have, as far as energy is concerned, our greenhouse gas emissions are much lower than the rest of the world, particularly because of our consumption and production, which basically leads Brazil to consume less energy. For example, as far as consumption is concerned, when compared to the world, Europe emits 110 times more greenhouse gases than Brazil, while China emits 190 times more, and the United States emits 200 times more than Brazil because of electrical power consumption.

M. Tolmasquim: In order for the Brazilian economy to grow around 5% per year in the next few years, Brazil needs to add 5,000 megawatts per year to its installed capacity.
As far as this projection is concerned, energy conservation measures have already been taken into account. For example, for the next 10 years, the effect of these energy conservation actions will have the same effect as the actual production expected for Belo Monte.
Part of this strong need to expand the electrical power sector is justified because of the low consumption rates in Brazil. For example, the per capita household consumption of electricity in Brazil is still very low. For you to have an idea, the per capita consumption of electricity in Russia is 50% more than in Brazil; in the United Kingdom, three times as much as in Brazil; and in the United States, it's eight times as much as in Brazil. In other words, despite increasing energy efficiency, in order for us to be able to eradicate or improve social inequality, electricity consumption will have to be increased and therefore, we need to expand the Brazilian electrical system.
Belo Monte allows Brazil to achieve two objectives. First, it manages to meet the energy needs of the country, which will foster growth in development; while at the same time maintaining low levels of greenhouse gas emissions.
For example, in order for us to replace the Belo Monte plant for thermal power plants, our emissions would be, for the same energy generated, 19 million tons of CO2 based on natural gas. This 19 million tons of CO2 actually corresponds to more than all electrical sector emissions for 2007.  And this is considering that it would be natural gas, and not coal.
Belo Monte was developed with the aim of bringing the smallest possible negative effects to local communities. And, in fact, the Belo Monte power plant will bring positive effects to the region.
No indigenous land surrounding the area of the project will be flooded. No indigenous community will be moved out of their land.
FUNAI, which is the Brazilian agency that looks after indigenous people, held more than 30 meetings with the different communities with over 1,700 indigenous people. During these meetings, FUNAI was able to explain the project, as well as listen to their concerns and worries about the project.
In relation to non-indigenous communities, our estimate is that only 5,000 families will have to be moved. In other words, this is a very different project from other major projects, such as the Three Gorges Dam project, which was estimated to have relocated one million people.

M. Tolmasquim: Many of the families that will actually be moved as a result of the project live in very precarious conditions. In the region of Altamira, many live in houses that are built over the river - they are almost floating over the river - and for half of the year, they have to leave their houses due to flooding. These families will actually get new houses made from brick and cement, for example.
The city will receive a new sewage system. Water will be treated as well, along with roadway infrastructure and urban improvements.
The investors are going to invest somewhere around R$ 3.3 billion as social and environmental compensation. And this is actually equivalent to 19 times the actual total budget for the state of Pará. And these resources will be directed only to the region linked with Belo Monte; in other words, surrounding Belo Monte.
In addition, the federal government is going to implement a regional sustainable development plan for the Xingu region. In other words, the public branch will bring more financial resources to the region.
The benefits of Belo Monte are not just social, but environmental as well. Conservation areas will be created in an area called Volta Grande in Xingu, and on the right side of the area as well, on the actual riverbank. The degraded areas will be recovered.
In conclusion, I would say that Belo Monte is much more than just a mere electrical power plant, but a driving force for sustainable development in the region.
That concludes my opening remarks and I am now here at your service to answer any questions that you may have.

Operator: Our first question is from the line of Paulo Winterstein with Dow Jones Newswires.

Paulo Winterstein: Hi, Mr. Tolmasquim. You mentioned if Belo Monte would be replaced with thermal plants, but a lot of the criticism of Belo Monte is that smaller hydroelectric plants would perhaps be more efficient and have less of a negative impact. I just wanted to ask: how do you respond to criticisms that smaller plants would be more effective?
And second, that while the capacity of Belo Monte is about 11,000 megawatts, average output would be, I think 3,000 or 4,000, and some people have said that in extraordinarily dry years, three-fourths of the year, the dam actually wouldn't produce any energy at all because of low water levels.

M. Tolmasquim: In relation to small electrical power plants in Brazil, we consider a small power plant to be one that actually generates 30 megawatts. The thing is that we would need more than 300 smaller power plants in order to be able to supply the same amount of energy as Belo Monte. And 300 plants in the Amazon would probably have a much more negative environmental effect than just one large one.
In relation to the effective generation in installed capacity, I would like to mention that, really, no plant actually generates the maximum permitted capacity. In Europe, for example, the relation between energy production and the actual installed capacity is around 35% or 40%.
In Belo Monte we have 40%. The average in Brazil is around 55% and thus, Belo Monte is a little bit below the national average. However, there are reasons for this. One of the main reasons is related to the need for ensuring that energy generation is compatible with the environment.
In order for Belo Monte to generate more, we would need a much bigger reservoir. It would also be necessary for us to build other plants on the Xingu River. It would also be a problem because we would not be able to ensure that the indigenous communities would have water in the Xingu region.
Both of these possibilities are unacceptable for us because we believe that Brazil cannot explore its hydroelectric power potential by creating these kinds of situations.  Therefore, we prefer to not necessarily achieve all of this output, but preserve the sustainability in the region.
The good news is that even without this additional energy output, this power plant continues to be incredibly competitive. And how can we prove this? By comparing the value of megawatts generated.
The cost of generating energy through Belo Monte is around half of the cost of other renewable sources, thermal sources, among others.

Ken Rapoza: How much will Belo Monte lower the cost of energy/electric power for mining operations in Pará? And if so, how important is Belo Monte for mining in the State?

M. Tolmasquim: It is important to point out that 70% of the energy generated at Belo Monte will be for the regular market, or in other words, the electricity distributing companies.
Thirty percent of this energy is basically left for the free market, where you have all different kinds of industries involved. A small part of these industries could be mining

M. Tolmasquim: companies, but at the moment, we do not know which ones, or how many. Therefore, we cannot guarantee that mining companies will be receiving this electricity.

Gustavo Faleiros: Good morning. Mr. Mauricio, just one point of clarification. So it's for sure that there will be no more in Xingu River as there is a legal commitment to not build more dams besides Belo Monte? And my actual question is about the emissions from the dam.  What do we know about the methane emissions that will be caused in the reservoir?

M. Tolmasquim: Well, there was a decision made by the National Energy Policy Council which established that no more power plants would be built in the Xingu River, and in order for this resolution to actually come in effect, it is signed by the President of the country and, thus, it has very high legal status.
In relation to the emissions from Belo Monte, what I can say is that they will be practically nil because of two reasons. First, it is a runoff river power plant, therefore, it doesn't have a reservoir. Furthermore, in order to avoid methane gas emissions from decomposing vegetation, for example, 100% of the vegetation will be removed from the reservoir canals. Therefore, the emissions from Belo Monte should not be any different than the emissions that we already see being emitted by the river.

Zachary Hurwitz: Thank you. According to a recent article in the Journal of Science, reservoir storage capacity in the Amazon is decreasing due to climate-related drought, and we saw evidence of this last year in the worst ever drought on the Rio Negro, five years after the worst ever drought on the Rio Madeira. I'd like to hear how Mr. Tolmasquim justifies building the Belo Monte given this fact.

M. Tolmasquim: The effect of climate changes on the river's outflow basically are data that have not actually been proved yet.  And in addition, the studies conducted in Brazil in relation to the eventual effects of climate change also pointed to a reduction in wind. These studies actually consider a horizon of 100 years. Let's suppose that, indeed, we do see these reductions in the next 100 years - we feel that this is something that should not stop us from building, for example, wind power plants, and thus we continue to build electrical power plants.
We also consider that in the next few years, water-generated electricity, and of course, wind-generated electricity, can contribute very much to reduce greenhouse gas emissions, even if we do end up seeing in 100 years' time a reduction of the rivers and wind.

Nadia Pontes: Yes, Belo Monte seems to be the only way out for the government. I was going to ask about the wind turbines you just mentioned. Is Belo Monte actually the only way out for the government, or why not more investment in wind turbines?
And the second question. There are, I think, nine processes, and the Pará state is trying to stop the project. Is the government in a hurry to do Belo Monte? Why is the government not listening to these people in Pará?

M. Tolmasquim: Brazil considers it necessary to have many different alternatives for generating electricity and Belo Monte is just one of these alternatives.
Brazil has a great potential for wind and biomass-generated electricity. In the last few years, Brazil contracted 10,000 megawatts from biomass and from wind-generated electricity, which would correspond to one Belo Monte power plant.
Brazil is actually a very fortunate country because it can use water, wind and biomass energy as a complement to its energy matrix. For example, in Europe, wind energy is complemented by thermal energy. While in Brazil, wind power is a partner of water power. Therefore, our issue here is really not whether it is wind or water-generated electricity, but wind plus water-generated electricity.
In relation to the legal action against Belo Monte, it is important to point out that there was a very thorough process to actually hear the local community.
During the development of the environmental impact study, we had 12 public meetings; ten workshops with the community; 14 technical forums, four of which were held in Belém, which is the capital city of that State; 30 meetings in indigenous villages with participation of approximately 1,700 indigenous people; a visit by the media agents and social communication agents to around 5,300 families; 61 meetings with communities, with an attendance of 2,100 people; ten lectures at primary and lower secondary education schools to around 530 students; and four public hearings which were promoted by IBAMA. And in Altamira, one of these public hearings had an audience of 6,000 people, which made it the biggest ever public hearing in the history of Brazil.
Brazil is a democratic country, where it is very important for us to have these discussions. But at some point, a decision does need to be made. Listening to the stakeholders, for example, is incredibly important because the project was actually changed as a result of this conversation that was held with the local community.

M. Tolmasquim: For example, we had originally projected to build many different plants in the Xingu River, and thanks to the actual local populations' opinion on this matter, only Belo Monte is going to be built.  In the original project, the reservoir for Belo Monte was actually three times bigger than the actual reservoir that is going to be built now. Therefore, Belo Monte is actually the result of local social participation.
Like any other venture, there is always a small minority that is against it and doesn't actually want any kind of power plant at all. However, in a democratic society, this position cannot actually stop the government from providing a solution that is going to be beneficial to the country and the region.

Paulo Winterstein: Hi. I just had a question following on the reporter from the Deutsche Welle. With the lawsuits from public prosecutors, is there a risk that the January 2015 deadline won't be met, and does this put some of the energy needs for the country at risk in the coming years?

M. Tolmasquim: Well, as in any other lawsuit, the judicial power has the final word.
We believe that the portfolio for the Belo Monte project is strong enough in order for us to actually have a favorable decision in court. Of course, the final word comes from the judicial power.
In relation to Brazilian energy needs, I have to say that the country has a surplus into 2014 of 5,000 average megawatts, which takes into consideration a 5% GDP growth rate per year. In other words, the surplus that Brazil has actually allows the country to grow 7% per year regardless of energy.
And, of course, Belo Monte is important, however, there are other sources that Brazil can turn to in order to ensure energy supply.
However, we are actually quite confident that Belo Monte's construction will actually begin as planned to ensure that we don't actually have to reduce our surplus supply.

Gustavo Faleiros: Yes, it's a follow-up as well. On this matter of the final word being a judicial word, I would like to know the opinion of Mauricio about the opinion of IBAMA. What happens if IBAMA doesn't actually approve the conditions - as they still are not approved - and what happens with the license itself?

M. Tolmasquim: IBAMA is a sovereign body, therefore, they have the final word on the licensing matters. So if IBAMA decides that the conditions are not actually fitting as far as being able to grant a license, then either the project is cancelled or perhaps postponed until alterations can be made to meet the conditions.

Ken Rapoza: Okay. Yes, I heard Tolmasquim say that there were 5,000 people that had to be relocated. I thought it was 20,000 so I wanted some clarification on that.

M. Tolmasquim: Five thousand families.

Ken Rapoza: Okay. So that would be about 20,000 people, we'll say. It's about the same.

M. Tolmasquim: It would be about the same, yes.

1
comentários


Uma resposta para “Entrevista de Tolmasquim sobre a UHE Belo Monte para jornalistas estrangeiros”

  1. As vezes eu deparo com alguns amigos, que simplesmente pegam carona em alguns comentários espalhafatosos, e saem pregando contra, seja lá o quê for,se inscrevem como participantes, tentam convencer, mas não sabem nada, quando são questionadas sobre seus argumentos, e não tem como contra argumentar,…..
    Eu me pergunto “sera que as pessoas estão perdendo o poder de pensar? de fazer uma análise mais aprofundada sobre os assuntos ? de se deixar levar por tão pouca coisa?
    Tem muita gente contra nosso desenvolvimento, e que se dizem dono do que é nosso, é o cumulo do absurdo !!!!!

  • Especialistas que monitoram desde 2013 a presença de espécimes de uma das maiores aves de rapina da América do Sul constataram recentemente o nascimento de um filhote e dois jovens gaviões-reais (Harpia harpyja), em três dos seis ninhos monitorados na região do rio Xingu, no Pará. Quatro ninhos estão localizados no Município de Vitória do Xingu e dois, no município de Brasil Novo.A ação tem apoio logístico da Norte Energia, responsável pela construção da Usina Hidrelétrica Belo Monte e pela implantação de 15 projetos de conservação ambiental na região. “O nascimento de filhotes nesta região indica que as florestas remanescentes oferecem condições para o casal de gavião-real se alimentar e reproduzir com sucesso”, explica Helena Aguiar, bióloga e doutoranda do INPA (Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia), que trabalha com monitoramento desta espécie também na região do Xingu. Por meio de apoio da Norte Energia ao INPA, uma fêmea de gavião-real foi resgatada na Volta Grande do Xingu, recuperada com a ação da equipe de veterinários e biólogos da empresa , com orientação dos biólogos do Instituo. O pássaro foi devolvido com sucesso à natureza em julho de 2014. A espécie é tida como a ave de rapina mais possante das Américas. Pode carregar um peso igual ao seu, cuja média é de 9 quilos. Ganhou este nome na Amazônia graças à conformação das penas na cabeça, em formato que lembra uma coroa, e ao porte da realeza. Resgate na Volta Grande do Xingu - As primeiras visitas técnicas de biólogos do INPA ocorreram no primeiro semestre de 2014. Em junho do ano passado, foi realizado um resgate de uma fêmea de gavião-real, na área da Volta Grande, município de Senador José Porfírio. O animal colidiu com uma rede elétrica e foi encaminhado ao Centro de Estudos Ambientais (CEA) da Norte Energia, referência em resgate de fauna na região por manter recintos adequados e equipes capacitadas para esse tipo de trabalho. A interlocução da Norte Energia com o INPA foi rápida e, por meio de apoio logístico, os biólogos do Projeto Gavião-real chegaram a tempo de avaliar a saúde da ave e tratá-la. “Como não havia nenhuma lesão grave, ela voltou à natureza em cerca de 15 dias”, recorda Helena. Um transmissor de sinais via satélite para monitorar a localização foi acoplado ao bicho. Isso possibilitou a identificação da área de vida na região onde está caçando para se alimentar e alimentar sua cria, e em março deste ano, um juvenil foi avistado dentro desta área utilizada pela fêmea monitorada por satélite enquanto Helena rastreava a fêmea utilizando uma antena e um receptor VHF. Em julho passado, a coordenadora do Projeto Gavião-real do INPA, Tânia Sanaiotti, voltou ao Centro de Estudos Ambientais para monitorar de perto os ninhos e a fêmea de gavião. Constatou a boa saúde do animal adulto e a presença de um filhote com cerca de dois meses em um dos ninhos, além de avistar um filhote que iniciou a voar no entorno do ninho. Helena Aguiar explica que uma fêmea de gavião-real põe até dois ovos por reprodução, que pode ocorrer a cada dois ou três anos, mas não nasce mais do que um filhote. A eclosão dos ovos ocorre entre 52 e 58 dias. Os pequenos gaviões começam a voar com aproximadamente 120 dias de vida e se alimentar sozinhos a partir de 1 ano. Aves são minoria nos resgates da Norte Energia O Centro de Estudos Ambientais é a estrutura da Norte Energia que dá suporte às ações de preservação da fauna e flora da região de Belo Monte. Os resgates são em sua grande maioria efetuados para animais com pouca capacidade de deslocamento para longe das frentes de supressão. Assim, 80,56% dos resgates são de répteis e anfíbios; 9,20%, de mamíferos; e apenas 0,49%, de aves. O Projeto Gavião-real do INPA começou em 1997, com a descoberta do primeiro ninho de gavião-real numa floresta de terra-firme, próxima a Manaus, capital do Amazonas. Por meio de parceria com empresas como a Norte Energia e diversas instituições federais, estaduais e municipais, atualmente, o Projeto monitora 40 ninhos em várias regiões do Brasil.
  • O projeto “Bairro Cidadão”, ação da Norte Energia para promover cidadania nos novos bairros de Altamira, contabiliza cerca de 39 mil atendimentos até agora. No sábado passado (21/08), foi a vez dos moradores do bairro Água Azul terem perto de casa serviços de emissão de documentos (carteira de identidade, Cadastro de Pessoa Física (CPF), Carteira de Trabalho), além de inscrição para cursos de capacitação, consultas odontológicas, acesso a corte de cabelo e maquiagem e atividades de esporte e lazer.Somente no Água Azul ocorreram 8.500 atendimentos. O projeto já passou pelos bairros do Jatobá, São Joaquim e Casa Nova. A meta da Gerência Socioambiental da Norte Energia é atender todas as famílias dos cinco novos bairros construídos pela empresa em Altamira com recursos do Projeto Básico Ambiental da Usina Hidrelétrica Belo Monte. A emissão de documentos lidera a procura nas quatro edições do projeto, junto com os atendimentos no Espaço de Beleza, que fornece corte de cabelo e maquiagem.  “Aqui a gente une o útil ao agradável. Além de tirar os documentos, dá pra ir ao salão de beleza”, ressalta a auxiliar de serviços gerais Ângela da Silva, 32 anos, atendida pelo “Bairro Cidadão”. O projeto é promovido pela Norte Energia com apoio da Federação das Indústrias do Estado do Pará (Fiepa), Serviço Social da Indústria (Sesi), Serviço Nacional da Indústria (Senai) e Conselho de Responsabilidade Social. São parceiros da iniciativa o Ministério do Trabalho e Emprego, Correios e Prefeitura Municipal de Altamira, por meio da Secretaria Municipal do Trabalho e Promoção Social (Semuts), Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semat) e Secretaria Municipal de Saúde. A próxima edição será no bairro Laranjeiras, programado para o dia 12 de setembro.
  • A rotina é nova e prazerosa para Joanita Marques, 35. A tarde chega e ela caminha uma quadra com os quatro filhos para encontrar a mãe, Maria Marques, 66. Pegam as cadeiras, sentam em frente da nova casa, põem a conversa em dia, enquanto as crianças brincam na tranquilidade do bairro Laranjeiras, para onde a família mudou no dia 15 de julho. Maria está feliz no novo endereço, embora em adaptação com a nova realidade: antes todos moravam em uma única casa de madeira e, hoje, estão em três casas diferentes, na mesma rua. Cada uma com três quartos, dois banheiros, sala e cozinha conjugadas. “Para mim, está ótimo. Vai melhorar ainda mais quando aparecerem aqui os comércios, os açougues. O bairro é novo, muita coisa vai melhorar ainda mais”, diz.A filha Joanita sorri satisfeita, certa da independência recente. Diz que adorava morar com a mãe – não é à toa que toda tarde busca a prosa com Maria. Mas, ter a própria casa, não tem preço. “É muito melhor, tem mais privacidade. E vou comprando minhas coisinhas aos poucos. Já comprei uma cama, a geladeira e o fogão”, conta. Os novos objetos que Joanita adquiriu e Maria planeja comprar vão muito além do consumo de utensílios do lar. São a marca de uma nova fase na vida das duas. Antes, no bairro Independente 2, em Altamira, onde moravam, as cheias do rio provocavam constantes prejuízos. “Todo ano a gente perdia as coisas por causa da enchente”, recorda a mãe. “Agora acabou o problema”, emenda a filha. O Laranjeiras, onde hoje mora a família Marques, é um dos cinco novos bairros construídos pela Norte Energia. Foram criados para beneficiar as famílias das áreas historicamente alagadas pelas cheias do Xingu conforme os critérios do Projeto Básico Ambiental da Usina Hidrelétrica Belo Monte.​
  • Thaís Vulcão segue um mantra na profissão: “Em qualquer lugar se faz educação”. É com essa frase na cabeça e muita disposição que a professora se entrega à bonita tarefa de alfabetizar quem, pelas contingências da vida, chegou à vida adulta sem aprender a ler e escrever. Seu campo de batalha contra o analfabetismo, atualmente, são os canteiros de obras da Usina Hidrelétrica Belo Monte.Para Thaís, não se trata apenas de trabalho. Ver homens e mulheres reconhecendo o alfabeto, formando as primeiras sílabas, escrevendo as primeiras palavras e assim adentrando no mundo das letras é muito mais do que aplicação. “Para mim é um sonho poder ajudar essas pessoas a saíram desse tipo de cegueira que é o analfabetismo e se encontrar, melhorar a autoestima, sonhar com novas possibilidades”, comenta. A professora ministra aulas no Projeto Pólo de Escolarização para mais de 60 trabalhadores, que se dividem em quatro turmas, de segunda a sexta, em diferentes horários. O Dia do Estudante, celebrado no dia 11 de agosto, Thaís comemorou com os alunos em sala de aula com atividades na sala de informática, no Centro de Convivência Marupiara, no Sítio Belo Monte. “Alguns alunos pela primeira vez tiveram contato com o computador. Fizemos dinâmicas e atividades de escrita com o uso do teclado. Foi tudo muito especial”, conta.
  • Nesta terça-feira (04), o rio Xingu voltou ao seu curso central, na região de Pimental. Foram abertos os vãos (comportas acionada hidraulicamente) do vertedouro da Usina Complementar, localizada no Sítio Pimental, para dar vazão natural das águas do rio Xingu pelo leito original, por onde suas águas vão continuar passando permanentemente,  mantendo a vazão para garantir a vida aquática e navegação no trecho da Volta Grande do Xingu. Isto significa que a vazão do rio para a jusante (rio abaixo do Sítio Pimental) será mantida, com o mínimo de 700 metros cúbicos por segundo no mês de setembro, variando mensalmente para valores superiores conforme estabelecido no processo de licenciamento da Usina, em acordo com a ANA (Agência Nacional de Águas) e o Ibama. A vazão mínima citada corresponde a uma vazão bem acima daquelas já registradas no histórico de ocorrências durante o verão. Assim, estão mantidas tanto a navegabilidade como a produção de pescado na área. O leito do rio havia sido desviado para o canal direito, durante a construção da Casa de Força Complementar e do vertedouro em Pimental. Atualmente, com a conclusão destas obras, a área que havia sido isolada do leito do rio já pode novamente receber as águas do mesmo. No local, estão em execução as operações de Desvio de Segunda Fase, nas quais o fluxo de águas do rio Xingu foi devolvido ao canal central, deixando de passar pelo estrangulamento (canal direito). Na primeira fase, a parte do leito do rio entre a margem esquerda e a Ilha da Serra havia sido isolada, por meio da construção de pequenos barramentos (ensecadeiras), uma rio acima e outra rio abaixo separadas por cerca de 500 metros, criando compartimentos estanques a montante e a jusante. O Desvio de Segunda Fase consiste no fechamento simultâneo do vão entre a Ilha da Serra e a margem direita do Xingu, revertendo todo o fluxo do rio para a área central de seu leito, onde anteriormente foram criados os dois compartimentos estanques. Essa ação envolve algumas operações: a)      Abertura de vão (brecha) na ensecadeira de montante, inundando o recinto de montante (rio acima) dos vertedouros; b)      Abertura parcial das comportas dos vertedouros, inundando o recinto a jusante (rio abaixo) dos vertedouros; c)      Abertura de vão (brecha) na ensecadeira de jusante (rio abaixo), que iniciará a liberação de águas para o rio Xingu, a medida que o Canal Direito vai sendo fechado; d)     Conclusão do fechamento do Canal Direito e reversão da totalidade do fluxo do rio pelos vertedouros. Nas operações de abertura de vão das ensecadeiras (brechas) e no fechamento do canal direito ocorrem movimentação e lançamento na corrente do rio de materiais argilosos e a erosão das margens do vão, a medida que aumenta a vazão de desvio. Esses fenômenos causam o arraste deste material e o aumento momentâneo da turbidez nas águas do rioXingu, a jusante das operações. Embora passageiro, poderá haver propagação visível de pluma de águas turvas rio abaixo até certa distância da área de obras, podendo ser perceptível pelas comunidades rio abaixo, que associam a pluma a problemas com qualidade da água e produção da pesca, o que não é verdadeiro, pois a pluma  só contém argila e materiais terrosos e dispersa-se naturalmente. Nas operações de inundação do recinto de rio acima (reservatório formado pela ensecadeira de montante - espaço confinado entre vertedouros, casa de força, margem esquerda e Ilha da Serra), o volume de água acumulado é de 1,5 milhão de metros cúbicos com turbidez, pelo arraste das laterais do vão de abertura e materiais de escavação que ficaram no fundo desse recinto. Hoje, essa água com turbidez que estava represada no recinto de montante foi transferida, pela abertura parcial das comportas dos vertedouros, para o recinto de jusante (espaço formado abaixo dos vertedouros pela margem esquerda, ilha da Barra, vertedouros / casa de força e ensecadeira de jusante). Este espaço, com cerca de 3,5 milhões de m³, ficará retendo a água de montante, enquanto prosseguem as operações de fechamento do canal direito, por onde continua passando a água do rio para a Volta Grande. Mas desde às 12 horas desta terça-feira ( 04/08), após o recinto de jusante atingir a cota suficiente, foi aberta brecha (vão) na ensecadeira de jusante, iniciando o lançamento gradual de água para o leito do rio Xingu, abaixo da barragem de Pimental. Para permitir a conclusão do fechamento do Canal Direito, será ampliada a abertura de ambas as ensecadeiras do vão central (de montante e jusante) até que a vazão do rio Xingu comece a passar definitivamente pelos 18 vertedouros de Pimental, o que permitirá a conclusão do fechamento do Canal Direito. Embora o aumento de turbidez seja um fenômeno passageiro, com duração de um a dois dias, até que as águas movimentem todo o material relativamente solto e estabilize sua cor, a Norte Energia mantêm equipes de monitoramento de qualidade das águas, que executam medições em tempo real, em toda a área, com foco especial nos efeitos desta operação. Qualquer alteração ou problema com abastecimento ou consumo para ribeirinhos, pescadores e indígenas serão resolvidos pelos técnicos da empresa. Em paralelo, equipes da Comunicação Social da Norte Energia estarão percorrendo as comunidades localizadas na Volta Grande, verificando a situação das mesmas e orientando os usuários do rio sobre esse curto período de transição, correspondente às operações descritas acima. Os 18 vãos do vertedouro na barragem do Sítio Pimental têm capacidade de vazão de até 62 mil m³/segundo. O volume, que corresponde à previsão de uma cheia decamilenar (período de avaliação igual a dez mil anos), é praticamente o dobro da vazão máxima registrada no Xingu, de 32 mil m³/segundo, em cerca de mais de 30 anos.
  • Moradora do bairro Paixão de Cristo, em Altamira, a cozinheira Elivânia Gomes foi uma das primeiras pacientes atendidas na nova Unidade Básica de Saúde do Jatobá, a 29ª entregue pela Norte Energia na região do Xingu. Após realizar consultas médicas, junto com a filha Rayane, de 10 anos, Elivânia, avaliou o atendimento: “Esse novo espaço é bem mais amplo, confortável e o principal, tem um atendimento humanizado. E isso faz muita diferença”. Assim como Elivânia, centenas de moradores do Jatobá e de bairros vizinhos também já utilizaram os serviços da mais recente unidade de saúde do município. Na primeira semana após a inauguração, no dia 24 de julho, foram registrados cerca de 400 atendimentos no novo espaço, construído e equipado pela Norte Energia com recursos do Projeto Básico Ambiental (PBA) da Usina Hidrelétrica Belo Monte. De acordo com Maristela Keim, diretora da Unidade, as consultas médicas e odontológicas lideraram a lista de atendimentos. “O grau de satisfação dos pacientes está além das expectativas, o que prova o quanto esse serviço de prevenção tem dado certo”, afirmou. Os servidores também atestam que o ambiente de trabalhou está muito melhor. “É mais confortável, muito melhor para trabalhar”, diz a recepcionista Orlandina Sousa, que faz questão prestar um atendimento personalizado humanizado na chegada dos pacientes.Com capacidade de cobertura para 12 mil habitantes, a UBS Jatobá dispõe de 13 profissionais atuando nos serviços médicos, odontológicos, orientações nutricionais e acompanhamento de agentes comunitários de saúde. O espaço conta com consultórios médico e odontológico, farmácia, auditório, salas de vacina e de inalação, central de curativos e banheiros adaptados para pessoas com deficiência. A Norte Energia entregou 29 unidades e já concluiu construiu 30 UBS nos cinco municípios da área de influência direta de Belo, sendo que a do bairro Laranjeiras, em Altamira, está pronta será entregue em breve para a administração municipal.  
  • O craque do futebol Arthur Antunes Coimbra, mundialmente conhecido como Zico, viu de perto a grandiosidade das obras da Usina Hidrelétrica Belo Monte e se impressionou. Encantado com o empreendimento, ele declarou admiração principalmente pelos que trabalham todo dia para realizar um dos maiores desafios da engenharia da atualidade: construir a maior hidrelétrica 100% brasileira no coração da Amazônia. Veja o que ele disse quando esteve nos canteiros, no dia 23 de julho: “Tive o privilégio de poder viajar pelo mundo, conhecer muitos lugares, muitas obras. Obras já prontas, aqui no Brasil também, e a gente fica encantado com o trabalho, ainda mais no meio de uma obra fantástica, que é Belo Monte. Parabéns a todos os brasileiros, todos aqueles que participam disso, que se entregam de corpo e alma no dia a dia. Às vezes, se sacrificam, ficam longe de seus familiares, mas o dia a dia deles é importante, não só pra mim, pra todos nós.”
  • A Agência Nacional de Energia Elétrica afirmou que não houve erro no planejamento da licitação do segundo bipolo da UHE Belo Monte (PA, 11.233 MW) ante o cronograma de entrada em operação da usina. Ahidrelétrica deverá estar com todas as suas unidades de geração em operação no início de 2019 enquanto o segundo bipolo para o final de 2019. A infraestrutura para escoar a energia da maior usina 100% nacional já está pronta ou licitada e em construção e são as alternativas para que toda a geração seja colocada no mercado quando estiver sendo feita. O diretor da Aneel, José Jurhosa, admitiu que há uma diferença entre a previsão de entrada em operação da usina em construção no rio Xingu e a segunda linha leiloada nesta sexta-feira, 17 de julho. Contudo, a garantia física da usina não á atingida com todas as máquinas o que garante que a Norte Energia consiga escoar a energia contratada. Outro diretor presente à coletiva realizada após o leilão, André Pepitone, lembrou que a concatenação da linha e da usina não apresenta descompasso. Esse novo projeto vem para agregar confiabilidade e aumento da capacidade de escoamento para a região Sudeste. "Há a linha de 500 kV de Xingu, Tucuruí a Manaus, todo esse aparato já permite o escoamento da usina", afirmou Pepitone durante a coletiva de imprensa realizada após o leilão. Via Canal Energia
  • UHE Belo Monte - o desafio de construir a maior hidrelétrica 100% nacional no médio Xingu, coração da Amazônia, com responsabilidade social e ambiental. httpv://www.youtube.com/watch?v=Cu5iRpZJQjw&feature=youtu.be
  • O Centro de Estudos Ambientais (CEA) da Norte Energia é a base de operação para os 14 planos de conservação ambiental nas áreas de influência do reservatório. O local serve ainda para estreitar relações com as instituições de pesquisas parceiras, como Universidade Federal do Pará e Museu Paraense Emílio Goeldi. httpv://www.youtube.com/watch?v=EbwrRdMHCy0











© Desenvolvido por santafédigital. Uma empresa do grupo santafé.