en     pt
Meio Ambiente
Má fé e desinformação contra Belo Monte
Meio Ambiente
Postado em 01.07.2015
ALTAMIRA - FOTO REGINA SANTOS - NORTE ENERGIA

Altamira, a cidade mais populosa da regi√£o de Belo Monte, est√° recebendo obras de infraestrutura, educa√ß√£o, sa√ļde e saneamento da Norte Energia. (Foto: Regina Santos)

A Norte Energia, respons√°vel pela Hidrel√©trica Belo Monte, quarta maior usina do mundo e a maior obra de infraestrutura em execu√ß√£o no Brasil, tem sido alvo frequente de ataques falaciosos em jornais online e impressos, blogs e em mat√©rias de televis√£o. Alguns, como a Folha de S. Paulo, por meio do rep√≥rter Marcelo Leite, sequer procurou a empresa para um contraponto em rela√ß√£o √†s acusa√ß√Ķes, como manda a cartilha do jornalismo s√©rio e respons√°vel. A Folha e o rep√≥rter julgam o empreendimento com claro desequil√≠brio sem respeitar as normas m√≠nimas de imparcialidade na divulga√ß√£o de not√≠cias. O que √© pior: o julgamento √© baseado em relatos e informa√ß√Ķes sistematicamente desatualizados, sem embasamento e comprova√ß√£o. S√£o tentativas rasas dos opositores do empreendimento que ignoram as institui√ß√Ķes legalmente constitu√≠das que respondem pelo licenciamento do maior empreendimento do pa√≠s.

Assim o fazem outros ve√≠culos sensacionalistas, ao repetirem a velha t√°tica dos canais de oposi√ß√£o ao empreendimento e ao desenvolvimento do pa√≠s, com o insistente destaque de relatos isolados e informa√ß√Ķes descontextualizadas. Nesse segmento da imprensa, que chancela sem responsabilidade alguma a tese contra Belo Monte, nota-se que n√£o h√° nenhuma cr√≠tica a gestores municipais e estaduais no resto do Brasil para que cumpram a√ß√Ķes semelhantes √†s executadas em Altamira e na regi√£o do Xingu pela Norte Energia, por meio do Projeto B√°sico Ambiental de Belo Monte.

√Č o segmento do Jornalismo que repete a cantilena dos opositores do empreendimento, sem se preocupar em compreender a hist√≥ria e a din√Ęmica social, econ√īmica, cultural e pol√≠tica da regi√£o do Xingu. S√£o os que apostam que dessa forma ser√£o capazes de manipular a opini√£o p√ļblica sobre o empreendimento e o desenvolvimento do Brasil.

Uma parcela da imprensa que n√£o se d√° ao trabalho de apurar e perceber que Belo Monte √© um projeto pioneiro no respeito e responsabilidade social e ambiental. Assertiva que se confirma ao visitar centenas de obras, como escolas, unidades b√°sicas de sa√ļde, saneamento b√°sico, hospitais, casas e novos bairros, casas de farinha, pontes e todas as a√ß√Ķes realizadas para beneficiar as popula√ß√Ķes dos munic√≠pios de Altamira, Vit√≥ria do Xingu, Anapu, Brasil Novo e Senador Jos√© Porf√≠rio, da √°rea de influ√™ncia direta do empreendimento, al√©m de outras cidades que est√£o sendo favorecidas com recursos do Plano de Desenvolvimento Regional Sustent√°vel Xingu (PDRSX). A Norte Energia j√° investiu R$ 3,092 bilh√Ķes na regi√£o, valor que n√£o pode ser desprezado por quem, minimamente, conhece como a regi√£o do Xingu foi tratada historicamente pelas administra√ß√Ķes p√ļblicas. Valores que est√£o garantindo direitos que foram negados ao longo dos anos para as popula√ß√Ķes locais. √Č ineg√°vel que pouqu√≠ssimos munic√≠pios brasileiros receberam tantos avan√ßos e obras em t√£o pouco tempo, sem contar os mais de R$ 300 milh√Ķes em tributos municipais pagos na regi√£o.

Recentemente, Belo Monte, mais uma vez sofreu uma s√©rie de acusa√ß√Ķes infundadas e, para informar a realidade atual sobre os avan√ßos do empreendimento e a seriedade no cumprimento de seu papel social, a Norte Energia, respons√°vel pela obra e opera√ß√£o da hidrel√©trica, esclarece:

Qualidade de vida com a√ß√Ķes socioambientais
As obras que condicionam a concess√£o da licen√ßa de opera√ß√£o da Usina, definidas pelo Plano B√°sico Ambiental (PBA), tra√ßado em conjunto com √≥rg√£os licenciadores, est√£o conclu√≠das ou em fase de conclus√£o. At√© o momento, foram investidos R$ 3,092 bilh√Ķes nos munic√≠pios da regi√£o do empreendimento. S√£o recursos que est√£o trazendo melhorias em infraestrutura e servi√ßos a uma popula√ß√£o historicamente desassistida, que soma cerca de 350 mil pessoas em 11 cidades paraenses.

Novos bairros e moradias melhores

Bairro Jatobá, construído pela Norte Energia em Altamira. (Foto: Betto Silva)

Bairro Jatobá, construído pela Norte Energia em Altamira. (Foto: Betto Silva)

A Norte Energia est√° concluindo a transfer√™ncia da popula√ß√£o que morava em √°reas historicamente afetadas pelas enchentes do rio Xingu, quando n√£o, sobre o esgoto a c√©u aberto, para cinco novos bairros saneados e em fase de conclus√£o pela empresa em Altamira. Atualmente, 3.300 fam√≠lias desfrutam de novas casas em n√ļcleos urbanos com infraestrutura completa. A empresa pagou ainda indeniza√ß√£o para 3.400 fam√≠lias. Ao final deste processo, ser√£o 7.790 fam√≠lias beneficiadas, uma popula√ß√£o de aproximadamente 25 mil pessoas em melhores condi√ß√Ķes habitacionais e sanit√°rias.

A Norte Energia já demoliu 4 mil casas nas áreas insalubres em Altamira e vai demolir ainda outras 1.100. O trabalho é necessário para formação do reservatório principal. Boa parte desses espaços será recomposta com vegetação e servirá como parques para a população da cidade.

Respeito na transfer√™ncia das popula√ß√Ķes rurais
A Norte Energia S.A. informa que a reloca√ß√£o de todas as fam√≠lias que est√£o nas √°reas rurais pr√≥ximas do reservat√≥rio do empreendimento ser√° realizada at√© agosto de 2015. Todas as mudan√ßas est√£o sendo feitas depois de conclu√≠das as negocia√ß√Ķes com as fam√≠lias. As ocupantes das ilhas situadas no rio Xingu est√£o sendo beneficiadas com as seguintes modalidades de negocia√ß√£o, previstas e regidas pelo Projeto B√°sico Ambiental de Belo Monte: Reassentamento Rural Coletivo ou Reassentamento Individual em √Ārea Remanescente ou Reloca√ß√£o Assistida (Carta de Cr√©dito); e para os im√≥veis que disp√Ķem de √°rea remanescente, existe a possibilidade da perman√™ncia em √°rea remanescente. N√£o h√° como indenizar os terrenos nas ilhas, pois elas s√£o patrim√īnio da Uni√£o e, portanto, inalien√°veis.

Saneamento para preservar o meio ambiente e a sa√ļde da popula√ß√£o

ETE - ALTAMIRA - BETTO SILVA - NORTE ENERGIA 2

Estação de Tratamento de Esgoto de Altamira, construída pela Norte Energia. (Foto: Regina Santos)

Com mais de 100 anos de funda√ß√£o, Altamira n√£o possu√≠a um cent√≠metro de rede de esgoto e era mal servida pela rede de abastecimento de √°gua tratada, que atendia menos de 14% da popula√ß√£o. Com a Norte Energia, a cidade recebeu 220 km de tubula√ß√Ķes, 13 esta√ß√Ķes elevat√≥rias e uma moderna e eficiente Esta√ß√£o de Tratamento de Esgoto que converte os efluentes em √°gua limpa para o rio Xingu. Foram implantados tamb√©m 170 km de rede de distribui√ß√£o de √°gua tratada e melhoradas as esta√ß√Ķes de capta√ß√£o e de tratamento.

O fato de n√£o haver sido feita a liga√ß√£o das casas ao sistema, uma responsabilidade do poder p√ļblico, tamb√©m isso foi resolvido: a empresa est√° oficializando parceria com a Prefeitura Municipal de Altamira para o servi√ßo.

Investimento na rede hospitalar e atendimento b√°sico em sa√ļde

Hospital Geral de Altamira, obra concluída pela Norte Energia. (Foto: Betto Silva)

Hospital Geral de Altamira, obra concluída pela Norte Energia. (Foto: Betto Silva)

A Norte Energia est√° deixando como legado para regi√£o quatro hospitais constru√≠dos dentro dos padr√Ķes vigentes e equipamentos modernos. Em Anapu e na Vila dos Trabalhadores de Belo Monte, as unidades est√£o em funcionamento. Em Vit√≥ria do Xingu, as obras iniciaram e ser√£o conclu√≠das no primeiro trimestre de 2016. Altamira ganhar√° em breve o Hospital Geral, que est√° conclu√≠do em fase final de instala√ß√£o de equipamentos, aguardando apenas a transi√ß√£o de servi√ßos a cargo da Prefeitura Municipal. O hospital √© um dos mais modernos e bem equipados do Estado, com 104 leitos, sendo 10 com UTI.

Antes da Norte Energia, a regi√£o tinha 467 leitos adaptados, em unidades de 40 anos e concentrados em sua maior parte em Altamira. A Empresa acrescentou 211 leitos, parte deles, desconcentrados, em hospitais modernos, equipados e adequados √†s normas do Minist√©rio da Sa√ļde. Com a entrega das novas unidades, alguns procedimentos poder√£o ser realizados nos munic√≠pios do entorno.

A empresa tamb√©m construiu 30 Unidades B√°sicas de Sa√ļde, faltando concluir apenas a do bairro Jatob√°. Cada uma tem capacidade de cobertura para 12 mil usu√°rios do SUS em Altamira, Anapu, Vit√≥ria do Xingu, Brasil Novo e Senador Jos√© Porf√≠rio.

Com o apoio ao Plano de Desenvolvimento Sustent√°vel do Xingu (PDRSX), a Norte Energia est√° possibilitando a reforma e constru√ß√£o de hospitais em Uruar√°, Placas e Medicil√Ęncia, al√©m de ter constru√≠do e entregue o pr√©dio da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Par√°, em Altamira.

Proteção e fortalecimento do setor pesqueiro

Página 10 - Reprodução acari zebra em laboratório  - Foto Regina Santos

Acari zebra, reproduzido em laboratório da Norte Energia. (Foto: Regina Santos)

A Norte Energia monitora o desembarque pesqueiro em pontos de comercializa√ß√£o do pescado desde S√£o F√©lix do Xingu at√© Gurup√°, em um trecho de 848 quil√īmetros de extens√£o. De acordo com os estudos feitos desde 2011, os estoques pesqueiros permanecem adequados para a atividade no Xingu e n√£o houve e nem h√° altera√ß√Ķes na qualidade da √°gua do rio al√©m das varia√ß√Ķes naturais, com exce√ß√£o de pontos pr√≥ximos √†s obras e por curtos per√≠odos de tempo, situa√ß√Ķes que n√£o ultrapassam os limites da legisla√ß√£o ambiental.

Os pescadores est√£o sendo ouvidos por meio de entrevistas realizadas nas comunidades da √°rea de influ√™ncia do empreendimento, al√©m de participarem de reuni√Ķes bimensais na Comiss√£o de Pesca do F√≥rum de Acompanhamento Social do empreendimento.

A Norte Energia firmou acordo de Coopera√ß√£o T√©cnica com o Minist√©rio da Pesca que resultou na instala√ß√£o de laborat√≥rios na Universidade Federal do Par√°; na constru√ß√£o e reforma das col√īnias de pesca em Anapu, Vit√≥ria do Xingu, Senador Jos√© Porf√≠rio, Porto de Moz e Gurup√°; e na implanta√ß√£o de um complexo dedicado √† pesca artesanal na orla de Altamira, com Centro Integrado de Pesca Artesanal, f√°brica de gelo, cais de atraca√ß√£o e mercado, al√©m da nova sede da col√īnia de pesca e das associa√ß√Ķes de produtores de peixes ornamentais. O investimento total ficar√° acima dos R$ 40 milh√Ķes.

Segurança territorial, ambiental e alimentar dos povos indígenas

Reunião entre representantes da Norte Energia, integrantes dos órgãos responsáveis e lideranças indígenas. (Foto: Betto Silva)

Reunião entre representantes da Norte Energia, integrantes dos órgãos responsáveis e lideranças indígenas. (Foto: Betto Silva)

Depois de negocia√ß√£o com lideran√ßas e √≥rg√£os e minuciosa explana√ß√£o sobre a complexidade log√≠stica das obras, a Norte Energia contratou a constru√ß√£o de 34 escolas, 34 Unidades B√°sicas de Sa√ļde (UBS) e adequa√ß√Ķes nos sistemas de abastecimentos de √°gua e nas casas de moradias j√° constru√≠das, que precisam de reparos, nas aldeias da √°rea de influ√™ncia de Belo Monte.

At√© agora, s√£o mais de R$ 212 milh√Ķes em investimentos em 27 projetos voltados aos ind√≠genas da √°rea de influ√™ncia da UHE Belo Monte. Eles fortalecem as caracter√≠sticas √©tnicas dos diferentes povos tradicionais e sua seguran√ßa territorial, ambiental e alimentar. As a√ß√Ķes incluem a constru√ß√£o de 711 casas em 11 terras ind√≠genas, beneficiando mais de 700 fam√≠lias, cerca de 3 mil ind√≠genas; 34 casas de farinha, das quais 23 delas est√£o prontas e em uso; 19 sistemas de abastecimento de √°gua e com projetos para outros 15; 23 pistas de pouso, das quais, 13 est√£o prontas e 3 contratadas e em execu√ß√£o. A empresa tamb√©m recomp√īs 470 km de acessos terrestres √†s comunidades e entregou a Casa do √ćndio √† Funai, pr√©dio de 1.600 m¬≤ para hospedar os ind√≠genas em tr√Ęnsito pela cidade de Altamira.

A Norte Energia fornece ainda combust√≠vel e lubrificantes para abastecer ve√≠culos dos ind√≠genas e j√° concedeu motores para embarca√ß√Ķes, barcos, lanchas do tipo voadeiras, ve√≠culos terrestres, geradores el√©tricos e ferramentas para produ√ß√£o, como motosserras e ro√ßadeiras. Para garantir o bom funcionamento desses equipamentos, a empresa faz ainda a manuten√ß√£o e entrega de pe√ßas de reposi√ß√£o conforme solicita√ß√£o dos beneficiados.

Emprego e geração de renda no Xingu

Agricultores beneficiados pelo projeto de Apoio à Agricultura Familiar, na comunidade do Assurini, em Altamira. (Foto: Evair Almeida)

Agricultores beneficiados pelo projeto de Apoio à Agricultura Familiar, na comunidade do Assurini, em Altamira. (Foto: Evair Almeida)

A Norte Energia promove na regi√£o projetos de capacita√ß√£o profissional e de estrutura√ß√£o da produ√ß√£o rural para fam√≠lias que precisaram mudar das √°reas de influ√™ncia dos reservat√≥rios da Usina. A empresa √© ainda um impulsionador da economia local e regional com gera√ß√£o de empregos e circula√ß√£o de riquezas – foram R$ 12 bilh√Ķes em compras de fornecedores do Estado do Par√° nos anos de 2013 e 2014. O volume de neg√≥cio garantiu √† empresa o pr√™mio de maior comprador isolado de fornecedores locais do Estado.

Recentemente, a empresa ampliou o conv√™nio com a Federa√ß√£o das Ind√ļstrias do Estado do Par√° (Fiepa) para ofertar cursos aos moradores dos cinco novos bairros de Altamira.

Cronograma de obras

DESCIDA DO ESTATOR  S√ćTIO BELO MONTE 05-2015 ¬© VAGNEY DOS SANTOS (41)

Descida do estator no Sítio Belo Monte. (Foto: Betto Silva)

Basta uma checagem simples no cronograma de Belo Monte para se notar de imediato a desinforma√ß√£o contida no termo “atraso”, imputado √†s obras de Belo Monte. A observa√ß√£o isenta deixa claro que apenas um dos dois s√≠tios, o de Pimental, teve seu in√≠cio prorrogado de fevereiro para novembro deste ano — sendo que ele responde por apenas 3% dos 11.233,1 MW de capacidade instalada. J√° o in√≠cio de produ√ß√£o do s√≠tio que responder√° por 97% da produ√ß√£o de energia, Belo Monte, segue rigorosamente seu cronograma e iniciar√° a gera√ß√£o no prazo, mar√ßo de 2016, conforme contrato da hidrel√©trica. E todas as licen√ßas de Belo Monte emitidas por √≥rg√£os reguladores e competentes est√£o v√°lidas e cumprem a legisla√ß√£o brasileira.

Acusa√ß√Ķes
Com rela√ß√£o √† tentativa, atrav√©s de supostos depoimentos de tentar vincular Belo Monte √† chamada ‚ÄúOpera√ß√£o Lava Jato‚ÄĚ para desgastar o empreendimento, a Norte Energia informa que as contas da empresa s√£o auditadas por auditoria externa independente e est√£o todas aprovadas e publicadas.

Norte Energia S. A.

  • Edvanda Sousa, 36 anos, para um minuto para pensar sobre seu trabalho atual e inevitavelmente acaba relembrando um outro momento de sua vida, bem diferente, quando a capacita√ß√£o profissional era apenas um sonho. ‚ÄúEu sempre quis ter uma profiss√£o, que eu pudesse dizer que sabia fazer de verdade, com um certificado para comprovar‚ÄĚ, conta. H√° quase quatro anos, o que era apenas uma aspira√ß√£o come√ßou a se realizar. A hist√≥ria de Edvanda sintetiza a de muitas mulheres que reescrevem diariamente sua hist√≥ria pessoal nos canteiros da Usina Hidrel√©trica Belo Monte. Antes de ser recrutada para o desafio da obra ‚Äď uma das maiores do mundo -, ela trabalhava no com√©rcio em Altamira. O trabalho como atendente em uma loja de m√≥veis ficou para tr√°s quando Edvanda foi chamada para trabalhar como telefonista nos canteiros. Com a melhoria salarial proporcionada pela mudan√ßa, ela decidiu que se profissionalizaria e iniciou o curso de t√©cnica em seguran√ßa do trabalho, em 2012. ‚Äú√Č preciso correr atr√°s do sonho, melhorar, ter novas perspectivas‚ÄĚ, comenta. No meio do caminho da qualifica√ß√£o, veio uma nova promo√ß√£o para Edvanda: ela foi al√ßada √† fun√ß√£o de auxiliar de custo para acompanhar as atividades de produ√ß√£o no canteiro de Canais e Diques. A conquista trouxe tamb√©m certa dificuldade para seu objetivo principal: ‚ÄúEra dif√≠cil conciliar o estudo e o trabalho. Eu chegava em casa √†s 19h e seguia para o curso‚ÄĚ. Nas vezes em que Edvanda pensou em largar os estudos, contou com o apoio dos colegas de trabalho e da filha Larissa Sousa, hoje com 16 anos. Todo o esfor√ßo n√£o foi em v√£o: ela conquistou a sonhada certifica√ß√£o e h√° um ano trabalha como t√©cnica de seguran√ßa no canteiro de Belo Monte. Hoje, Edvanda √© umas das profissionais que orientam e¬† inspecionam os equipamentos e as condi√ß√Ķes de trabalho dos funcion√°rios nas obras da maior usina brasileira 100% nacional, o empreendimento hidrel√©trico que emprega¬†cinco vezes mais mulheres do que a m√©dia registrada no setor da constru√ß√£o civil no Brasil. Sobre os mais recentes anos de sua vida, a t√©cnica avalia sem pestanejar: ‚ÄúEstou realizada. Consegui realizar um sonho. N√£o tenho pretens√£o de ser um exemplo, mas, se eu pude, muita gente tamb√©m pode voltar a estudar e alcan√ßar o que deseja.‚ÄĚ
  • As fam√≠lias dos novos bairros constru√≠dos pela Norte Energia, em Altamira, ter√£o cortejo de blocos carnavalesco para lembrar que a √©poca √© n√£o apenas de folia, mas tamb√©m de preserva√ß√£o do meio ambiente e boas pr√°ticas de conviv√™ncia. Os participantes de oficinas de produ√ß√£o de fantasias e instrumentos com material reciclados organizaram o "Jotobloco",no Jatob√°, e o "Jocabloco", no S√£o Joaquim para brincar o carnaval de formal sustent√°vel. A brincadeira √© resultado de oficinas dos N√ļcleos de Educa√ß√£o Ambiental do Xingu (Nucleax), unidades inseridas em cada um dos novos bairros da cidade para efetivar as a√ß√Ķes do Programa de Educa√ß√£o Ambiental previsto no Projeto B√°sico Ambiental da Usina Hidrel√©trica Belo Monte. Nas oficinas, principalmente, crian√ßas e adolescentes passaram o m√™s de janeiro se entrosando e aprendendo a construir fantasias, adere√ßos e instrumentos de percuss√£o com latas, garrafas, sementes, jornais, revistas e outros materiais reaproveit√°veis. Com tudo pronto para a folia, as festas j√° est√£o marcadas: no bairro Jatob√° ocorre no s√°bado (14/02), a partir das 9h, com a apresenta√ß√£o do Jotobloco, e, na segunda-feira (16/02), tamb√©m pela manh√£, no S√£o Joaquim com a apresenta√ß√£o do Jocabloco.  
  •  Conhecida como costureira de m√£o cheia na √°rea da invas√£o S√£o Raimundo, na regi√£o do Igarap√© Amb√©, Maria Alice dos Santos Silva, 53 anos, agora vive em uma casa segura e confort√°vel no √Āgua Azul, um dos seis novos bairros que est√£o sendo constru√≠dos pela Norte Energia em Altamira. ‚Äú√Č vida nova‚ÄĚ, resumiu a costureira, que dividia uma casa com a filha Valdicl√©ia Santos da Silva, 22 anos, na rua A√ßail√Ęndia. Dona Maria √© a chefe da fam√≠lia 2.500 transferida pela Norte Energia para os novos bairros da cidade. Em comum, estas fam√≠lias tem uma hist√≥ria de transtornos motivados pelas cheias hist√≥ricas do rio Xingu. Antes de erguer sua casa de madeira na invas√£o S√£o Domingos, em 2005, ela morou por cinco anos na Rua das Olarias, onde a fam√≠lia enfrentou as dificuldades t√≠picas dos ‚Äúbaix√Ķes‚ÄĚ de Altamira: enchentes, perda de m√≥veis, doen√ßas... ‚ÄúSofri muito com o inverno‚ÄĚ, recorda dona Maria. Ela deixou o lugar ap√≥s a morte do marido em busca de um lugar seco onde pudesse criar os filhos.¬† ‚ÄúPedi ao meu irm√£o para trazer toda a madeira da casa e remontar no novo lugar.‚ÄĚ Desde quinta-feira (05/2), dona Maria vive no √Āgua Azul. O bairro tem infraestrutura completa, com ruas asfaltadas, cal√ßadas, ilumina√ß√£o p√ļblica e redes de √°gua pot√°vel e esgoto sanit√°rio. A casa que vai dividir com dois filhos est√° em um terreno de 300 metros quadrados, tem 63 metros quadrados de √°rea constru√≠da, sala e cozinha conjugadas, tr√™s quartos (uma su√≠te) e dois banheiros. A filha Valdicl√©ia e dois netos, agora, moram numa casa vizinha, com a mesma comodidade e seguran√ßa. ‚ÄúEstou muito feliz. N√£o tem compara√ß√£o‚ÄĚ, resume dona Maria.
  • S√£o 4.749 novas oportunidades de emprego. Este foi o segundo ano consecutivo em que Altamira registra o melhor desempenho do Estado no indicador que mede a empregabilidade dos munic√≠pios paraenses. A not√≠cia √© da vers√£o impressa do jornal O Liberal.  
  • O acesso √© dif√≠cil no terreno com mato e alagado pelo igarap√© Amb√©, cheio com as chuvas de janeiro. Aos fundos de uma ru√≠na est√° a casa de B√°rbara Joana da Concei√ß√£o, de 64 anos. A casa da idosa √© de tijolos ao lado da casa do filho Ricardo Henrique da Concei√ß√£o G√≥es, de 31 anos. Ele abandonou o casebre de madeira para se abrigar ¬†com a m√£e por medo das tempestades que castigam a cidade nessa √©poca. ‚ÄúPor ele, fa√ßo tudo‚ÄĚ, ela diz, generosa. Os dias de temor e insalubridade est√£o contados: B√°rbara √© a moradora n√ļmero 2.000 dos novos bairros que est√£o sendo constru√≠dos pela Norte Energia em Altamira. B√°rbara e Ricardo agora s√£o moradores do bairro √Āgua Azul. Ela n√£o esconde o contentamento: continuar√£o sendo vizinhos, lado a lado, por√©m em duas casas novas, seguras e confort√°veis. Antes de deixar a antiga moradia, ela fala com certa tristeza sobre a realidade enfrentada diariamente por nove anos no bairro S√£o Domingos: ‚Äúa gente vive aqui porque √© o jeito. Tudo foi constru√≠do com esfor√ßo. N√£o dava pra largar assim e sair simplesmente‚ÄĚ. Ela chegou ao local junto com a ‚Äúinvas√£o‚ÄĚ do terreno, viu as palafitas serem erguidas uma a uma √†s margens do igarap√©. Ricardo est√° esperan√ßoso e a conversa da m√£e o faz recordar quando chegou ao S√£o Domingos: ‚Äúeu morava de aluguel, sou aut√īnomo e tudo √© mais complicado. Minha m√£e veio para c√° e era muito perigoso. Decidi fazer companhia pra ela e aproveitei para construir uma casinha para minha fam√≠lia. Estou aqui faz quase oito anos‚ÄĚ. ‚ÄúSofremos muito no inverno. Meu esposo j√° teve que carregar nossos filhos nos ombros pra irem pra escola. Imagina a √°gua nos joelhos e o tanto de cobras e insetos para enfrentar‚ÄĚ, acrescenta J√°dna Estevam, mulher de Ricardo. ‚ÄúSei que tudo vai ser melhor, meus filhos v√£o crescer em um lugar seguro‚ÄĚ, prev√™ ela. B√°rbara, Ricardo e J√°dna sentiram um grande al√≠vio com o aviso de que mudariam para o √Āgua Azul. J√°dna est√° contava os dias para sair: ‚Äúa gente se acostuma com tudo, mesmo quando a vida n√£o √© boa, mas agora na casa nova eu vou ficar muito mais feliz‚ÄĚ. As duas casas de n√ļmero 88 e 89 no novo bairro t√™m 63 metros quadrados, em √°rea de 300 metros quadrados, com sala e cozinha conjugada, tr√™s quartos, sendo uma su√≠te, e banheiro social.¬†O novo bairro conta com infraestrutura urbana completa, como energia el√©trica, ilumina√ß√£o p√ļblica, rede de abastecimento de √°gua e esgoto, pavimenta√ß√£o asf√°ltica e cal√ßamento e √°reas de lazer.











© Desenvolvido por santafédigital. Uma empresa do grupo santafé.