en     pt
notícias > Notícias
Entrevista de Tolmasquim sobre a UHE Belo Monte para jornalistas estrangeiros
Postado em 21/02/2011

Presidente da Empresa de Pesquisa Elétrica (EPE), Maurício Tolmasquim, participa de videoconferência para jornalistas estrangeiros para explicar o projeto Belo Monte e informar sobre as iniciativas socioambientais do empreeendimento.

Íntegra da entrevista transcrita em inglês aqui.

Transcript: conference call with Mauricio Tolmasquim on Belo Monte Dam Project
Teleconference held by the president of Brazil's Energy Company (EPE) to international media.

Moderator: Good morning everyone, and thank you for joining us for today's call with Mauricio Tolmasquim, the president of Brazil's Energy Research Company, EPE. Mr. Tolmasquim is with us today to provide updates and answer questions about Brazil's Belo Monte hydroelectric dam project. Mr. Tolmasquim will be providing his remarks in Portuguese, followed by an English translation. The same will be true for the Q&A portion of this call. For the benefit of all participants, we ask that you please direct your questions to Mr. Tolmasquim in English. Now I would like to turn the call over to Mr. Tolmasquim. Sir, please go ahead.

M. Tolmasquim: Good morning everyone. I would like to thank you for the opportunity to clarify any issues related to the Belo Monte plant.
I'd like to say that Brazil, as a country, has one of the most renewable energy matrices in the world, with 90% of power coming from renewable sources, in comparison with the world's average, which is 18%.
As a result of this renewable matrix that we have, as far as energy is concerned, our greenhouse gas emissions are much lower than the rest of the world, particularly because of our consumption and production, which basically leads Brazil to consume less energy. For example, as far as consumption is concerned, when compared to the world, Europe emits 110 times more greenhouse gases than Brazil, while China emits 190 times more, and the United States emits 200 times more than Brazil because of electrical power consumption.

M. Tolmasquim: In order for the Brazilian economy to grow around 5% per year in the next few years, Brazil needs to add 5,000 megawatts per year to its installed capacity.
As far as this projection is concerned, energy conservation measures have already been taken into account. For example, for the next 10 years, the effect of these energy conservation actions will have the same effect as the actual production expected for Belo Monte.
Part of this strong need to expand the electrical power sector is justified because of the low consumption rates in Brazil. For example, the per capita household consumption of electricity in Brazil is still very low. For you to have an idea, the per capita consumption of electricity in Russia is 50% more than in Brazil; in the United Kingdom, three times as much as in Brazil; and in the United States, it's eight times as much as in Brazil. In other words, despite increasing energy efficiency, in order for us to be able to eradicate or improve social inequality, electricity consumption will have to be increased and therefore, we need to expand the Brazilian electrical system.
Belo Monte allows Brazil to achieve two objectives. First, it manages to meet the energy needs of the country, which will foster growth in development; while at the same time maintaining low levels of greenhouse gas emissions.
For example, in order for us to replace the Belo Monte plant for thermal power plants, our emissions would be, for the same energy generated, 19 million tons of CO2 based on natural gas. This 19 million tons of CO2 actually corresponds to more than all electrical sector emissions for 2007.  And this is considering that it would be natural gas, and not coal.
Belo Monte was developed with the aim of bringing the smallest possible negative effects to local communities. And, in fact, the Belo Monte power plant will bring positive effects to the region.
No indigenous land surrounding the area of the project will be flooded. No indigenous community will be moved out of their land.
FUNAI, which is the Brazilian agency that looks after indigenous people, held more than 30 meetings with the different communities with over 1,700 indigenous people. During these meetings, FUNAI was able to explain the project, as well as listen to their concerns and worries about the project.
In relation to non-indigenous communities, our estimate is that only 5,000 families will have to be moved. In other words, this is a very different project from other major projects, such as the Three Gorges Dam project, which was estimated to have relocated one million people.

M. Tolmasquim: Many of the families that will actually be moved as a result of the project live in very precarious conditions. In the region of Altamira, many live in houses that are built over the river - they are almost floating over the river - and for half of the year, they have to leave their houses due to flooding. These families will actually get new houses made from brick and cement, for example.
The city will receive a new sewage system. Water will be treated as well, along with roadway infrastructure and urban improvements.
The investors are going to invest somewhere around R$ 3.3 billion as social and environmental compensation. And this is actually equivalent to 19 times the actual total budget for the state of Pará. And these resources will be directed only to the region linked with Belo Monte; in other words, surrounding Belo Monte.
In addition, the federal government is going to implement a regional sustainable development plan for the Xingu region. In other words, the public branch will bring more financial resources to the region.
The benefits of Belo Monte are not just social, but environmental as well. Conservation areas will be created in an area called Volta Grande in Xingu, and on the right side of the area as well, on the actual riverbank. The degraded areas will be recovered.
In conclusion, I would say that Belo Monte is much more than just a mere electrical power plant, but a driving force for sustainable development in the region.
That concludes my opening remarks and I am now here at your service to answer any questions that you may have.

Operator: Our first question is from the line of Paulo Winterstein with Dow Jones Newswires.

Paulo Winterstein: Hi, Mr. Tolmasquim. You mentioned if Belo Monte would be replaced with thermal plants, but a lot of the criticism of Belo Monte is that smaller hydroelectric plants would perhaps be more efficient and have less of a negative impact. I just wanted to ask: how do you respond to criticisms that smaller plants would be more effective?
And second, that while the capacity of Belo Monte is about 11,000 megawatts, average output would be, I think 3,000 or 4,000, and some people have said that in extraordinarily dry years, three-fourths of the year, the dam actually wouldn't produce any energy at all because of low water levels.

M. Tolmasquim: In relation to small electrical power plants in Brazil, we consider a small power plant to be one that actually generates 30 megawatts. The thing is that we would need more than 300 smaller power plants in order to be able to supply the same amount of energy as Belo Monte. And 300 plants in the Amazon would probably have a much more negative environmental effect than just one large one.
In relation to the effective generation in installed capacity, I would like to mention that, really, no plant actually generates the maximum permitted capacity. In Europe, for example, the relation between energy production and the actual installed capacity is around 35% or 40%.
In Belo Monte we have 40%. The average in Brazil is around 55% and thus, Belo Monte is a little bit below the national average. However, there are reasons for this. One of the main reasons is related to the need for ensuring that energy generation is compatible with the environment.
In order for Belo Monte to generate more, we would need a much bigger reservoir. It would also be necessary for us to build other plants on the Xingu River. It would also be a problem because we would not be able to ensure that the indigenous communities would have water in the Xingu region.
Both of these possibilities are unacceptable for us because we believe that Brazil cannot explore its hydroelectric power potential by creating these kinds of situations.  Therefore, we prefer to not necessarily achieve all of this output, but preserve the sustainability in the region.
The good news is that even without this additional energy output, this power plant continues to be incredibly competitive. And how can we prove this? By comparing the value of megawatts generated.
The cost of generating energy through Belo Monte is around half of the cost of other renewable sources, thermal sources, among others.

Ken Rapoza: How much will Belo Monte lower the cost of energy/electric power for mining operations in Pará? And if so, how important is Belo Monte for mining in the State?

M. Tolmasquim: It is important to point out that 70% of the energy generated at Belo Monte will be for the regular market, or in other words, the electricity distributing companies.
Thirty percent of this energy is basically left for the free market, where you have all different kinds of industries involved. A small part of these industries could be mining

M. Tolmasquim: companies, but at the moment, we do not know which ones, or how many. Therefore, we cannot guarantee that mining companies will be receiving this electricity.

Gustavo Faleiros: Good morning. Mr. Mauricio, just one point of clarification. So it's for sure that there will be no more in Xingu River as there is a legal commitment to not build more dams besides Belo Monte? And my actual question is about the emissions from the dam.  What do we know about the methane emissions that will be caused in the reservoir?

M. Tolmasquim: Well, there was a decision made by the National Energy Policy Council which established that no more power plants would be built in the Xingu River, and in order for this resolution to actually come in effect, it is signed by the President of the country and, thus, it has very high legal status.
In relation to the emissions from Belo Monte, what I can say is that they will be practically nil because of two reasons. First, it is a runoff river power plant, therefore, it doesn't have a reservoir. Furthermore, in order to avoid methane gas emissions from decomposing vegetation, for example, 100% of the vegetation will be removed from the reservoir canals. Therefore, the emissions from Belo Monte should not be any different than the emissions that we already see being emitted by the river.

Zachary Hurwitz: Thank you. According to a recent article in the Journal of Science, reservoir storage capacity in the Amazon is decreasing due to climate-related drought, and we saw evidence of this last year in the worst ever drought on the Rio Negro, five years after the worst ever drought on the Rio Madeira. I'd like to hear how Mr. Tolmasquim justifies building the Belo Monte given this fact.

M. Tolmasquim: The effect of climate changes on the river's outflow basically are data that have not actually been proved yet.  And in addition, the studies conducted in Brazil in relation to the eventual effects of climate change also pointed to a reduction in wind. These studies actually consider a horizon of 100 years. Let's suppose that, indeed, we do see these reductions in the next 100 years - we feel that this is something that should not stop us from building, for example, wind power plants, and thus we continue to build electrical power plants.
We also consider that in the next few years, water-generated electricity, and of course, wind-generated electricity, can contribute very much to reduce greenhouse gas emissions, even if we do end up seeing in 100 years' time a reduction of the rivers and wind.

Nadia Pontes: Yes, Belo Monte seems to be the only way out for the government. I was going to ask about the wind turbines you just mentioned. Is Belo Monte actually the only way out for the government, or why not more investment in wind turbines?
And the second question. There are, I think, nine processes, and the Pará state is trying to stop the project. Is the government in a hurry to do Belo Monte? Why is the government not listening to these people in Pará?

M. Tolmasquim: Brazil considers it necessary to have many different alternatives for generating electricity and Belo Monte is just one of these alternatives.
Brazil has a great potential for wind and biomass-generated electricity. In the last few years, Brazil contracted 10,000 megawatts from biomass and from wind-generated electricity, which would correspond to one Belo Monte power plant.
Brazil is actually a very fortunate country because it can use water, wind and biomass energy as a complement to its energy matrix. For example, in Europe, wind energy is complemented by thermal energy. While in Brazil, wind power is a partner of water power. Therefore, our issue here is really not whether it is wind or water-generated electricity, but wind plus water-generated electricity.
In relation to the legal action against Belo Monte, it is important to point out that there was a very thorough process to actually hear the local community.
During the development of the environmental impact study, we had 12 public meetings; ten workshops with the community; 14 technical forums, four of which were held in Belém, which is the capital city of that State; 30 meetings in indigenous villages with participation of approximately 1,700 indigenous people; a visit by the media agents and social communication agents to around 5,300 families; 61 meetings with communities, with an attendance of 2,100 people; ten lectures at primary and lower secondary education schools to around 530 students; and four public hearings which were promoted by IBAMA. And in Altamira, one of these public hearings had an audience of 6,000 people, which made it the biggest ever public hearing in the history of Brazil.
Brazil is a democratic country, where it is very important for us to have these discussions. But at some point, a decision does need to be made. Listening to the stakeholders, for example, is incredibly important because the project was actually changed as a result of this conversation that was held with the local community.

M. Tolmasquim: For example, we had originally projected to build many different plants in the Xingu River, and thanks to the actual local populations' opinion on this matter, only Belo Monte is going to be built.  In the original project, the reservoir for Belo Monte was actually three times bigger than the actual reservoir that is going to be built now. Therefore, Belo Monte is actually the result of local social participation.
Like any other venture, there is always a small minority that is against it and doesn't actually want any kind of power plant at all. However, in a democratic society, this position cannot actually stop the government from providing a solution that is going to be beneficial to the country and the region.

Paulo Winterstein: Hi. I just had a question following on the reporter from the Deutsche Welle. With the lawsuits from public prosecutors, is there a risk that the January 2015 deadline won't be met, and does this put some of the energy needs for the country at risk in the coming years?

M. Tolmasquim: Well, as in any other lawsuit, the judicial power has the final word.
We believe that the portfolio for the Belo Monte project is strong enough in order for us to actually have a favorable decision in court. Of course, the final word comes from the judicial power.
In relation to Brazilian energy needs, I have to say that the country has a surplus into 2014 of 5,000 average megawatts, which takes into consideration a 5% GDP growth rate per year. In other words, the surplus that Brazil has actually allows the country to grow 7% per year regardless of energy.
And, of course, Belo Monte is important, however, there are other sources that Brazil can turn to in order to ensure energy supply.
However, we are actually quite confident that Belo Monte's construction will actually begin as planned to ensure that we don't actually have to reduce our surplus supply.

Gustavo Faleiros: Yes, it's a follow-up as well. On this matter of the final word being a judicial word, I would like to know the opinion of Mauricio about the opinion of IBAMA. What happens if IBAMA doesn't actually approve the conditions - as they still are not approved - and what happens with the license itself?

M. Tolmasquim: IBAMA is a sovereign body, therefore, they have the final word on the licensing matters. So if IBAMA decides that the conditions are not actually fitting as far as being able to grant a license, then either the project is cancelled or perhaps postponed until alterations can be made to meet the conditions.

Ken Rapoza: Okay. Yes, I heard Tolmasquim say that there were 5,000 people that had to be relocated. I thought it was 20,000 so I wanted some clarification on that.

M. Tolmasquim: Five thousand families.

Ken Rapoza: Okay. So that would be about 20,000 people, we'll say. It's about the same.

M. Tolmasquim: It would be about the same, yes.

Uma resposta para “Entrevista de Tolmasquim sobre a UHE Belo Monte para jornalistas estrangeiros”

  1. As vezes eu deparo com alguns amigos, que simplesmente pegam carona em alguns comentários espalhafatosos, e saem pregando contra, seja lá o quê for,se inscrevem como participantes, tentam convencer, mas não sabem nada, quando são questionadas sobre seus argumentos, e não tem como contra argumentar,…..
    Eu me pergunto “sera que as pessoas estão perdendo o poder de pensar? de fazer uma análise mais aprofundada sobre os assuntos ? de se deixar levar por tão pouca coisa?
    Tem muita gente contra nosso desenvolvimento, e que se dizem dono do que é nosso, é o cumulo do absurdo !!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Os moradores do bairro Laranjeiras agora têm atenção básica pertinho de casa com a inauguração da Unidade Básica de Saúde construída pela Norte Energia. Entregue totalmente equipado pela empresa desde o final de 2015, o prédio foi ativado oficialmente pela Prefeitura Municipal de Altamira para atender a população no dia 6 de setembro. A unidade possui novo padrão recomendado pelo Ministério da Saúde e está pronta para uma cobertura de atendimento de até 12 mil pessoas. “Com a inauguração da unidade básica do laranjeiras, a Norte Energia completa a sua contribuição para a rede de atenção primária de saúde em Altamira com sete unidades básicas, das 30 entregues pela empresa aos municípios da região”, ressaltou o gerente de saúde da Norte Energia, José Lázaro de Brito Ladislau, que representou a empresa durante a inauguração.O Laranjeiras é um dos cinco Reassentamentos Urbanos Coletivos (RUC) previstos no Projeto Básico Ambiental da Usina Hidrelétrica Belo Monte. Atualmente, residem o bairro 539 famílias no bairro, a maioria transferida das áreas de baixios e margens dos igarapés que alagavam durante as cheias do Xingu. O bairro, como os outros quatro, conta com infraestrutura completa, como escola de ensino fundamental, quadras esportivas, Barracão de Uso Múltiplo (BUM), asfaltamento, iluminação pública e redes de água e esgoto.
  •  Depois de 21 anos de fundação no município de Altamira, a Associação de Pais e Amigos de Excepcionais (APAE) terá sede própria para realizar o atendimento pedagógico e terapêutico, desenvolver atividades culturais, esportivas e de lazer para cerca de 230 crianças. A nova “casa” será na antiga sede escritório da Norte Energia, no bairro Jatobá. Nesta quarta-feira, 17 de agosto, a empresa entregou à entidade o prédio construído em área de cerca de 1,3 mil metros quadrados.“É um presente inesquecível para a APAE de Altamira. Há 18 anos estamos em um galpão de forma improvisada, numa área que não é nossa. Agora poderemos melhorar o atendimento às crianças inclusive com convênios com o governo federal para atendimento clínico, que hoje é feito somente por voluntários”, comenta o presidente da Associação, Antônio Lessa. Fundada em 25 de março de 1994, a APAE de Altamira é a maior instituição de atendimento integral à pessoa com deficiência intelectual e múltipla na região da Transamazônica e Xingu. A entidade também recebe moradores dos municípios de Anapu, Brasil Novo, Gurupá, Medicilândia, Porto de Moz, Senador José Porfírio, Uruará, Vitória do Xingu e até de outros estados. A entidade oferece a crianças e adolescentes com diferentes níveis de deficiência atividades pedagógicas e culturais, além de Fisioterapia, Fonoaudiologia, Odontologia, Equoterapia, Hidroginástica e recreação. Atualmente, os atendimentos são realizados em um prédio cedido pelo clube social Assembleia Altamirense. “O novo prédio é muito bem-vindo e exigirá adequações mínimas para instalar o atendimento e a parte administrativa da APAE Altamira”, destaca Antônio.    
  • Um dos maiores desafios para construção da Usina Hidrelétrica Belo Monte, sem dúvida, é gerar energia de forma limpa e sustentável em uma região rica em biodiversidade e densamente povoada, o que contraria o senso comum de uma Amazônia quase vazia de gente, marcada por uma paisagem dominada apenas pela natureza. Os estudos anteriores ao empreendimento e todas as obrigações impostas ao empreendedor, no âmbito do licenciamento ambiental, levam em consideração o componente humano nessa empreitada complexa que é construir uma hidrelétrica do porte de Belo Monte no Rio Xingu, no Pará. Os debates e estudos de mais de 30 anos sobre Belo Monte foram ainda fundamentais para apontar novas soluções para relocar as populações que possuíam propriedades, nas áreas declaradas como de utilidade pública pela União, para formação dos reservatórios do empreendimento, também possível com o avanço da legislação ambiental e a valiosa contribuição da sociedade civil. A Norte Energia, responsável pelas obras de Belo Monte, assumiu o compromisso de realizar as relocações de parte da população de Altamira e região obedecendo a todos os trâmites legais e o preconizado pelo Projeto Básico Ambiental (PBA), um conjunto de diretrizes amplamente debatido pela sociedade e aprovado pelo órgão licenciador do empreendimento – o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (IBAMA). Um trabalho iniciado com o Cadastro Socioeconômico que registrou quase 10.000 famílias nas áreas urbanas e rurais do reservatório, cada uma delas representando uma diferente história de vida. A crítica construtiva e participativa ao trabalho da Norte Energia é bem-vinda e necessária para avanços nas práticas socioambientais atuais de empreendedores do setor elétrico e para obras futuras na Amazônia ou em outra parte do Brasil. É o contraponto ao trabalho que resultou em ajustes no processo de relocações, solicitados pelo IBAMA para concessão da licença de operação de Belo Monte, em novembro de 2015. O órgão determinou, por exemplo, a reocupação de ilhas e “beiradões” do Rio Xingu após a formação do reservatório da usina a fim de recompor o modo de vida tradicional das famílias que viviam às margens do rio e dele dependiam. É nessa reocupação que cabe um detalhamento sobre o trabalho que está sendo realizado pela Norte Energia, principalmente, para não haver distorções e injustiças por parte de opositores históricos ao empreendimento que pretendem influenciar a opinião pública. Expressões como “drama dos ribeirinhos” e anúncios catastróficos de “êxodo” em massa das populações tradicionais do Rio Xingu estão sendo utilizados para descredenciar um trabalho minucioso de diagnóstico socioeconômico da população atendida e das negociações entre a empresa e as 219 famílias cujos casos estão sendo revistos para atendê-las adequadamente de acordo com os critérios do PBA do empreendimento. As famílias que estão em renegociação estão inseridas nas negociações finalizadas em 2015, as quais resultaram na aquisição de outros imóveis rurais, na indenização dos imóveis desapropriados ou na transferência para os lotes dos Reassentamentos Rurais Coletivos ou Reassentamentos Individuais em Área Remanescente. A determinação do IBAMA para realizar as reocupações nas áreas do reservatório já formado, com ênfase na recomposição do modo de vida tradicional desses moradores, incluiu a participação direta e decisiva das lideranças ribeirinhas, organizações não-governamentais, órgãos como a Secretaria Geral da Presidência da República, IBAMA, Defensoria Pública da União, Secretaria do Patrimônio da União (SPU) e demais entidades, incluindo o Ministério Público Federal (MPF). O universo de famílias com o qual a Norte Energia vem trabalhando é fruto de pesquisa realizada pela empresa em 2015, e submetida à validação dos atores acima referidos, por meio dos chamados Diálogos Ribeirinhos. Fundamentalmente, o critério para os atendimentos é baseado no Cadastro Socioeconômico e as evidências nele registradas da prática da pesca comercial ou de subsistência, no desenvolvimento de atividades agroextrativistas e na existência de Termo de Autorização do Uso Sustentável emitidos pela SPU. Os Diálogos Ribeirinhos, espaço para o diálogo franco e aberto entre ribeirinhos, entes governamentais e não-governamentais e a Norte Energia para tratar da reocupação das áreas do rio Xingu, iniciou em julho de 2015, em reuniões gerais e depois com oficinas e grupos de trabalho menores, formados a partir de afinidades e interesses comuns das famílias. Coordenado pelo Governo Federal, esse trabalho foi fundamental como preparação para as negociações, retomadas em junho deste ano de 2016, depois de suspensas inúmeras vezes a pedido do IBAMA. Até o momento, as negociações avançaram com 60 com famílias, as quais foram atendidas com reassentamento em ilhas remanescentes, em áreas remanescentes emersas, em Áreas de Preservação Permanente ou Pontos de Apoio de Pesca. Aos já contemplados está sendo oferecida uma verba de transição e um kit habitacional, que corresponde a uma casa de madeira de 63 m2. A Norte Energia chama atenção para um fator preponderante na reocupação das áreas do reservatório para garantir a manutenção do modo de vida tradicional ribeirinho: cada caso tem suas especificidades e a empresa está levando em consideração a história de vida e seus modos de produzir e se sustentar, de cada uma das famílias em negociação. Outras ações importantes para esse público são os projetos complementares que serão implementados – os projetos de Reparação, de Atendimento Psicossocial e de Fortalecimento da Agricultura Familiar (com ênfase no agroextrativismo e na pesca) já previstos no PBA. As ações já são desenvolvidas pela Norte Energia e serão realizadas também para essas famílias assim que as ilhas e “beiradões” do Rio Xingu estiverem efetivamente ocupadas pelos moradores beneficiados. A Norte Energia reforça que o trabalho de reocupação das ilhas e “beiradões” está sendo realizado de forma transparente, com acompanhamento da sociedade civil organizada e do IBAMA. As negociações com as famílias estão transcorrendo dentro da legalidade e em obediência às orientações do órgão licenciador. A participação da sociedade no processo é fundamental, assim como a difusão dos reais procedimentos aplicados pela empresa nas negociações, a fim de não criar um clima de animosidade ou desconfiança entre as partes, ou ainda, reinterpretar os avanços conquistados em torno do projeto Belo Monte como prejuízos e um “drama” para as populações tradicionais.
  •  A praia da Orla de Altamira está sinalizada para garantir a segurança dos usuários. A praia é um dos pontos de lazer e convívio mais populares da cidade, construído pela Norte Energia. A sinalização temporária foi concluída no dia 20 de junho em acordo com a Capitania dos Portos, Corpo de Bombeiros e Prefeitura Municipal de Altamira. Agora, crianças e adultos podem usar a área de banho à vontade, sem se preocupar com o tráfego de embarcações no local.Dentro de 60 dias será instalada a sinalização definitiva da praia da orla. O prazo está ligado ao trâmite regular para elaboração do projeto técnico para instalação e liberação dos órgãos oficiais, que tratam da segurança fluvial. Também ganharão sinalização as praias do Massanori e do Adalberto (Assurini), também construídas pela Norte Energia. A sinalização definitiva possui indicadores horizontais e verticais, inclusive noturnos. As praias construídas pela Norte Energia são parte do Projeto Básico Ambiental (PBA) da Usina Belo Monte. Com um investimento de R$22 milhões, os novos espaços de lazer somam mais de 800 metros, podendo abrigar cerca de cinco mil pessoas, simultaneamente. A praia da Orla hoje é um dos espaços mais frequentados pela população, o que significa que a obra está integrada à cidade e bem aceita pelos usuários.
  • Os agricultores em Vitória do Xingu participaram de mais uma edição do Dia de Campo, evento realizado pela Norte Energia em parceria com a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (EMATER-Pará) e apoio da prefeitura do município.  A programação reservou um dia inteiro para que os participantes aprendessem novas técnicas e compartilhassem experiências sobre o cultivo da mandioca com produtores beneficiados nos projetos de Reassentamento Rural Coletivo (RRC) e Relocação por Carta de Crédito, ações previstas no Projeto Básico Ambiental (PBA) da Usina Hidrelétrica Belo Monte. O evento foi realizado na propriedade de Juventino Moraes, que hoje serve como modelo produtivo para agricultores da região, no Travessão 55 da Rodovia Transamazônica. A ideia era repassar conhecimento sobre o Cultivo da Mandioca em Sistema Semimecanizado. O Dia de Campo também apresentou aos produtores a Agroindústria de Processamento de Mandioca (Farinheira da Baixada), administrada por uma cooperativa local, com apoio da Secretaria Municipal de Agricultura de Vitória do Xingu (SEMAGRI). Mais sobre o Dia de Campo você lê no site da Norte Energia clicando aqui.
  • No segundo semestre deste ano, Altamira ganha seis escolas novas, mobiliadas e equipadas, que beneficiarão 3.290 alunos. É mais uma das ações previstos no Projeto Básico Ambiental da Usina Hidrelétrica Belo Monte, compromisso cumprido pela Norte Energia.As escolas dos bairros São Joaquim e Jatobá foram as primeiras a serem concluídas. No São Joaquim, o estabelecimento é direcionado à Educação Infantil e ao Ensino Fundamental, enquanto no Jatobá é voltado ao Ensino Fundamental e Médio. Ainda no bairro Jatobá foi construída uma creche, com capacidade para 100 alunos. Já nos bairros Água Azul, Casa Nova e Laranjeiras os estabelecimentos são destinados à Educação Infantil e Fundamental. A Norte Energia também é responsável pela aquisição de 1.939 carteiras escolares, 99 armários de aço, 140 computadores e 70 bancadas para laboratório de informática - equipamentos e mobiliário distribuídos entre os seis estabelecimentos. Para assegurar o conforto térmico dos alunos, também foram adquiridos 174 condicionadores de ar. Leia mais sobre as ações de Educação aqui.
  • O município de Altamira, na Área de Influência Direta da Usina Hidrelétrica Belo Monte, recebeu, no dia 19/05, um novo Centro de Apoio em Diagnóstico, reformado e ampliado com recursos da Norte Energia. Na cerimônia de reinauguração, moradores, profissionais da saúde e autoridades locais comemoraram a entrega da obra e visitaram as novas instalações do prédio.Com uma área total de 543 m², a nova unidade de saúde passará a ser referência em realização de exames e atendimento preventivo na região. A reforma do Centro Diagnóstico Nazira Mansour Abucater foi um projeto financiado pelo Plano de Desenvolvimento Regional Sustentável do Xingu – PDRSX, com recursos da Norte Energia. A reforma e readequação do prédio vai possibilitar a oferta de um maior número de exames, com mais agilidade e conforto, fortalecendo as ações de diagnóstico preventivo, com enfoque na prevenção do câncer do colo uterino e câncer de mama. No novo espaço serão ofertados exames como teste do pezinho, fluxograma/PCCU, raio X, ultrassonografia, urianálise, microbiologia, bioquímica e tratamento de tuberculose. Com um investimento de R$ 714.460, a obra foi proposta pela prefeitura do município, através de seus representantes na Câmara Técnica de Saúde do Comitê Gestor do PDRS do Xingu. Somado a essa obra, a Norte Energia já investiu, através do PDRS do Xingu, mais de R$ 37,9 milhões em 62 projetos de Saúde nas áreas de influência direta e Indireta de Belo Monte.
  • A Norte Energia realizou o I Encontro Intercomunitário da Usina Hidrelétrica Belo Monte, no dia 27/02, no Barracão de Usos Múltiplos, no bairro Jatobá. A empresa apresentou as ações dos projetos que visam recompor modos de vida da população beneficiada com relocação assistida por Carta de Crédito e dos moradores dos novos bairros construídos pela Norte Energia na cidade. O Encontro é mais uma ação para contribuir para a integração das famílias atendidas, localizadas na área urbana e rural dos municípios de Altamira, Anapu, Brasil Novo, Medicilândia, Senador José Porfírio e Vitória do Xingu. Assista ao vídeo: [youtube_sc url="https://www.youtube.com/watch?v=UI2yORXhVq4&feature=youtu.be"]  
  •  Lançada no dia 5 de maio deste ano, no evento da inauguração da Hidrelétrica Belo Monte, a nova logomarca da Norte Energia representa uma nova etapa: o ano de geração da maior hidrelétrica 100% brasileira. Fruto da percepção e talento, a criação da “nova logo” tem como fonte a visualidade gráfica do curso do Rio Xingu, na Volta Grande, que representa a Norte Energia, com o “N” bem visível na ilustração gráfica natural da região.O elemento gráfico que percorre o curso do Rio Xingu, representa o grande sistema de geração de energia limpa e renovável, adequado aos princípios de sustentabilidade e baixo impacto socioambiental. São três grandes obras de engenharia – Sítio Belo Monte, Canal de Derivação e Sítio Pimental com investimentos em inovação tecnológica desenvolvidas para um conjunto integrado, representado pelas três linhas que formam a letra “N”. Além disso, ao utilizar apenas uma cor e com espaços vazados, a nova logomarca da Norte Energia diminui o uso de insumos em impressão e em outras aplicações, estando adequada aos princípios da sustentabilidade. A nova logomarca deverá ser aplicada em todos os materiais NOVOS como por exemplo, materiais digitais, impressos, uniformes, placas, adesivos, dentre outras aplicações.
  • Contribuir com o desenvolvimento de práticas ambientais sustentáveis no Pará é o objetivo da peruana Karina Moreya, no Brasil há 18 anos, dos quais 12 meses na cidade de Altamira. Ela é professora efetiva da Universidade do Estado do Pará, onde atua como Coordenadora Adjunta do Curso de Engenharia Ambiental. Em abril deste ano, a turma de estudantes do 4º ano de engenharia da UEPA, sob coordenação de Karyna, esteve na área chamada Bota Fora do Lessa, no bairro Laranjeiras, junto com equipe multidisciplinar da Norte Energia para recuperar a área degradada. A coordenadora explica que a atividade de plantio de diversas mudas no bota fora realizada em parceria com a Norte Energia foi uma grande oportunidade para os alunos de colocarem em prática o que aprenderam na disciplina de Recuperação de Áreas Degradadas. “Foi importante a atividade como um todo, com destaque à importância de todos os atores envolvidos dentro de um projeto de recuperação de áreas degradadas e o envolvimento de diferentes áreas de conhecimento que requer um trabalho de mitigação de impactos”, afirma. Mais de 300 mudas de diferentes espécies dentre as quais Ipê Roxo, Cedro, Bacuri e Açaí, produzidas no CEA, foram plantadas no Bota Fora para regenerar totalmente a área que, no período de construção do bairro, havia sido utilizada para receber solo e outros resíduos de supressão vegetal, que não haviam sido utilizados na obra. Segundo a professora, com essa atividade prática, os alunos passam a adquirir amplo conhecimento sobre a área socioambiental, de forma a contribuir para o desenvolvimento educacional das ciências ambientais. “Principalmente na área de gestão ambiental ao vivenciar o trabalho desenvolvido pelos gestores no projeto. Este tipo de informação só foi possível adquirir através desta atividade”, avalia.











© Desenvolvido por santafédigital. Uma empresa do grupo santafé.