en     pt
notícias > Notícias
Especialistas veem vantagem financeira em construir Belo Monte
Postado em 10/03/2011

Jornal Valor Econômico, em sua edição de hoje, publica matéria assinada pelo jornalista André Borges sobre as vantagens da usina do rio Xingu

De acordo com o artigo, “a ausência – ou mesmo o atraso – da usina de Belo Monte na oferta futura de energia elétrica no país poderia encarecer o custo desse serviço. A conclusão é de especialistas do setor de energia, para quem o Valor perguntou o que aconteceria se o polêmico projeto de Belo Monte não fosse mais levado adiante”.

A matéria alerta que os 11 mil megawatts (MW) da usina já estão contabilizados no Plano Decenal de Energia do governo – ou seja, o país já conta com a geração dessa hidrelétrica para dar conta do consumo do país.

Aqui a íntegra do texto:Jornal Valor Econômico – 10/03/2010

André Borges

Nos cálculos – que deixaram de lado as polêmicas ambientais e se concentraram nos aspectos financeiros – os especialistas consideraram dois cenários diferentes, baseados na utilização de centrais térmicas, que são a alternativa regularmente usada pelo governo para alimentar o sistema energético quando a capacidade hidrelétrica está em baixa. As contas também se basearam nos preços médios atuais das diferentes fontes de energia e na oferta de 4,4 mil MW (40% da potência total), que é a energia firme prevista para Belo Monte.

Os resultados mostram que o preço da conta aumenta, e muito. Se a alternativa adotada fosse a instalação de térmicas a gás e carvão na proporção da capacidade instalada dessas fontes no parque atual – 85% de gás e 15% de carvão – a conta no bolso do consumidor subiria nada menos que R$ 4,6 bilhões por ano. Numa segunda hipótese, onde a energia firme de Belo Monte fosse substituída integralmente por usinas térmicas a gás, o preço anual subiria em mais R$ 5,2 bilhões. Hoje o cidadão brasileiro gasta cerca de R$ 100 bilhões por ano com energia, o que significa que a conta ficaria 5% mais salgada.

Licitada pelo governo em abril do ano passado, Belo Monte deverá iniciar a geração comercial em janeiro de 2015, com motorização total prevista para janeiro de 2019.

Dados da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) apontam que a geração de energia da hidrelétrica tem capacidade de atender 18 milhões de residências (60 milhões de pessoas), o que corresponde a todo consumo residencial da Argentina, de aproximadamente 34 milhões de MW/hora por ano.

Segundo cálculos da EPE, seria necessária a instalação de 19 usinas térmicas a gás (de 500 MW cada) para igualar a produção de energia de Belo Monte. Ao entrar em comparações de ordem ambiental, a EPE estima que, enquanto praticamente não há emissão de gases durante a operação da usina – embora ocorra emissão de gases em decorrência da supressão vegetal – as termelétricas gerariam emissões de 19 milhões de toneladas de gás carbônico por ano.

A previsão do Consórcio Norte Energia, que venceu o leilão de Belo Monte, era ter iniciado as obras da hidrelétrica no ano passado, mas até agora as ações estão emperradas em ações judiciais. Ainda nesta semana o Ministério Público Federal do Pará (MPF) quer entrar com uma ação para tentar derrubar a decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), que liberou na semana passada a instalação do canteiro de obras da usina. “Vamos recorrer da decisão com um agravo regimental no próprio Tribunal Regional Federal”, disse ao Valor o procurador da República Felício Pontes Júnior. “Vamos até o plenário do tribunal para que revejam a posição que foi tomada pelo seu presidente”, afirmou.

Segundo Pontes Júnior, o MPF também enviou uma série de ofícios ao BNDES – que deverá financiar recursos para a construção – com o propósito de evidenciar fatos que, de acordo com o procurador, demonstram a inviabilidade do projeto.

A usina deverá ser construída em uma área atualmente ocupada por cerca de 4,3 mil famílias em zonas urbanas e 800 famílias em zonas rurais. O governo garante que todos os residentes afetados pela construção da barragem poderão optar por indenização de terrenos e benfeitorias em dinheiro, realocação monitorada ou reassentamento. As estimativas indicam que 19 mil empregos diretos serão criados no pico das obras, atraindo aproximadamente 90 mil pessoas para a região nessa etapa. O custo da obra é estimado em R$ 20,3 bilhões.

http://migre.me/41fGb

2
comentários


2 respostas para “Especialistas veem vantagem financeira em construir Belo Monte”

  1. Crisa disse:

    Gostaria de saber qual é a real participação
    dos moradores que deixarão suas casas para
    essa construção Usina de belo monte.
    Como moradora do Oeste do Pará
    tenho uma grande preoucupação
    pois temos: grandes mineradoras
    em nosso estado e não vimos crescimento do povo
    nativo. Isso é gritante, não sou contra o progresso, mas estamos
    cansados de tantas promessas e contratos que não são
    compridos.

    • Prezada Crisa,
      As pessoas que precisarão deixar suas casas estão sendo ouvidas em todo o processo de relocação, tanto em área urbana quanto rural.
      Acompanhe o andamento destas ações no Blog Belo Monte.
      Grato.

  • A Advocacia-Geral da União (AGU) assegurou, na Justiça do Pará, a validade do licenciamento ambiental da Usina Hidrelétrica (UHE) de Belo Monte, no Rio Xingu/PA. Os procuradores federais comprovaram que as condicionantes para Licença Prévia estão sendo observadas corretamente e que não foi identificado qualquer prejuízo com o empreendimento, como tentou alegar o Ministério Público Federal (MPF). O MPF ajuizou Ação Civil Pública contra o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e a Norte Energia S/A, responsável pelo empreendimento, para anular a licença de instalação emitida pela autarquia ambiental e determinar o cumprimento de todas as condicionantes previstas na licença prévia antes de requerer novamente a licença de instalação para UHE, sob pena de multa diária. Atuando no caso, o Departamento de Contencioso da Procuradoria-Geral Federal (Depcont/PGF), a Procuradoria Federal Especializada junto ao Instituto (PFE/Ibama) e Procuradoria Federal do Estado do Pará (PF/PA) explicaram que a tese de que as condicionantes ambientais da licença prévia teriam que ser cumpridas antes da licença de instalação, não está de acordo com a legislação ambiental e nem com o dinamismo do processo de licenciamento ambiental. Segundo os procuradores, o Ibama analisou corretamente os impactos que irão ocorrer em todas as etapas da construção da hidrelétrica, determinando medidas que, necessariamente, deverão ser cumpridas ao longo do procedimento. De acordo com a AGU, outras decisões judiciais que discutiam o mesmo assunto já haviam confirmado a legalidade das condutas do Instituto. De acordo com a AGU, o artigo 19, I do Decreto 99.274/90, que regulamente a Lei da Política Nacional do Meio Ambiente (Lei 6.938/81), estabelece que a licença prévia deve contar os requisitos básicos a serem atendidos nas fases de localização, instalação e operação. Também ressaltou que o artigo 8º, I, da Resolução Conama nº 237/97 segue a mesma linha, determinando que as condicionantes serão atendidas nas próximas fases de implementação do empreendimento. A PFE/Ibama destacou que para o cumprimento das condicionantes ambientais, o Ibama realizou seminários, vistorias técnicas, elaborou programas ambientais e promoveu todos os ajustes necessários ao Plano Básico Ambiental, que orienta os processos sobre a UHE. Além disso, os procuradores reforçaram que o MPF não comprovou a existência de prejuízos ou irregularidades no processo de licenciamento da Usina de Belo Monte. A Seção Judiciária do Pará acatou os argumentos da AGU e julgou improcedentes os pedidos do MPF. "Não há que se olvidar que as ações antecipatórias, na seara do direito ambiental, encontram-se estritamente vinculadas ao princípio da precaução, isto é, têm por escopo a adoção de providências antecedentes aos impactos ambientais, as quais se mostrem suficientes para minimização ou não ocorrência", diz um trecho da decisão. O Depcont/PGF, a PFE/Ibama e a PF/PA são unidades da Procuradoria-Geral Federal, órgão da AGU. Ref.: ACP nº 0018026-35.2011.4.01.3900 - Seção Judiciária do Pará Fonte: Assessoria AGU
  • Emoção e recordação se misturaram assim que Lenilson dos Santos pisou definitivamente na casa em que mora desde esta quarta-feira (15/10) na rua M do Casa Nova, um dos cinco novos bairros que estão sendo construídos pela Norte Energia em Altamira. Enquanto os móveis eram acomodados no interior da residência de 63 metros quadrados, três quartos, dois banheiros e sala de estar e jantar conjugada com cozinha, Lenilson comemorou: “Nunca tive oportunidade de ter uma casa com chão firme. “Agora não tenho mais medo de nada.”Em terra firme, a comparação com a casa do Açaizal, às margens do igarapé Altamira, onde viveu toda a vida, veio ao natural. A última cheia do Xingu foi difícil para este pescador de 24 anos e sua esposa Kátia, 36 anos. Como em anos anteriores, a água invadiu a pequena casa de madeira. Mas, desta vez, deixou um problema muito sério: comprometeu a estrutura. Parte do assoalho desabou. “Há mais de dois meses eu não podia colocar ninguém dentro da minha casa”, lembrou. Lenilson temia colocar em risco a vida de quem o visitasse. A família não tinha muita opção. “A gente não vivia lá, naquela situação, porque a gente queria. Era tudo que a gente tinha.” Agora é vida nova, em uma casa segura e confortável. Um dos primeiros moradores do bairro, Lenilson olha para a mulher Kátia, que acaricia a gatinha Nina, e revela os planos do casal. Já reservou um quarto para a mãe, que vive um uma ilha no Xingu. “O outro será para o nosso filho”, anuncia Kátia.O futuro, agora, tem o abrigo seguro da casa que Lenilson e Katia sempre sonharam. É tempo de mudança. E Kátia decreta: “Hoje vamos celebrar o novo”. httpv://www.youtube.com/watch?v=y1DDlClNm_M&feature=youtu.be
  • Os pequenos moradores dos bairros Jatobá e São Joaquim, em Altamira, celebraram o Dia da Criança com brincadeiras e atividades educativas. A programação especial da Norte Energia reuniu, nos dias 11 e 12 de outubro, cerca de 700 meninos e meninas que residem nos novos bairros da cidade. Eles se divertiram com arte-educadores e aprenderam noções básicas de saúde bucal e de como manter o ambiente limpo. E teve mais: escorregador, pula-pula, pebolim, jogo de futebol, vôlei, basquete, ciranda, lanche. A atividade está prevista nos atendimentos sociais do Projeto Básico Ambiental (PBA) da Usina Hidrelétrica Belo Monte.
  • “Olha o tamanho dessa casa!” Celso Moraes Rocha, 25 anos, não escondeu a surpresa quando, nesta semana, visitou o bairro Casa Nova, onde vai morar depois de viver um longo tempo em uma casa de madeira em área cercada de mato às margens do Igarapé Altamira. Depois de bater na parede, bem humorado, sentenciou: “Nunca mais vou me preocupar com cupim”.Celso e um grupo de famílias conheceram esta semana o conforto e a segurança das casas que ocupam lotes de 300 metros quadrados no novo bairro construído pela Norte Energia em Altamira como parte do Projeto Básico Ambiental da Usina Hidrelétrica Belo Monte. “Gostei muito do bairro. Não vejo a hora de me mudar”, reforçou a dona de casa Waldeíse Carvalho, 26 anos. “Quem bota defeito numa casa dessas não sabe o que é casa”, decretou o aposentado Antônio Gomes da Silva, 72 anos. Ele afirmou estar cansado de enfrentar, ao longo dos anos, os alagamentos na Rua dos Operários, no bairro Sudam I, Igarapé Altamira.O Casa Nova é o terceiro dos cinco novos bairros de Altamira que vai receber moradores que vivem em áreas da cidade historicamente alagadas pelo rio Xingu. Desde o início do ano, a Empresa já transferiu para o Jatobá e o São Joaquim mais de 600 famílias. No novo bairro, as famílias vão morar em casas de 63 metros quadrados, com três quartos (uma suíte), sala de estar e jantar conjugada com cozinha e banheiro social, com opção de banheiro adaptado para pessoas com deficiência. O bairro conta com ruas asfaltadas, iluminação pública, água tratada e terá atendimento básico a uma distância de 300 metros, na Unidade do bairro vizinho, Santa Ana, também construída pela Norte Energia. Dona Waldeíse sabe o que isso significa:  “É casa nova, vida nova, tudo novo.”
  • O diálogo é um dos pilares da construção da Usina Hidrelétrica Belo Monte. Desde que os estudiosos perceberam que havia um declive colossal no rio Xingu, ideal para transformar a força da água em energia elétrica, a sociedade brasileira acompanha o amadurecimento do projeto, que só ganhou forma final depois de um longo e franco debate com especialistas, ambientalistas, população local e comunidades tradicionais. Entre 2007 e 2010, período que antecedeu o leilão da Usina (20/4/2010), foram realizadas 12 consultas públicas; dez oficinas com as comunidades da área do empreendimento; fóruns técnicos em Belém e no Xingu; visitas a mais de quatro mil famílias; quatro audiências públicas do Ibama, com mais de seis mil pessoas, e 30 reuniões da Funai em aldeias. Um dos aprimoramentos possíveis com a ajuda da sociedade foi a redução da área dos dois reservatórios da Usina, hoje limitados a apenas 478 km², dos quais 274 km² (57%) correspondem à própria calha do Xingu. Outro foi a garantia da vazão mínima de 700 m³/s na Volta Grande do Xingu no período de seca, maior do que a mínima histórica registrada, de apenas 400 m³/s. O volume de água manterá o curso original do rio, a manutenção da vida aquática da região e navegação na região na época de seca. E não apenas na região. O Xingu será navegável para sempre, situação assegurada pelo Sistema de Transposição de Embarcações que já funciona desde 2013 no local será construída a barragem do reservatório principal (Pimental). Não seria possível construir Belo Monte sem diálogo com as comunidades indígenas da área de influência do empreendimento. E esse diálogo assegurou que nenhum milímetro de terra indígena será alagado, além de possibilitar o desenvolvimento de um Projeto Básico Ambiental de Componente Indígena (PBA-CI), o primeiro de uma obra de infraestrutura no Brasil. Povos que não contavam com comunicação hoje dispõem do serviço uma rede formada por 41 estações de rádio que abrange 36 aldeias.Belo Monte é um dos primeiros projetos estruturantes do País que proposta integrada de desenvolvimento regional, o Plano de Desenvolvimento Regional do Xingu (PDRS-X). Esta ação, do Governo Federal, conta com aporte de R$ 500 milhões da Norte Energia para desenvolver projetos sustentáveis nos 11 municípios das áreas de Influência Direta e Indireta do empreendimento. O diálogo direto com todos os segmentos da sociedade resultou na construção de uma das ferramentas mais completas de promoção do desenvolvimento social e econômico dos municípios da Área de Influência Direta do empreendimento (Altamira, Anapu, Brasil Novo, Senador José Porfírio e Vitória do Xingu): o Projeto Básico Ambiental (PBA). São R$ 3,2 bilhões para ações socioambientais, que corresponde a cerca de 13% do valor total do projeto de Belo Monte (data base abril de 2010). Do montante destinado ao PBA, mais de R$ 1,9 bilhão já foi aplicado. Hoje, a região já conta com 27 novas Unidades Básicas de Saúde (UBS). Investimentos em obras de educação beneficiando mais de 20 mil alunos com salas de aula construídas e reformadas. Com os recursos do PBA, três novos hospitais serão entregues estes ano na região, além de 220 quilômetros de redes de esgoto e 170 quilômetros de água potável em Altamira. Na cidade, o  PBA também está transformando a vida de 4,1 mil famílias que vivem em áreas historicamente alagadas pelo Xingu. Elas estão sendo transferidas para moradias seguras em bairros com infraestrutura completa que estão sendo construídos pela Norte Energia. No total, serão cinco novos bairros em Altamira. Quase quatro décadas depois da ideia primordial, Belo Monte se consolida como uma conquista da sociedade brasileira. Projeto construído por meio do diálogo direto e indistinto, a maior usina 100% brasileira tornou-se modelo de sustentabilidade e de promoção do desenvolvimento social e econômico no coração da Amazônia.
  • Eram sete horas da manhã, e a rotina no Jatobá começou a ser quebrada por vozes de meninos e meninas. Aos poucos, eles chegaram à Rua G para fazer a inscrição na 1ª Corrida de Rua do bairro. Ganharam camisetas, números de competidores e um café da manhã reforçado para enfrentar o percurso, curtinho, mas que representou um novo olhar sobre o lugar em que hoje moram. Antes de chegar às suas atuais moradias, todos viviam em áreas historicamente alagadas pelas cheias do Xingu, onde o verbo correr estava associado a ajudar pais e mães a recolher os pertences de casa quando a chuva os castigava. Correr nas pontes de madeira também era um perigo, de machucar as pernas ou mesmo cair nas águas insalubres embaixo das estivas. Mas, no sábado (27/9), eles usaram as forças das pernas para tomar conta do seu novo espaço, que ocuparam com a alegria e os barulhos das passadas cada vez mais velozes, sorridentes.No meio do grupo de competidores, a menina Vitória Souza da Silva, 14 anos, estava concentrada, com jeito de campeã. “Onde eu morava não tinha essas atividades. Estou achando muito bom, mudar foi a melhor coisa que fizemos”. Moradora de uma das áreas sujeitas à enchente em Altamira, ela e a família estão no Jatobá há pouco mais de um mês. Na beira da calçada, adultos pararam para observar os pequenos correndo. Plateia formada por mães orgulhosas com os filhos encarnando o papel de atletas. Uma delas era Andrea Sousa de Andrade, 25 anos. A dona de casa botou a molecada da cama nas primeiras horas e inscreveu os meninos Gabriel Andrade dos Santos, 7 anos, e Vitor Manoel, de 10 anos. Eles não entraram na corrida principal, competiram nas corridas de saco, uma das diversas brincadeiras incluídas na programação para agregar os garotos e garotas menores ou que não quiseram competir correndo. Na hora de torcer, Andréa recordou que onde morava “não tinha nem quintal para as crianças brincarem”.A Primeira Corrida de Rua do Jatobá foi realizada para integrar e promover lazer e esporte para os moradores do novo bairro, um dos cinco que está sendo construído pela Norte Energia em Altamira como parte do Projeto Básico Ambiental (PBA) da Usina Hidrelétrica Belo Monte. A competição foi organizada pela Secretaria Municipal de Trabalho e Promoção Social (Semuts) em parceria com a Empresa.
  • Os canteiros de obras de Belo Monte, em Vitória do Xingu (PA), reúnem milhares de pessoas vindas de todos os cantos do País. São brasileiras e brasileiros que se empenham dia e noite para erguer a maior obra de infraestrutura em construção no Brasil, obra que, quando estiver em plena operação, vai levar energia limpa e renovável a 60 milhões de pessoas.Belo Monte também é local de encontros inesperados, emocionantes. Um deles ocorreu nesta quarta-feira (24/9), logo depois de o estudante El-Elyon Machado Monteiro, 16 anos, chegar ao Sítio Belo Monte. Era o início do roteiro do Conheça Belo Monte, projeto da Norte Energia que abriu as portas da maior hidrelétrica genuinamente brasileira a estudantes da rede de ensino pública e moradores dos municípios da Área de Influência Direta. Logo que desembarcou do ônibus no mirante de Belo Monte, onde será instalada a Casa de Força Principal do empreendimento (11 mil MW de potência instalada), El-Elyon foi surpreendido pela chegada do pai, Francisco da Silva Monteiro, que trabalha naquele sítio. Ao filho, faltaram palavras. Ao pai, emocionado, sobrou felicidade e orgulho com El-Elyon. "Meu filho está inscrito no Programa Jovem Aprendiz e vai trabalhar aqui em Belo Monte como auxiliar administrativo.” Em breve, pai e filho voltarão a se encontrar como colegas de trabalho em Belo Monte, uma usina que também emociona Francisco. “Sou barrageiro e tenho orgulho em construir a maior obra deste País.” Leia também: “Conheça Belo Monte” recebe estudantes de Altamira
  • Uma característica do projeto da Usina Hidrelétrica Belo Monte, no rio Xingu, é a preservação da fauna na região da área de influência do empreendimento. O símbolo deste compromisso da Norte Energia, responsável pela obra, é o Centro de Estudos Ambientais (CEA), hoje referência para o desenvolvimento da pesquisa na Amazônia e no Brasil.Este compromisso proporcionou um avanço sem precedente para o conhecimento científico da fauna aquática da região com a reprodução, em julho, de filhotes de Acari Zebra (Hypancistrus zebra) no laboratório do CEA. Peixe da Volta Grande do Xingu, o Acari Zebra está ameaçado de extinção pela captura predatória motivada por altos preços pagos no mercado de peixes ornamentais. Foi a primeira vez no Brasil que a reprodução da espécie ocorreu em laboratório legalmente autorizado. O compromisso com a preservação da fauna da região é reforçado com ações de  acompanhamento da fauna aquática do Xingu. Hoje, mais de 400 peixes das espécies pacu-de-seringa, curimatá, pirarara, surubim e filho/piraíba são monitorados por sistemas de telemetria acústica e rádio, o que vai contribuir para avaliar o comportamento migratório antes e depois da construção da hidrelétrica. A busca por maior conhecimento das espécies também alcança as tartarugas-da-Amazônia, que anualmente transformam a região do Tabuleiro do Embaubal, no município de Senador José Porfírio, em um dos maiores pontos de desova e reprodução da espécie na Amazônia. Quatro espécimes são monitorados desde fevereiro por equipamentos acoplados nos cascos que emitem sinais a um satélite. É uma iniciativa que contribui para aprimorar ações de proteção e preservação da espécie. Desde que a construção de Belo Monte começou, a Norte Energia registrou 58 espécies de abelhas, o equivalente a 90% do total de espécies registradas na Amazônia brasileira até 2005. O trabalho é um dos mais completos, e contribui para compreender fenômenos como a polinização por meio desses insetos, fundamentais para o equilíbrio natural em áreas de florestas. As pesquisas do CEA também proporcionaram a descoberta de novas espécies de pequenos roedores, pertencentes ao gênero Neacomys e Oecomys e do morcego Nyctinomopd dp. Descobertas ainda em fase de estudos complementares, mas que dão a dimensão do trabalho sério e da contribuição do empreendimento para a Zoologia na região da Transamazônica. Ao contrário dos prognósticos desprovidos de base científica que apontavam a Usina como fonte de degradação e de perda da rica biodiversidade da região do Xingu, Belo Monte  tornou-se referência de projetos de preservação da fauna e flora e da produção de conhecimento científico. Por isso, o Dia da Defesa da Fauna, celebrado nesta segunda-feira (22/9), é motivo para celebrar os resultados de trabalhos que contribuem decisivamente para a preservação das espécies da região do Xingu.











© Desenvolvido por santafédigital. Uma empresa do grupo santafé.