en     pt
Desenvolvimento Social
APAE Altamira ganha nova sede da Norte Energia
Desenvolvimento Social
Postado em 18.08.2016

 Depois de 21 anos de funda√ß√£o no munic√≠pio de Altamira, a Associa√ß√£o de Pais e Amigos de Excepcionais (APAE) ter√° sede pr√≥pria para realizar o atendimento pedag√≥gico e terap√™utico, desenvolver atividades culturais, esportivas e de lazer para cerca de 230 crian√ßas. A nova ‚Äúcasa‚ÄĚ ser√° na antiga sede escrit√≥rio da Norte Energia, no bairro Jatob√°. Nesta quarta-feira, 17 de agosto, a empresa entregou √† entidade o pr√©dio constru√≠do em √°rea de cerca de 1,3 mil metros quadrados.

DSC_0322

Ant√īnio Lessa, presidente da APAE Altamira Foto: Osvaldo de Lima

‚Äú√Č um presente inesquec√≠vel para a APAE de Altamira. H√° 18 anos estamos em um galp√£o de forma improvisada, numa √°rea que n√£o √© nossa. Agora poderemos melhorar o atendimento √†s crian√ßas inclusive com conv√™nios com o governo federal para atendimento cl√≠nico, que hoje √© feito somente por volunt√°rios‚ÄĚ, comenta o presidente da Associa√ß√£o, Ant√īnio Lessa.

Fundada em 25 de mar√ßo de 1994, a APAE de Altamira √© a maior institui√ß√£o de atendimento integral √† pessoa com defici√™ncia intelectual e m√ļltipla na regi√£o da Transamaz√īnica e Xingu. A entidade tamb√©m recebe moradores dos munic√≠pios de Anapu, Brasil Novo, Gurup√°, Medicil√Ęndia, Porto de Moz, Senador Jos√© Porf√≠rio, Uruar√°, Vit√≥ria do Xingu e at√© de outros estados.

A entidade oferece a crian√ßas e adolescentes com diferentes n√≠veis de defici√™ncia atividades pedag√≥gicas e culturais, al√©m de Fisioterapia, Fonoaudiologia, Odontologia, Equoterapia, Hidrogin√°stica e recrea√ß√£o. Atualmente, os atendimentos s√£o realizados em um pr√©dio cedido pelo clube social Assembleia Altamirense. ‚ÄúO novo pr√©dio √© muito bem-vindo e exigir√° adequa√ß√Ķes m√≠nimas para instalar o atendimento e a parte administrativa da APAE Altamira‚ÄĚ, destaca Ant√īnio.

 

 

  • O munic√≠pio de Altamira, na √Ārea de Influ√™ncia Direta da Usina Hidrel√©trica Belo Monte, recebeu, no dia 19/05, um novo Centro de Apoio em Diagn√≥stico, reformado e ampliado com recursos da Norte Energia. Na cerim√īnia de reinaugura√ß√£o, moradores, profissionais da sa√ļde e autoridades locais comemoraram a entrega da obra e visitaram as novas instala√ß√Ķes do pr√©dio.Com uma √°rea total de 543 m¬≤, a nova unidade de sa√ļde passar√° a ser refer√™ncia em realiza√ß√£o de exames e atendimento preventivo na regi√£o. A reforma do Centro Diagn√≥stico Nazira Mansour Abucater foi um projeto financiado pelo Plano de Desenvolvimento Regional Sustent√°vel do Xingu ‚Äď PDRSX, com recursos da Norte Energia. A reforma e readequa√ß√£o do pr√©dio vai possibilitar a oferta de um maior n√ļmero de exames, com mais agilidade e conforto, fortalecendo as a√ß√Ķes de diagn√≥stico preventivo, com enfoque na preven√ß√£o do c√Ęncer do colo uterino e c√Ęncer de mama. No novo espa√ßo ser√£o ofertados exames como teste do pezinho, fluxograma/PCCU, raio X, ultrassonografia, urian√°lise, microbiologia, bioqu√≠mica e tratamento de tuberculose. Com um investimento de R$ 714.460, a obra foi proposta pela prefeitura do munic√≠pio, atrav√©s de seus representantes na C√Ęmara T√©cnica de Sa√ļde do Comit√™ Gestor do PDRS do Xingu. Somado a essa obra, a Norte Energia j√° investiu, atrav√©s do PDRS do Xingu, mais de R$ 37,9 milh√Ķes em 62 projetos de Sa√ļde nas √°reas de influ√™ncia direta e Indireta de Belo Monte.
  • Edvanda Sousa, 36 anos, para um minuto para pensar sobre seu trabalho atual e inevitavelmente acaba relembrando um outro momento de sua vida, bem diferente, quando a capacita√ß√£o profissional era apenas um sonho. ‚ÄúEu sempre quis ter uma profiss√£o, que eu pudesse dizer que sabia fazer de verdade, com um certificado para comprovar‚ÄĚ, conta. H√° quase quatro anos, o que era apenas uma aspira√ß√£o come√ßou a se realizar. A hist√≥ria de Edvanda sintetiza a de muitas mulheres que reescrevem diariamente sua hist√≥ria pessoal nos canteiros da Usina Hidrel√©trica Belo Monte. Antes de ser recrutada para o desafio da obra ‚Äď uma das maiores do mundo -, ela trabalhava no com√©rcio em Altamira. O trabalho como atendente em uma loja de m√≥veis ficou para tr√°s quando Edvanda foi chamada para trabalhar como telefonista nos canteiros. Com a melhoria salarial proporcionada pela mudan√ßa, ela decidiu que se profissionalizaria e iniciou o curso de t√©cnica em seguran√ßa do trabalho, em 2012. ‚Äú√Č preciso correr atr√°s do sonho, melhorar, ter novas perspectivas‚ÄĚ, comenta. No meio do caminho da qualifica√ß√£o, veio uma nova promo√ß√£o para Edvanda: ela foi al√ßada √† fun√ß√£o de auxiliar de custo para acompanhar as atividades de produ√ß√£o no canteiro de Canais e Diques. A conquista trouxe tamb√©m certa dificuldade para seu objetivo principal: ‚ÄúEra dif√≠cil conciliar o estudo e o trabalho. Eu chegava em casa √†s 19h e seguia para o curso‚ÄĚ. Nas vezes em que Edvanda pensou em largar os estudos, contou com o apoio dos colegas de trabalho e da filha Larissa Sousa, hoje com 16 anos. Todo o esfor√ßo n√£o foi em v√£o: ela conquistou a sonhada certifica√ß√£o e h√° um ano trabalha como t√©cnica de seguran√ßa no canteiro de Belo Monte. Hoje, Edvanda √© umas das profissionais que orientam e¬† inspecionam os equipamentos e as condi√ß√Ķes de trabalho dos funcion√°rios nas obras da maior usina brasileira 100% nacional, o empreendimento hidrel√©trico que emprega¬†cinco vezes mais mulheres do que a m√©dia registrada no setor da constru√ß√£o civil no Brasil. Sobre os mais recentes anos de sua vida, a t√©cnica avalia sem pestanejar: ‚ÄúEstou realizada. Consegui realizar um sonho. N√£o tenho pretens√£o de ser um exemplo, mas, se eu pude, muita gente tamb√©m pode voltar a estudar e alcan√ßar o que deseja.‚ÄĚ
  • As fam√≠lias dos novos bairros constru√≠dos pela Norte Energia, em Altamira, ter√£o cortejo de blocos carnavalesco para lembrar que a √©poca √© n√£o apenas de folia, mas tamb√©m de preserva√ß√£o do meio ambiente e boas pr√°ticas de conviv√™ncia. Os participantes de oficinas de produ√ß√£o de fantasias e instrumentos com material reciclados organizaram o "Jotobloco",no Jatob√°, e o "Jocabloco", no S√£o Joaquim para brincar o carnaval de formal sustent√°vel. A brincadeira √© resultado de oficinas dos N√ļcleos de Educa√ß√£o Ambiental do Xingu (Nucleax), unidades inseridas em cada um dos novos bairros da cidade para efetivar as a√ß√Ķes do Programa de Educa√ß√£o Ambiental previsto no Projeto B√°sico Ambiental da Usina Hidrel√©trica Belo Monte. Nas oficinas, principalmente, crian√ßas e adolescentes passaram o m√™s de janeiro se entrosando e aprendendo a construir fantasias, adere√ßos e instrumentos de percuss√£o com latas, garrafas, sementes, jornais, revistas e outros materiais reaproveit√°veis. Com tudo pronto para a folia, as festas j√° est√£o marcadas: no bairro Jatob√° ocorre no s√°bado (14/02), a partir das 9h, com a apresenta√ß√£o do Jotobloco, e, na segunda-feira (16/02), tamb√©m pela manh√£, no S√£o Joaquim com a apresenta√ß√£o do Jocabloco.  
  •  Conhecida como costureira de m√£o cheia na √°rea da invas√£o S√£o Raimundo, na regi√£o do Igarap√© Amb√©, Maria Alice dos Santos Silva, 53 anos, agora vive em uma casa segura e confort√°vel no √Āgua Azul, um dos seis novos bairros que est√£o sendo constru√≠dos pela Norte Energia em Altamira. ‚Äú√Č vida nova‚ÄĚ, resumiu a costureira, que dividia uma casa com a filha Valdicl√©ia Santos da Silva, 22 anos, na rua A√ßail√Ęndia. Dona Maria √© a chefe da fam√≠lia 2.500 transferida pela Norte Energia para os novos bairros da cidade. Em comum, estas fam√≠lias tem uma hist√≥ria de transtornos motivados pelas cheias hist√≥ricas do rio Xingu. Antes de erguer sua casa de madeira na invas√£o S√£o Domingos, em 2005, ela morou por cinco anos na Rua das Olarias, onde a fam√≠lia enfrentou as dificuldades t√≠picas dos ‚Äúbaix√Ķes‚ÄĚ de Altamira: enchentes, perda de m√≥veis, doen√ßas... ‚ÄúSofri muito com o inverno‚ÄĚ, recorda dona Maria. Ela deixou o lugar ap√≥s a morte do marido em busca de um lugar seco onde pudesse criar os filhos.¬† ‚ÄúPedi ao meu irm√£o para trazer toda a madeira da casa e remontar no novo lugar.‚ÄĚ Desde quinta-feira (05/2), dona Maria vive no √Āgua Azul. O bairro tem infraestrutura completa, com ruas asfaltadas, cal√ßadas, ilumina√ß√£o p√ļblica e redes de √°gua pot√°vel e esgoto sanit√°rio. A casa que vai dividir com dois filhos est√° em um terreno de 300 metros quadrados, tem 63 metros quadrados de √°rea constru√≠da, sala e cozinha conjugadas, tr√™s quartos (uma su√≠te) e dois banheiros. A filha Valdicl√©ia e dois netos, agora, moram numa casa vizinha, com a mesma comodidade e seguran√ßa. ‚ÄúEstou muito feliz. N√£o tem compara√ß√£o‚ÄĚ, resume dona Maria.
  • S√£o 4.749 novas oportunidades de emprego. Este foi o segundo ano consecutivo em que Altamira registra o melhor desempenho do Estado no indicador que mede a empregabilidade dos munic√≠pios paraenses. A not√≠cia √© da vers√£o impressa do jornal O Liberal.  











© Desenvolvido por santafédigital. Uma empresa do grupo santafé.