en     pt
notícias > Notícias
Entrevista de Tolmasquim sobre a UHE Belo Monte para jornalistas estrangeiros
Postado em 21/02/2011

Presidente da Empresa de Pesquisa Elétrica (EPE), Maurício Tolmasquim, participa de videoconferência para jornalistas estrangeiros para explicar o projeto Belo Monte e informar sobre as iniciativas socioambientais do empreeendimento.

Íntegra da entrevista transcrita em inglês aqui.

Transcript: conference call with Mauricio Tolmasquim on Belo Monte Dam Project
Teleconference held by the president of Brazil's Energy Company (EPE) to international media.

Moderator: Good morning everyone, and thank you for joining us for today's call with Mauricio Tolmasquim, the president of Brazil's Energy Research Company, EPE. Mr. Tolmasquim is with us today to provide updates and answer questions about Brazil's Belo Monte hydroelectric dam project. Mr. Tolmasquim will be providing his remarks in Portuguese, followed by an English translation. The same will be true for the Q&A portion of this call. For the benefit of all participants, we ask that you please direct your questions to Mr. Tolmasquim in English. Now I would like to turn the call over to Mr. Tolmasquim. Sir, please go ahead.

M. Tolmasquim: Good morning everyone. I would like to thank you for the opportunity to clarify any issues related to the Belo Monte plant.
I'd like to say that Brazil, as a country, has one of the most renewable energy matrices in the world, with 90% of power coming from renewable sources, in comparison with the world's average, which is 18%.
As a result of this renewable matrix that we have, as far as energy is concerned, our greenhouse gas emissions are much lower than the rest of the world, particularly because of our consumption and production, which basically leads Brazil to consume less energy. For example, as far as consumption is concerned, when compared to the world, Europe emits 110 times more greenhouse gases than Brazil, while China emits 190 times more, and the United States emits 200 times more than Brazil because of electrical power consumption.

M. Tolmasquim: In order for the Brazilian economy to grow around 5% per year in the next few years, Brazil needs to add 5,000 megawatts per year to its installed capacity.
As far as this projection is concerned, energy conservation measures have already been taken into account. For example, for the next 10 years, the effect of these energy conservation actions will have the same effect as the actual production expected for Belo Monte.
Part of this strong need to expand the electrical power sector is justified because of the low consumption rates in Brazil. For example, the per capita household consumption of electricity in Brazil is still very low. For you to have an idea, the per capita consumption of electricity in Russia is 50% more than in Brazil; in the United Kingdom, three times as much as in Brazil; and in the United States, it's eight times as much as in Brazil. In other words, despite increasing energy efficiency, in order for us to be able to eradicate or improve social inequality, electricity consumption will have to be increased and therefore, we need to expand the Brazilian electrical system.
Belo Monte allows Brazil to achieve two objectives. First, it manages to meet the energy needs of the country, which will foster growth in development; while at the same time maintaining low levels of greenhouse gas emissions.
For example, in order for us to replace the Belo Monte plant for thermal power plants, our emissions would be, for the same energy generated, 19 million tons of CO2 based on natural gas. This 19 million tons of CO2 actually corresponds to more than all electrical sector emissions for 2007.  And this is considering that it would be natural gas, and not coal.
Belo Monte was developed with the aim of bringing the smallest possible negative effects to local communities. And, in fact, the Belo Monte power plant will bring positive effects to the region.
No indigenous land surrounding the area of the project will be flooded. No indigenous community will be moved out of their land.
FUNAI, which is the Brazilian agency that looks after indigenous people, held more than 30 meetings with the different communities with over 1,700 indigenous people. During these meetings, FUNAI was able to explain the project, as well as listen to their concerns and worries about the project.
In relation to non-indigenous communities, our estimate is that only 5,000 families will have to be moved. In other words, this is a very different project from other major projects, such as the Three Gorges Dam project, which was estimated to have relocated one million people.

M. Tolmasquim: Many of the families that will actually be moved as a result of the project live in very precarious conditions. In the region of Altamira, many live in houses that are built over the river - they are almost floating over the river - and for half of the year, they have to leave their houses due to flooding. These families will actually get new houses made from brick and cement, for example.
The city will receive a new sewage system. Water will be treated as well, along with roadway infrastructure and urban improvements.
The investors are going to invest somewhere around R$ 3.3 billion as social and environmental compensation. And this is actually equivalent to 19 times the actual total budget for the state of Pará. And these resources will be directed only to the region linked with Belo Monte; in other words, surrounding Belo Monte.
In addition, the federal government is going to implement a regional sustainable development plan for the Xingu region. In other words, the public branch will bring more financial resources to the region.
The benefits of Belo Monte are not just social, but environmental as well. Conservation areas will be created in an area called Volta Grande in Xingu, and on the right side of the area as well, on the actual riverbank. The degraded areas will be recovered.
In conclusion, I would say that Belo Monte is much more than just a mere electrical power plant, but a driving force for sustainable development in the region.
That concludes my opening remarks and I am now here at your service to answer any questions that you may have.

Operator: Our first question is from the line of Paulo Winterstein with Dow Jones Newswires.

Paulo Winterstein: Hi, Mr. Tolmasquim. You mentioned if Belo Monte would be replaced with thermal plants, but a lot of the criticism of Belo Monte is that smaller hydroelectric plants would perhaps be more efficient and have less of a negative impact. I just wanted to ask: how do you respond to criticisms that smaller plants would be more effective?
And second, that while the capacity of Belo Monte is about 11,000 megawatts, average output would be, I think 3,000 or 4,000, and some people have said that in extraordinarily dry years, three-fourths of the year, the dam actually wouldn't produce any energy at all because of low water levels.

M. Tolmasquim: In relation to small electrical power plants in Brazil, we consider a small power plant to be one that actually generates 30 megawatts. The thing is that we would need more than 300 smaller power plants in order to be able to supply the same amount of energy as Belo Monte. And 300 plants in the Amazon would probably have a much more negative environmental effect than just one large one.
In relation to the effective generation in installed capacity, I would like to mention that, really, no plant actually generates the maximum permitted capacity. In Europe, for example, the relation between energy production and the actual installed capacity is around 35% or 40%.
In Belo Monte we have 40%. The average in Brazil is around 55% and thus, Belo Monte is a little bit below the national average. However, there are reasons for this. One of the main reasons is related to the need for ensuring that energy generation is compatible with the environment.
In order for Belo Monte to generate more, we would need a much bigger reservoir. It would also be necessary for us to build other plants on the Xingu River. It would also be a problem because we would not be able to ensure that the indigenous communities would have water in the Xingu region.
Both of these possibilities are unacceptable for us because we believe that Brazil cannot explore its hydroelectric power potential by creating these kinds of situations.  Therefore, we prefer to not necessarily achieve all of this output, but preserve the sustainability in the region.
The good news is that even without this additional energy output, this power plant continues to be incredibly competitive. And how can we prove this? By comparing the value of megawatts generated.
The cost of generating energy through Belo Monte is around half of the cost of other renewable sources, thermal sources, among others.

Ken Rapoza: How much will Belo Monte lower the cost of energy/electric power for mining operations in Pará? And if so, how important is Belo Monte for mining in the State?

M. Tolmasquim: It is important to point out that 70% of the energy generated at Belo Monte will be for the regular market, or in other words, the electricity distributing companies.
Thirty percent of this energy is basically left for the free market, where you have all different kinds of industries involved. A small part of these industries could be mining

M. Tolmasquim: companies, but at the moment, we do not know which ones, or how many. Therefore, we cannot guarantee that mining companies will be receiving this electricity.

Gustavo Faleiros: Good morning. Mr. Mauricio, just one point of clarification. So it's for sure that there will be no more in Xingu River as there is a legal commitment to not build more dams besides Belo Monte? And my actual question is about the emissions from the dam.  What do we know about the methane emissions that will be caused in the reservoir?

M. Tolmasquim: Well, there was a decision made by the National Energy Policy Council which established that no more power plants would be built in the Xingu River, and in order for this resolution to actually come in effect, it is signed by the President of the country and, thus, it has very high legal status.
In relation to the emissions from Belo Monte, what I can say is that they will be practically nil because of two reasons. First, it is a runoff river power plant, therefore, it doesn't have a reservoir. Furthermore, in order to avoid methane gas emissions from decomposing vegetation, for example, 100% of the vegetation will be removed from the reservoir canals. Therefore, the emissions from Belo Monte should not be any different than the emissions that we already see being emitted by the river.

Zachary Hurwitz: Thank you. According to a recent article in the Journal of Science, reservoir storage capacity in the Amazon is decreasing due to climate-related drought, and we saw evidence of this last year in the worst ever drought on the Rio Negro, five years after the worst ever drought on the Rio Madeira. I'd like to hear how Mr. Tolmasquim justifies building the Belo Monte given this fact.

M. Tolmasquim: The effect of climate changes on the river's outflow basically are data that have not actually been proved yet.  And in addition, the studies conducted in Brazil in relation to the eventual effects of climate change also pointed to a reduction in wind. These studies actually consider a horizon of 100 years. Let's suppose that, indeed, we do see these reductions in the next 100 years - we feel that this is something that should not stop us from building, for example, wind power plants, and thus we continue to build electrical power plants.
We also consider that in the next few years, water-generated electricity, and of course, wind-generated electricity, can contribute very much to reduce greenhouse gas emissions, even if we do end up seeing in 100 years' time a reduction of the rivers and wind.

Nadia Pontes: Yes, Belo Monte seems to be the only way out for the government. I was going to ask about the wind turbines you just mentioned. Is Belo Monte actually the only way out for the government, or why not more investment in wind turbines?
And the second question. There are, I think, nine processes, and the Pará state is trying to stop the project. Is the government in a hurry to do Belo Monte? Why is the government not listening to these people in Pará?

M. Tolmasquim: Brazil considers it necessary to have many different alternatives for generating electricity and Belo Monte is just one of these alternatives.
Brazil has a great potential for wind and biomass-generated electricity. In the last few years, Brazil contracted 10,000 megawatts from biomass and from wind-generated electricity, which would correspond to one Belo Monte power plant.
Brazil is actually a very fortunate country because it can use water, wind and biomass energy as a complement to its energy matrix. For example, in Europe, wind energy is complemented by thermal energy. While in Brazil, wind power is a partner of water power. Therefore, our issue here is really not whether it is wind or water-generated electricity, but wind plus water-generated electricity.
In relation to the legal action against Belo Monte, it is important to point out that there was a very thorough process to actually hear the local community.
During the development of the environmental impact study, we had 12 public meetings; ten workshops with the community; 14 technical forums, four of which were held in Belém, which is the capital city of that State; 30 meetings in indigenous villages with participation of approximately 1,700 indigenous people; a visit by the media agents and social communication agents to around 5,300 families; 61 meetings with communities, with an attendance of 2,100 people; ten lectures at primary and lower secondary education schools to around 530 students; and four public hearings which were promoted by IBAMA. And in Altamira, one of these public hearings had an audience of 6,000 people, which made it the biggest ever public hearing in the history of Brazil.
Brazil is a democratic country, where it is very important for us to have these discussions. But at some point, a decision does need to be made. Listening to the stakeholders, for example, is incredibly important because the project was actually changed as a result of this conversation that was held with the local community.

M. Tolmasquim: For example, we had originally projected to build many different plants in the Xingu River, and thanks to the actual local populations' opinion on this matter, only Belo Monte is going to be built.  In the original project, the reservoir for Belo Monte was actually three times bigger than the actual reservoir that is going to be built now. Therefore, Belo Monte is actually the result of local social participation.
Like any other venture, there is always a small minority that is against it and doesn't actually want any kind of power plant at all. However, in a democratic society, this position cannot actually stop the government from providing a solution that is going to be beneficial to the country and the region.

Paulo Winterstein: Hi. I just had a question following on the reporter from the Deutsche Welle. With the lawsuits from public prosecutors, is there a risk that the January 2015 deadline won't be met, and does this put some of the energy needs for the country at risk in the coming years?

M. Tolmasquim: Well, as in any other lawsuit, the judicial power has the final word.
We believe that the portfolio for the Belo Monte project is strong enough in order for us to actually have a favorable decision in court. Of course, the final word comes from the judicial power.
In relation to Brazilian energy needs, I have to say that the country has a surplus into 2014 of 5,000 average megawatts, which takes into consideration a 5% GDP growth rate per year. In other words, the surplus that Brazil has actually allows the country to grow 7% per year regardless of energy.
And, of course, Belo Monte is important, however, there are other sources that Brazil can turn to in order to ensure energy supply.
However, we are actually quite confident that Belo Monte's construction will actually begin as planned to ensure that we don't actually have to reduce our surplus supply.

Gustavo Faleiros: Yes, it's a follow-up as well. On this matter of the final word being a judicial word, I would like to know the opinion of Mauricio about the opinion of IBAMA. What happens if IBAMA doesn't actually approve the conditions - as they still are not approved - and what happens with the license itself?

M. Tolmasquim: IBAMA is a sovereign body, therefore, they have the final word on the licensing matters. So if IBAMA decides that the conditions are not actually fitting as far as being able to grant a license, then either the project is cancelled or perhaps postponed until alterations can be made to meet the conditions.

Ken Rapoza: Okay. Yes, I heard Tolmasquim say that there were 5,000 people that had to be relocated. I thought it was 20,000 so I wanted some clarification on that.

M. Tolmasquim: Five thousand families.

Ken Rapoza: Okay. So that would be about 20,000 people, we'll say. It's about the same.

M. Tolmasquim: It would be about the same, yes.

1
comentários


Uma resposta para “Entrevista de Tolmasquim sobre a UHE Belo Monte para jornalistas estrangeiros”

  1. As vezes eu deparo com alguns amigos, que simplesmente pegam carona em alguns comentários espalhafatosos, e saem pregando contra, seja lá o quê for,se inscrevem como participantes, tentam convencer, mas não sabem nada, quando são questionadas sobre seus argumentos, e não tem como contra argumentar,…..
    Eu me pergunto “sera que as pessoas estão perdendo o poder de pensar? de fazer uma análise mais aprofundada sobre os assuntos ? de se deixar levar por tão pouca coisa?
    Tem muita gente contra nosso desenvolvimento, e que se dizem dono do que é nosso, é o cumulo do absurdo !!!!!

  • Transportar uma peça de 320 toneladas já é uma aventura por si só. Agora imagine transportar uma peça desta dimensão de São Paulo ao coração da Amazônia. É este o desafio logístico que será cumprido em cerca de três meses quando a roda da turbina da primeira unidade geradora da Casa de Força Principal da Usina Hidrelétrica Belo Monte chegar à Vitória do Xingu, no Pará. A peça saiu no dia 25 de novembro da cidade de Taubaté (SP), em um caminhão especial, de 32 eixos e 256 pneus, e vai percorrer 5.269 quilômetros até chegar ao destino final. Veja a rota do equipamento no infográfico abaixo.
  • A roda de turbina Francis da Unidade Geradora Número 1 do Sítio Belo Monte é uma das maiores produzidas no mundo e a mais pesada já fabricada no Brasil. Ela começou a ser construída em julho de 2013, depois de passar por um processo de validação hidráulica. Os testes com um modelo reduzido foram feitos em um laboratório em Grenoble, na França.   Saiba mais sobre a chegada dessa turbina, AQUI.  
  • Para que servem os fósseis? Fósseis são vestígios de animais e vegetais preservados ao longo de milhões de anos e indicam como era a vida na Terra antes mesmo da aparição dos seres humanos. Nas rochas está a chave do complexo quebra-cabeça que revela como era o planeta no princípio de tudo. Nesta busca, a Usina Hidrelétrica Belo Monte tem contribuído muito para que a Ciência responda muitos dos enigmas da pré-história. Quem explica esta contribuição é a paleontóloga Maria Inês Ramos, pesquisadora do Museu Paraense Emílio Goeldi, instituição com tradição de mais de 150 anos nos estudos de fósseis na Amazônia. Ela supervisiona o Programa de Salvamento Paleontológico desenvolvido pela Norte Energia como parte do Projeto Básico Ambiental do empreendimento que já resultou na coleta de 2.800 amostras de fósseis nas áreas dos futuros reservatórios do empreendimento. Num fim de tarde de novembro, Maria Inês, de capacete, botas e colete sinalizador, está a poucos metros da frente de trabalho onde é erguida a Casa de Força Principal de Belo Monte (11 mil MW de potência instalada). O que faz uma cientista vestida de operária no canteiro de obras da maior hidrelétrica 100% nacional? Simples! Ela acompanha com atenção o resgate de fósseis escondidos nas rochas sedimentares, como o que o coordenador do trabalho, o paleontólogo Henrique Tomassi, acaba de encontrar. Era mais uma peça para o acervo enviado esta semana a Belém pela Norte Energia para ser incorporada ao rico acervo paleontológico do Museu Goeldi. “O trabalho feito em Belo Monte contribui para fomentar a formação de profissionais de Paleontologia na região. Com esse acervo, muito mais gente vai se interessar pelos estudos paleontológicos. Isso ajuda a montar o quebra-cabeça sobre a evolução dos seres vivos na Amazônia”, explica.Maria Inês lembra que a pesquisa científica ajuda a compreender como uma região tomada por um mar gelado há 419 milhões de anos se tornou uma área de floresta tropical, como é hoje o Xingu. “O material encontrado em Belo Monte servirá a cientistas do Museu Goeldi, mas não só. Somos uma instituição de referência com parcerias com universidades brasileiras, como a de Brasília, mas também internacionais, como institutos da Áustria, Holanda e Inglaterra”, destaca. Maria Inês ressalta o excelente estado de preservação das peças encontradas na área da Usina. Ela deve estudar as amostras de micro fósseis, sua área de interesse. O resgate paleontológico em Belo Monte continuará em 2015, revelando novas peças do imenso e fabuloso quebra-cabeça pré-histórico da Amazônia.
  • O espaço de convivência do bairro Jatobá se transformou em sala de aula do Programa Cozinha Brasil nesta terça-feira (18/11). O objetivo? Ensinar aos moradores de um dos cinco novos bairros que estão sendo construídos em Altamira pela Norte Energia técnicas de alimentação nutritiva e saudável. E, o que é mais importante para o orçamento doméstico, com redução de desperdícios. O primeiro dia foi dedicado à parte teórica. Atenta às informações repassadas pela professora, dona Lucila da Cunha, 52 anos, não escondia a satisfação com a novidade. “Fazer esse curso vai ser muito bom pra aprender a aproveitar todos os alimentos”. E, antes mesmo de chegar à parte prática do curso, antecipou: “vou levar as receitas que ensinarem aqui pra casa e quem não gostar vai ficar com fome”. Dona Lucila usou a oferta do curso para explicar o que mudou em sua vida desde 1º de março deste ano, quando se mudou da casa de madeira em que vivia na região conhecida como Invasão dos Padres para o Jatobá. “Estou muito feliz. Agora é vida nova. Mudou tudo pra melhor”.Os cursos do Programa Cozinha Brasil, desenvolvidos pelo Sesi, são oferecidos gratuitamente aos moradores do bairro por meio de parceria da Norte Energia e da Secretaria Municipal de Trabalho e Promoção Social (Semuts). A ação faz parte do Programa de Acompanhamento Social do Projeto Básico Ambiental (PBA) da Usina Hidrelétrica Belo Monte. “É importante apresentar hábitos saudáveis de alimentação para pessoas que necessitam. Aqui, elas estão tendo a oportunidade de mudar literalmente de vida”, afirmou o Superintendente Regional do Sesi, José Olímpio. A segunda etapa será realizada no São Joaquim, de 24 a 27 de novembro. Os moradores podem fazer as inscrições até 21 de novembro no Núcleo de Educação Ambiental do Xingu (Nucleax) do novo bairro, das 9h às 17h. É necessário apresentar um documento com foto.
  • Das 2.746 negociações entre a Norte Energia e os moradores que residem nas áreas historicamente alagadas pelo rio Xingu, 2.659 já foram concluídas, o que corresponde a 97% das negociações realizadas até 12 de novembro. A Empresa, responsável pela construção da Usina Hidrelétrica Belo Monte, também já transferiu 1.062 famílias para os novos bairros que estão sendo construídos em Altamira com recursos do Projeto Básico Ambiental (PBA) do empreendimento. Ao todo serão beneficiadas 4.100 famílias com casas de 63 m2 com sala e cozinha conjugadas, três quartos, sendo uma suíte e banheiro social. Os novos bairros terão estrutura urbana completa com água tratada, esgotamento sanitário, luz elétrica e pavimentação asfáltica. No Jatobá, São Joaquim e Laranjeiras estão sendo construídas unidades básicas de saúde, também com recursos do PBA. O bairro Água Azul será atendido pela nova UBS do Jatobá e o Casa Nova pela unidade do bairro de Santa Ana, com reforma concluída pela Norte Energia.
  • Profissionais qualificados estão deixando as suas cidades. O interior de 9 estados geraram, de janeiro a setembro, quase 413 mil vagas. A Sala de Emprego dessa segunda-feira (3) mostra que há muitas oportunidades de vagas no interior do Brasil e muita gente está deixando as capitais. Nos últimos anos, o perfil desse trabalhador mudou. Hoje quem deixa a cidade natal em busca de oportunidade são profissionais qualificados. As cidades do interior de nove estados geraram, de janeiro a setembro, quase 413 mil vagas, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED). Esses estados são responsáveis por 70% das vagas de todo o Brasil: Bahia, Pará, Ceará, Pernambuco, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul. O PIB do interior cresceu 49% nos últimos dez anos, quase 10 pontos percentuais a mais que o dos grandes centros urbanos. Em 2013, o interior desses estados gerou 552.071 empregos. As principais áreas de contratação são indústria, construção, comércio e serviços. A tradicional agricultura ficou de fora no ano passado.    Sudeste Pesquisa feita por uma empresa de recrutamento com mais de quatro mil trabalhadores mostrou que 88,3% dos entrevistados aceitariam uma proposta para trabalhar no interior de São Paulo. Com mais de 2,6 milhões moradores e 20 municípios, a Região Metropolitana de Campinas foi escolhida por mais de 32% dos entrevistados. Entre os atrativos de Campinas estão a proximidade com a capital paulista, as boas universidades e um pólo industrial maior até do que de algumas capitais. Sozinha, a cidade responde por 15% de toda a produção científica do Brasil. A especialista em tecnologia da informação Andrea Alves não teve dúvida e trocou a capital pela vida no interior. A empresa em que ela trabalha tem hoje 40 vagas abertas. “Eu gastava uma hora do meu trabalho para minha casa e achava isso normal. Aqui no interior tenho chance de morar em uma casa. O mundo era mais confinado lá”, relata. Campinas tem dois parques tecnológicos que empregam 15 mil pessoas. Muitos são estudantes que se formaram na Unicamp. A maior fábrica de computadores do Brasil acabou de ser instalada na cidade e a empresa está procurando profissionais com experiência em desenvolvimento de software, gerenciamento de projetos e pesquisa, engenheiros de ciência e computação. Para alguns trabalhadores, as empresas instaladas no interior são vistas também como uma oportunidade de crescer na profissão e a chance de fazer um plano de carreira. Claudio saiu de São Paulo e chegou a uma indústria em Vinhedo, que tem mais de 350 empresas de médio e grande porte, só com ensino fundamental. Com ajuda do patrão, fez faculdade e hoje ocupa o cargo de gerente de logística. “Tem chance demais, to estudando para isso. Hoje São Paulo para mim é só para ir ver a família mesmo”. Nordeste No Nordeste, o destaque é São Gonçalo do Amarante, no interior do Ceará. O Porto do Pecém atraiu muitas empresas para a cidade. Nos últimos quatro anos, 21,8 mil pessoas foram contratadas com carteira assinada, o que representa quase metade da população da cidade, que, antes, só recebia visitantes durante a alta estação. O gerente de operações Rogério Ribeiro controla a entrada das mercadorias que vêm de outros países para o porto. Por ele passam 50 contêineres por dia e 1,2 mil caminhões por mês. "Essa é uma área que cresce muito, tem empregos de qualidade, bons salários e benefícios", afirma. As obras da companhia siderúrgica que está sendo instalada no local já geraram 10 mil empregos. São operários da construção civil até engenheiros super especializados. No ano que vem, a empresa deve abrir mais sete mil vagas. "Nós já estamos providenciando o transfer de mudança das pessoas e outros atrativos que nós vamos compensar um pouco para pessoa vir trabalhar conosco”, afirma Júlio Castro, gerente de RH. Os salários são bons. Um soldador, por exemplo, chega a ganhar R$ 1,6 mil por mês. Cargos de gerência oferecem até R$ 12 mil por mês. "A remuneração está acima da média que é paga em outros mercados. Isso acaba atraindo profissionais de vários estados, de várias capitais, por conta até mesmo da qualidade de vida”, diz Antenor Tenório, diretor do SINE/IDT. Norte Três cidades do interior do Pará estão gerando mais vagas do que toda a Região Metropolitana de Belém. Desde o início da construção de Belo Monte, em 2011, os empregos se multiplicam. De janeiro a agosto, o município do sudoeste paraense gerou mais de 34 mil postos de trabalho. Segundo o Dieese, a oferta de emprego no interior do Pará está em alta há pelo menos três anos. Em 2013, a região chegou a superar a Grande Belém na geração de postos de trabalho. Das 400 mil vagas abertas em todo o estado, 250 mil foram preenchidas fora da Região Metropolitana. Apenas três municípios - Altamira, Parauapebas e Marabá – concentraram 40% das contratações. Nessas três cidades há grandes projetos nas áreas de mineração, energia e portuária, que somados aos setores de comércio e de serviços, abriram de janeiro a setembro deste ano 70 mil vagas para todos os níveis de qualificação profissional. Destas vagas, oito mil estão só nas obras de Belo Monte. O engenheiro civil Caio Pacheco Torres se formou na Universidade de São Paulo e conquistou o seu primeiro emprego em Belo Monte, onde recebe um salário líquido de mais de R$ 6 mil: "Acho que para sair da universidade nós buscamos desafios e aqui todo dia tem grandes. Você se sente motivado mesmo". Sul A cidade de Santa Maria, no Rio Grande do Sul, se transformou em uma importante cidade universitária e é a terceira cidade exportadora de cérebros, título que recebeu do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), por causa do número de estudantes formados que saem da cidade para trabalhar em todo o Brasil. Santa Maria só fica atrás de São Paulo e do Rio de Janeiro. Ao todo, são sete instituições de ensino superior em uma cidade de apenas 300 mil habitantes. A maior delas é a Universidade Federal que tem um orçamento três vezes maior do que o município inteiro. São quase 30 mil alunos. Em 2013, Santa Maria foi a quarta cidade gaúcha que mais gerou emprego: 2,8 mil, principalmente na prestação de serviços. Centro-Oeste No interior de Mato Grosso do Sul, as duas cidades com mais vagas abertas são Dourados e Três Lagoas. Nos últimos seis anos, Três Lagoas se tornou um pólo para a instalação de indústrias de papel e celulose. As duas maiores empresas da região empregam juntas mais de sete mil trabalhadores. A localização estratégica, na divisa com o estado de São Paulo, foi definitiva para atrair novos investidores. A indústria aquece a contratação no campo. A produção de mudas é um dos setores que mais geram empregos. O auxiliar de serviços gerais Márcio Fernandes chegou do Nordeste há quatro meses para trabalhar em um viveiro de eucalipto: “Não tem muito serviço lá no Piauí, por isso eu vim pra cá. Aqui tem muita oportunidade, bem diferente do Piauí". A 450 quilômetros de Três Lagoas fica Dourados, a segunda maior cidade de Mato Grosso do Sul, região onde o agronegócio é o forte da economia. Na região estão instaladas 16 usinas de açúcar e álcool. Elas processam mais de 80% da cana de açúcar produzida em Mato Grosso do Sul e juntas empregam mais de 16 mil trabalhadores. A íntegra na página do Jornal Hoje
  • A Advocacia-Geral da União (AGU) assegurou, na Justiça do Pará, a validade do licenciamento ambiental da Usina Hidrelétrica (UHE) de Belo Monte, no Rio Xingu/PA. Os procuradores federais comprovaram que as condicionantes para Licença Prévia estão sendo observadas corretamente e que não foi identificado qualquer prejuízo com o empreendimento, como tentou alegar o Ministério Público Federal (MPF). O MPF ajuizou Ação Civil Pública contra o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e a Norte Energia S/A, responsável pelo empreendimento, para anular a licença de instalação emitida pela autarquia ambiental e determinar o cumprimento de todas as condicionantes previstas na licença prévia antes de requerer novamente a licença de instalação para UHE, sob pena de multa diária. Atuando no caso, o Departamento de Contencioso da Procuradoria-Geral Federal (Depcont/PGF), a Procuradoria Federal Especializada junto ao Instituto (PFE/Ibama) e Procuradoria Federal do Estado do Pará (PF/PA) explicaram que a tese de que as condicionantes ambientais da licença prévia teriam que ser cumpridas antes da licença de instalação, não está de acordo com a legislação ambiental e nem com o dinamismo do processo de licenciamento ambiental. Segundo os procuradores, o Ibama analisou corretamente os impactos que irão ocorrer em todas as etapas da construção da hidrelétrica, determinando medidas que, necessariamente, deverão ser cumpridas ao longo do procedimento. De acordo com a AGU, outras decisões judiciais que discutiam o mesmo assunto já haviam confirmado a legalidade das condutas do Instituto. De acordo com a AGU, o artigo 19, I do Decreto 99.274/90, que regulamente a Lei da Política Nacional do Meio Ambiente (Lei 6.938/81), estabelece que a licença prévia deve contar os requisitos básicos a serem atendidos nas fases de localização, instalação e operação. Também ressaltou que o artigo 8º, I, da Resolução Conama nº 237/97 segue a mesma linha, determinando que as condicionantes serão atendidas nas próximas fases de implementação do empreendimento. A PFE/Ibama destacou que para o cumprimento das condicionantes ambientais, o Ibama realizou seminários, vistorias técnicas, elaborou programas ambientais e promoveu todos os ajustes necessários ao Plano Básico Ambiental, que orienta os processos sobre a UHE. Além disso, os procuradores reforçaram que o MPF não comprovou a existência de prejuízos ou irregularidades no processo de licenciamento da Usina de Belo Monte. A Seção Judiciária do Pará acatou os argumentos da AGU e julgou improcedentes os pedidos do MPF. "Não há que se olvidar que as ações antecipatórias, na seara do direito ambiental, encontram-se estritamente vinculadas ao princípio da precaução, isto é, têm por escopo a adoção de providências antecedentes aos impactos ambientais, as quais se mostrem suficientes para minimização ou não ocorrência", diz um trecho da decisão. O Depcont/PGF, a PFE/Ibama e a PF/PA são unidades da Procuradoria-Geral Federal, órgão da AGU. Ref.: ACP nº 0018026-35.2011.4.01.3900 - Seção Judiciária do Pará Fonte: Assessoria AGU











© Desenvolvido por santafédigital. Uma empresa do grupo santafé.